Conheça a nova Copa Davis

A Copa Davis, desde 1900, é disputada por equipes nacionais e é a principal competição da Federação Internacional de Tênis (ITF), uma vez que os Grand Slams são organizados pela Associação de Tenistas Profissionais (ATP).

Até 2018 a Copa Davis era disputada no sistema de liga, com partidas espalhadas ao longo do ano na sede de um dos países.

O desporto é cada vez mais, além de competição, entretenimento, e nenhuma grande disputa é capaz de se manter sem público e patrocinadores.

Nesse sentido, a Copa Davis reinventou-se para sua edição de 2019 e adotou um modelo “Copa do Mundo”. Nos bastidores dessa mudança está o zagueiro do Barcelona Piqué, presidente do grupo de investimento Kosmos, que investirá 3 bilhões de dólares na competição por 25 anos.

Com queda de público e esvaziada pela ausência dos grandes tenistas, que preferiam disputar as competições do circuito internacional, a “nova” Copa Davis passará a ser jogada em uma sede fixa por 18 seleções.

As duas primeiras edições do novo modelo ocorrerão na cidade espanhola de Madri, entre os dias 18 e 24 de novembro de 2019.

Os 18 países – 4 semifinalistas da atual edição (França, Croácia, Espanha e Estados Unidos), 2 convidados (Argentina e Reino Unido) e 12 provenientes da fase de classificação – serão divididos em 6 grupos de 3 seleções cada um.

Classificarão para as quartas de final os seis campeões dos grupos e os dois melhores segundo colocados. Os dois piores terceiros colocados serão rebaixados.

As disputas se darão no sistema de melhor de três partidas, com dois jogos de simples e um de duplas, e não mais em melhor de cinco jogos.

A tendência é que a Copa Davis se torne uma verdadeira Copa de Mundo de seleções da modalidade e que o mundo vire os olhos para o tênis durante uma semana por ano, pois, com um calendário bem organizado, será possível ter a participação das principais estrelas.

O Brasil foi beneficiado pela alteração do formato e está a um confronto da elite, eis que disputará em casa vaga na “nova” Copa Davis contra a Bélgica, nos dias 1º e 2 de fevereiro de 2019.

Apesar de algum descontentamento quanto à substancial alteração na centenária Copa Davis, trata-se sw caminho indispensável para a manutenção da competição e desenvolvimento do tênis no mundo.

Competições comercialmente mais atrativas atraem mais visibilidade, público, patrocinadores e receita. Essa é a fórmula de sucesso utilizada pelos Estados Unidos em suas ligas profissionais e pela UEFA na Champions League.

Mais que uma disputa, os eventos esportivos são entretenimento e precisam se readaptar à nova realidade de TVs, internet e costumes sociais.

Só assim a Copa Davis e outras tradicionais competições sobreviverão.

Compartilhe

Share on whatsapp
Share on telegram
Share on twitter
Share on facebook
Share on linkedin
Share on email

Últimas Notícias

Colunas

Seções

Assine nossa newsletter

Toda sexta você receberá no seu e-mail os destaques da semana e as novidades do mundo do direito esportivo.