Botafogo não poderá adotar a recuperação judicial como ‘Plano B’ do projeto clube-empresa

O Botafogo não conseguiu arrecadar R$ 250 milhões com investidores para prosseguir com o plano de se transformar em S/A.  Diante disso, o presidente do clube, Nelson Mufarrej, demonstrou interesse em aplicar o ‘Plano B’ para o projeto, cogitando pedir a recuperação judicial. No entanto, isso não pode acontecer, pelo menos agora. A Lei de Recuperação Judicial prevê que apenas empresas com dois anos de atividade podem solicitar o mecanismo, ou seja, o pedido não poderia ser feito de imediato. Assim, um caminho para o clube da Estrela Solitária é a insolvência civil.

“A insolvência é sim uma alternativa possível, pois está prevista em lei como sendo um mecanismo que permite a uma associação civil liquidar seus ativos e pagar suas dívidas, ou, ao menos, parte delas”, afirmou Rafael Marcondes, advogado especialista em direito tributário e professor.

“Partindo do ponto que a recuperação judicial foi aceita, em caso de não cumprimento dela a consequência é a insolvência. As dívidas tributárias assim como as trabalhistas não entram na recuperação judicial e o principal passivo dos clubes de futebol hoje em dia diz respeito a essas dívidas com os jogadores. Assim, essas dívidas não seriam resolvidas pela recuperação e o clube teria que montar um plano para regularizar essa situação, podendo optar pela transição tributária, que é um mecanismo existente na legislação tributária brasileira”, disse o advogado especialista em direito tributário Rafael Pandolfo.

A insolvência civil vale apenas para associações civis, onde um acordo individual é celebrado com cada credor para ver se ele aceita a redução dos valores. Caso a proposta seja rejeitada, todos os bens da associação serão vendidos para o pagamento de um ou outro credor. Na recuperação judicial é feito um único acordo coletivo com os credores, obrigando a empresa a vender seus bens e declarar falência em caso de rejeição.

“Para os credores dos clubes, o principal risco é não receber seu crédito, caso o patrimônio do clube seja insuficiente para saldar a dívida toda. Para o Botafogo o risco maior é de comprometer sua própria atividade, inviabilizando o negócio futebol, já que todos os seus ativos serão vendidos para saldar as dívidas existentes, ou, ao menos, parte delas”, analisa Marcondes.

No projeto que pretende fazer com que o Botafogo de Futebol e Regatas, uma associação sem fins lucrativos, passa a ser administrado pelo Botafogo S/A, um dos maiores problemas para que o projeto avance é a dívida que chega na casa de R$ 1 bilhão. Sem a quitação do débito, a transferência para clube empresa poderia ser caracterizada como fraude.

Para apelar à recuperação judicial, o Botafogo se agarra no Projeto de Lei 5082/16 do deputado Pedro Paulo (DEM-RJ) que prevê a criação do clube-empresa e abre uma brecha aos clubes no pedido de recuperação judicial, não precisando aguardar os dois anos, podendo ser feito logo que transformado em empresa. O PL foi aprovado na Câmara dos Deputados, mas atualmente está parado no Senado, não havendo previsão para ser votado.

“É preciso deixar claro que o Botafogo não pode pedir recuperação judicial porque é uma associação civil e o mecanismo serve apenas para empresas. Para isso acontecer, o clube precisaria se transformar em empresa e ter uma flexibilização na Lei da Recuperação Judicial que demanda dois anos de atividade para poder ingressar com o pedido”, destaca Marcondes.

“Se a Justiça Federal entende que o clube desenvolve uma atividade empresarial para fins de enquadramento na recuperação judicial, pode a Receita Federal também entender que essa atividade ensejaria a tributação e a contribuição social sobre o lucro, que são tributos que os clubes enquanto associações sem fins lucrativos não pagam. É necessário analisar com muita cautela, é uma análise de risco ponderada”, completa Rafael Pandolfo.

Crédito imagem: Botafogo/Divulgação

Nos siga nas redes sociais: @leiemcampo

Compartilhe

Share on whatsapp
Share on telegram
Share on twitter
Share on facebook
Share on linkedin
Share on email

Últimas Notícias

Colunas

Seções

Assine nossa newsletter

Toda sexta você receberá no seu e-mail os destaques da semana e as novidades do mundo do direito esportivo.