A fragilidade branca, Colin Kaepernick, Marcio Chagas e Ângelo Assumpção

Por Igor Serrano

Toda pessoa branca é racista!” – foi com essa frase que Levi Kaique Ferreira, iniciou a parte final de sua aula de encerramento da terceira turma do excelente curso “Pensando a branquitude”, ministrado pelo Portal Pretitudes (que também contou com aulas de Ana Gabriela Ferreira, Ana Carolina Fernandes, Bruna Santiago, Keilla Vila Flor e Caio Ventura), no dia 19/08/2020. A frase, a princípio, pode soar como uma acusação, para você, leitor(a) branco (a), mas nada mais é do que uma constatação óbvia de quando se analisa o racismo: “Indivíduos brancos podem ser ‘contra’ o racismo; mas ainda assim, eles se beneficiam de um sistema que privilegia os brancos como grupo” – declara Robin Diangelo em seu livro “White Fragility” (que no Brasil, lançado pela Editora Faro Editorial, recebeu a tradução de “Não basta não ser racista, sejamos antirracistas: a fragilidade branca”).

Em 2016, Colin Kaepernick, quarterback do San Francisco 49ers, antes de uma partida de pré-temporada, ajoelhou-se durante o hino nacional dos EUA, recusando-se a cantá-lo. O protesto chamava a atenção para a violência policial direcionada a população negra, após mais alguns casos de assassinatos de jovens negros resultantes de abusos de autoridade: “Não vou me levantar e mostrar orgulho pela bandeira de um país que oprime o povo negro e as pessoas de cor“, declarou Colin após a partida. O poderoso e simbólico gesto passou a também ser reproduzido por outros atletas da própria NFL e, também, da NBA. O quarterback, idealizador do protesto, teve seu contrato rescindido pelo 49ers e nunca mais foi contratado por outra equipe.

Após ter a carreira de árbitro encerrada precocemente por conta de ato de discriminação racial explícita sofrida antes, durante e depois de partida do Campeonato Gaúcho de 2014, Márcio Chagas manteve-se no futebol como comentarista de arbitragem. O novo ofício, no entanto, também seria interrompido de forma abrupta, mais uma vez tendo o racismo relacionado. Em 2019, em entrevista ao UOL Esporte, Márcio chamou a atenção para as manifestações racistas que recebia do lado de fora das cabines de transmissão nos estádios, gerando grande repercussão e debate no futebol sobre o tema. Em novembro daquele ano foi chamado para uma reunião onde ouviu que “seus posicionamentos estavam gerando muito desgaste” e que por isso seu chefe pensava em desligá-lo ao término do Campeonato Gaúcho 2020. “O Campeonato Gaúcho não precisou encerrar. Veio a pandemia e, com ela, meu desligamento, através de um telefonema” – declarou ao UOL Esporte em agosto de 2020.

Ângelo Assumpção é ginasta, com convocações para a Seleção Brasileira em sua carreira. Em 2015, venceu a prova de salto da etapa de São Paulo da Copa do Mundo de ginástica artística. O que era para ser uma feliz temporada, foi destruído pelo comportamento discriminatório alheio. Ângelo foi constrangido, filmado enquanto ouvia ofensas raciais de seus próprios colegas de ginástica e exposto nas redes sociais. Os ofensores foram punidos com trinta dias de suspensão pela Seleção Brasileira. Ângelo decidiu não processá-los criminalmente. O tempo passou e o racismo voltaria a impor barreiras à carreira do atleta: ofensas raciais voltaram a se fazer presente no seu dia-a-dia de clube. Desta vez, todavia, optou por não se calar e reportou a direção o que vinha enfrentando: “Teve uma situação que eu estava todo de lycra preta e de shorts branco, e eventualmente uma pessoa disse que eu estava só de bermuda, entendeu? Então são situações que para as pessoas são despretensiosas, não veem maldade, mas para a gente, que vive isso todos os dias, que entende o que é um racismo estrutural, a gente se machuca demais”. Surpreendentemente, foi suspenso num primeiro momento e posteriormente desligado. O clube, o Pinheiros, se posicionou no sentido de que o ginasta teria problemas de disciplina e técnicos que justificariam o desligamento e refutou o alegado. “A gente poderia ter entrado com qualquer ação sobre o que ocorreu em 2015 e resolvemos não fazer isso com medo de retaliação. Isso comprova que sim, quando você se posiciona alguma coisa acontece com a pessoa que foi vítima da situação” – declarou Ângelo para reportagem disponibilizada no portal Globoesporte.com .

