Bolsonaro veta projeto de lei que suspendia o pagamento de parcelas do Profut durante pandemia

Em edição do Diário Oficial da União desta segunda-feira (11), o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) vetou a suspensão do pagamento das parcelas do Programa de Modernização da Gestão e de Responsabilidade Fiscal do Futebol Brasileiro (Profut) por parte dos clubes, enquanto durar o estado de calamidade pública por conta da pandemia de Covid-19.

O projeto de lei 1013/2020, proposto pelo deputado Hélio Leite (DEM-PA), havia sido aprovada pelo Congresso Nacional em dezembro, mas acabou vetado por Bolsonaro a pedido dos Ministérios da Economia e Cidadania nesta segunda-feira. No documento, o presidente alegou “óbice jurídico”.

“Apesar de meritória a intenção do legislador ao conceder o benefício fiscal, os dispositivos encontram óbice jurídico por não apresentarem a estimativa do respectivo impacto orçamentário e financeiro, em violação às regras do art. 113 do ADCT (Ato das Disposições Constitucionais Transitórias) e a Lei de Diretrizes Orçamentárias”, disse Bolsonaro no despacho.

Diante do veto, os clubes terão que pagar normalmente a dívida para a Fazenda Nacional, não podendo mais haverá extensão das parcelas. O Lei em Campo já conversou com especialistas e mostrou que PL poderia ser salvação para diversos clubes do futebol brasileiro.

Em maio, o Ministério da Economia já havia estendido em até cinco meses o prazo de pagamento das parcelas referentes aos meses de maio, junho e julho do Profut.

Além disso, Bolsonaro também vetou outros dois itens do PL aprovado pelo Congresso Nacional: um que retirava dos atletas o direito de pedir rescisão contratual em casos que o clube atrase o pagamento do Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS) e outro que permitiria o afastamento de dirigentes suspeitos de corrupção apenas após o trânsito em julgado dos processos administrativos ou judiciais.

Vale destacar que segundo a lei atual, o não recolhimento de FGTS por três meses dá ao jogador o direito de pedir uma rescisão indireta do contrato de trabalho através de ações judiciais.

Bolsonaro ainda manteve a possibilidade de os clubes poderem fazer contratos mais curtos com atletas, de períodos de apenas 30 dias, e a permissão aos clubes para atrasarem em até sete meses os demonstrativos contábeis.

Os vetos feitos por Jair Bolsonaro ainda podem ser derrubados pelo Congresso Nacional.

Crédito imagem: Agência Brasil

Nos siga nas redes sociais: @leiemcampo

Nossa seleção de especialistas prepara você para o mercado de trabalho: pós-graduação CERS/Lei em Campo de Direito Desportivo. Inscreva-se!

Compartilhe

Share on whatsapp
Share on telegram
Share on twitter
Share on facebook
Share on linkedin
Share on email

Últimas Notícias

Colunas

Seções

Assine nossa newsletter

Toda sexta você receberá no seu e-mail os destaques da semana e as novidades do mundo do direito esportivo.