Avaliação de equipes Forbes 2019

Por Fabio Araujo

A Forbes divulgou, nesta semana, a sua já famosa lista com os valores de equipes esportivas. A respeitada publicação americana divulga, há quase 20 anos, ranking de valores de times do mundo inteiro. Porém, o ranking está longe de ser considerado exato. A lista publicada com os valores dos times não passa de um rol de referência feito com base em considerações muitas vezes falhas ou irreais. A lista anual é publicada por um único motivo: os fãs adoram ver o quanto supostamente vale o seu time do coração e comparar a posição no ranking com a avaliação dos times rivais.

Apesar do método utilizado pela Forbes para determinar o valor das franquias ser baseado em alguns critérios financeiros objetivos, raras são as equipes que têm como metodologia administrativa a transparência das suas movimentações financeiras, parceiros e bens. Informações confiáveis são difíceis de encontrar. Além de levar em consideração elementos pouco precisos, a Forbes deixa de apreciar outros fatores que irão influenciar na avaliação do time.

Em última instância, assim como ocorre no mercado de ações, o valor de um time ou franquia é exatamente aquele que o investidor quer pagar. Porém, o mercado esportivo difere muito de “Wall Street”. O preço pago por um time é quase sempre muito maior do que sua avaliação financeira[1]. No entanto, é inegável que está presente nas equipes esportivas uma importância social relevante que é inexiste na maioria das grandes empresas de outros ramos. Essa conexão é importante, pois investidores em equipes esportivas levam em consideração muito mais do que o simples balanço das oportunidades de receitas, obrigações contratuais e riscos na hora de avaliar o quanto estão dispostos a pagar pelo time.

No final de março do ano passado, Flavio da Silva, sócio majoritário da Orlando Sports Holding, empresa proprietária do Orlando City SC, Orlando Pride (futebol feminino) e do Orlando City Stadium vendeu 8,63%p da empresa para o investidor Albert Friedberg por US$ 42M. O montante pago elevou o valor estimado da franquia do Orlando City e suas empresas irmãs de US$ 240 milhões para US$ 490.53 milhões. Hoje, a Forbes avalia a franquia em US$ 270 milhões.

A pergunta a ser feita é a seguinte: o preço pago por Friedberg foi absurdo ou a avaliação de US$ 240 milhões ignorou fatores que são determinantes para aferir o real valor de mercado do Orlando City? Respondo prontamente: o preço pago pela parte minoritária do Orlando City não excedeu o que se espera de um time de uma liga estruturada e em crescente popularidade. O Orlando City, em quatro anos de existência, ainda não conseguiu chegar aos playoffs da MLS, mas isso pouco importa. O time é uma das poucas franquias rentáveis da liga americana de futebol e, apesar de sua curta existência, é considerada pela Forbes a oitava franquia mais valiosa da liga. A administração competente do time, o crescente sucesso da MLS nos EUA, o novíssimo estádio no centro de Orlando (ao custo de US$ 155 milhões) e a fanática torcida fazem com que o valor pago por parte do City tenha sido muito mais do que justo.[2].

O excedente pago pelos investidores equivale ao preço de tornar-se parte de um grupo exclusivo de proprietários de equipes esportivas. Os números são relevantes, porém, fazer parte do restrito clube do mundo esportivo, é muito mais importante para a maiorias dos compradores. O investidor, como no caso do Orlando City, muitas vezes não participará das decisões importantes do time por conta da baixa porcentagem em relação ao número total de ações. O que importa é fazer parte do exclusivo clube de proprietários de um time.

Não é todo dia que vemos o anúncio de venda de times considerados relevantes e que façam parte de ligas populares. Times das cinco grandes americanas (NFL, NBA, MLB, NHL e MLS) ou de uma das cinco grandes ligas de futebol mundial (EPL, Bundesliga, Serie A, Ligue 1 and La Liga) raramente são postos à venda. O sinal de qualquer rumor sobre a venda de um dos integrantes dessas ligas causa enormes especulações no mundo inteiro.

Franquias esportivas relevantes têm atingidos valores astronômicos na última década. A era do “billion-dollar franchises” iniciou entre 2003 e 2005 quando John Glazer, dono do Tamba Bay Buccaneers, pagou US$1.47B por 97,3% das ações do Manchester United na Bolsa de Londres, time que, à época, faturava US$300M ao ano e lucrava cerca de US$90M.  Glazer ofereceu um ágio de 20% em cash pelas ações dos Red Devils. Outro exemplo recente de compra e venda de franquia por preço acima da avaliação de mercado certifica a afirmação. Quando Steve Ballmer comprou o Los Angeles Clippers em 2014, a Forbes avaliava o time em US$575 milhões. O preço pago pela franquia de Los Angeles? US$2 bilhões. Se o Clippers vale US$ 2B, quanto vale o NY Knicks ou LA Lakers? Após a venda do Clippers, o valor de muitas franquias subiu imensamente e, segundo a Forbes, Knicks e Lakers valem, respectivamente, US$ 4B e US$3.7B. É difícil imaginar por quanto seria vendido dois dos mais populares times dos EUA, no entanto, se o grupo MSG ou Jeanie Buss (Jarry Buss Family Trusts) resolvessem vender suas franquias, é certo que o montante a ser pago seria muito superior ao que a Forbes diz valer os times de basquete da NBA.

A questão que levanto agora é a seguinte: ao torcedor importa quem detém a maioria das ações ou controla o time? É relevante para o torcedor que o dono da equipe tenha ligação íntima com o clube ou o que importa são os valores a serem injetados e os troféus que o investidor pode trazer? Qual a importância da identificação dos valores dos donos do clube com a cultura do time e sua torcida? Podemos dizer que existe uma ligação maior dos torcedores do Real Madrid e Barcelona com seus times do que sentem os torcedores do Chelsea ou Manchester City?

Segue aqui a lista dos 50 mais valiosos times/franquias em 2019.

Concordam com a lista? Comentem e vamos iniciar a discussão!

[1] São considerações financeiras importantes na hora de avaliar a franquia/time: oportunidades de receitas (patrocínios, direito de mídia, venda de ingressos, receitas em dias de eventos com comidas e bebidas, venda de produtos licenciados e receitas com aluguel de estádios e arenas) e obrigações (dívidas, folha de pagamentos e outras obrigações operacionais, manutenção e obrigações relativas ao estádio/arena, obrigações com a liga – divisão de receitas, luxury taxes – impostos etc).

[2] O Orlando City, em 2018, manteve média de pouco menos de 24 mil espectadores. Representa a sexta maior média de público da MLS. Os números podem ser acessados em: https://soccerstadiumdigest.com/2018-mls-attendance/

……………..

Fabio Araujo é vice-cônsul do Consulado Geral do Brasil em Santa Cruz de la Sierra, mestre em Gestão Esportiva pela Columbia University (EUA), mestre em Direito Esportivo Internacional pelo Instituto Superior de Derecho y Economía (ESP).

Compartilhe

Share on whatsapp
Share on telegram
Share on twitter
Share on facebook
Share on linkedin
Share on email

Últimas Notícias

Colunas

Seções

Assine nossa newsletter

Toda sexta você receberá no seu e-mail os destaques da semana e as novidades do mundo do direito esportivo.