Na obra anteriormente mencionada, Robin Diangelo detalha o que chama de fragilidade branca: “O equilíbrio branco é um casulo de conforto, centralidade, superioridade, prerrogativa, apatia raciais e de esquecimento, todos arraigados na identidade de pessoas boas livres do racismo. […] A fragilidade branca atua como uma forma de assédio. Farei com que seja tão deplorável você me confrontar – não importa o quão diplomaticamente tente fazê-lo – que simplesmente abrirá mão, desistirá e nunca mais voltará ao assunto. […] Francamente, a expressão ‘fragilidade branca’ pretende descrever um fenômeno branco muito específico. Ela é muito mais que mera atitude defensiva ou ‘mimimi’. Pode ser explicada como a sociologia da dominação”.

Em que pese a nomenclatura criada pela autora norte-americana, tal quadro já havia sido apresentado por Abdias Nascimento e Djamila Ribeiro na realidade brasileira em “O genocídio do negro brasileiro: processo de um racismo mascarado” e “O que é lugar de fala?”, respectivamente:

…a camada dominante simplesmente considera qualquer movimento de conscientização afro-brasileira como ameaça ou agressão retaliativa.” (p. 94).

Falar, muitas vezes, implica em receber castigos e represálias, justamente por isso, muitas vezes, prefere-se concordar com o discurso hegemônico como modo de sobrevivência?“ (p. 79).

O goleiro Aranha e o atacante Reinaldo foram tratados como rebeldes ou problemáticos ao emitirem posicionamento e manifestarem-se contra o racismo enraizado na sociedade brasileira (mas que muitos afirmam não existir). Uma nítida tentativa de descreditar seus discursos e manter o status quo.

Diogo Silva, em sua coluna de 26/08/20, fazendo referência ao Instituto Afro Amparo e Saúde, chamou a atenção para o resultado mais comum do racismo no esporte para os atletas negros: doenças psicossomáticas e doenças emocionais, como a depressão, além de desânimo, impotência, insegurança, baixo desempenho físico, baixa autoestima e dificuldade de relacionamento.

Como diria outra autora norte-americana, Angela Davis, “numa sociedade racista, não basta não ser racista, é necessário ser antirracista”. E certamente não é silenciando quem é oprimido que se combaterá o racismo e se promoverá uma sociedade menos desigual.

A branquitude que comanda o esporte precisa compreender que não vive numa bolha alheia a sociedade na qual está inserida. Os atletas da NBA estão aí para lembrá-los disso.

……….

DIANGELO, Robin. Não basta não ser racista, sejamos antirracistas: a fragilidade branca. Tradução Marcos Marciolinio. São Paulo: Faro Editorial, 2018.

NASCIMENTO, Abdias. O genocídio do negro brasileiro: processo de um racismo mascarado. 3ª ed. São Paulo: Perspectivas, 2016.

RIBEIRO, Djamila. O que é lugar de fala? Belo Horizonte: Letramento, 2017.

https://globoesporte.globo.com/futebol-americano/noticia/entenda-por-que-colin-kaepernick-virou-icone-de-protesto-contra-o-racismo-nos-eua.ghtml

https://interativos.globoesporte.globo.com/ginastica-artistica/materia/debaixo-do-tapete

https://www.uol.com.br/esporte/futebol/ultimas-noticias/2020/08/21/ex-juiz-marcio-chagas-diz-que-foi-demitido-por-falar-de-racismo-rbs-nega.htm

https://www.uol.com.br/esporte/colunas/diogo-silva/2020/08/26/angelo-lionel-depressao-entre-jovens-negros-no-esporte-so-aumenta.htm

……….

Igor Serrano é advogado especialista em direito desportivo e autor do livro “O racismo no futebol brasileiro

Compartilhe

Share on whatsapp
Share on telegram
Share on twitter
Share on facebook
Share on linkedin
Share on email

Últimas Notícias

Colunas

Seções

Assine nossa newsletter

Toda sexta você receberá no seu e-mail os destaques da semana e as novidades do mundo do direito esportivo.