Como a regulamentação dos jogos de azar no Brasil podem impactar, negativa e positivamente, o mercado de loot boxes

Por Fernando Peres¹ e Wállace Félix²

Recentemente foi aprovado na Câmara dos Deputados um projeto lei que dispõe sobre a exploração dos jogos de azar. Tal medida surgiu diante de uma proposta idealizada no ano de 1991, de número 442.

Desse modo, passaria a ser válida no país a exploração de jogos de bicho, cassino, quota fixa, bingo e os jogos online, objeto de discussão no presente estudo.

A justificativa para a aplicação de tal projeto lei é que, em se tratando de jogos online, é plenamente possível apostar, transferir recursos, como dinheiro, via cartões bancários ou outros métodos [3].

Ademais, a temática inclui a vedação de condutas que se julgam contrárias aos jogos de azar no país. Como exemplo, tem-se de coibir o direcionamento de publicidades para crianças e adolescentes, além de vedar a participação de tais agentes.

Apesar de dispor que somente maiores de idade estariam autorizados a participar dos jogos de azar, tal prática seria de difícil controle em jogos online, vez que muitas crianças e adolescentes possuem acesso a celulares e cartões bancários de seus responsáveis [4].

A exploração dos jogos de azar, no modo online, dependeria de regramento específico, a ser elaborado pelo Ministério da Economia. A ideia dos legisladores é a formulação de planejamentos que organizem o grande mercado de jogos online, através de inspeções na exploração dos jogos de azar.

Com isso, o projeto lei que autoriza a prática dos jogos de azar pode contribuir mudar a forma com que as loot boxes, fenômeno típico dos jogos eletrônicos, são percebidos no Brasil. Essas “caixas-surpresa” virtuais são lugar comum nos eSports, presentes em quase todas as modalidades e marcadas por polêmicas.

Comparadas corriqueiramente com pacotes de figurinhas compradas em bancas de jornal, a mecânica das loot boxes é razoavelmente simples: o jogador, com dinheiro real, adquire uma moeda virtual do jogo respectivo, a qual será trocada, por seu turno, em uma caixa (a qual pode assumir a forma de caixa, pacote de figurinhas, roleta e outras), com um determinado número de prêmios aleatórios. Essa troca de moedas recebe o nome de “microtransação”.

Contudo, em que pese a simplicidade do processo, muito se discute sobre as consequências. Em busca de um prêmio cobiçado, o jogador pode ser estimulado, pela incerteza do resultado, a comprar cada vez mais caixas, em um mecanismo potencialmente viciante.

Nesse sentido, inclusive, é que argumenta a Associação Nacional dos Centros de Defesa da Criança e do Adolescente (ANCED), em diversos processos contra desenvolvedoras de jogos como a Eletronic Arts, Riot, Ubisoft, dentre outras, bem como Apple, Microsoft, Sony e Google, como empresas que intermediam “microtransações”. O cerne das ações é justamente a caracterização dos loot boxes como jogos de azar, conforme a lei de contravenções penais, como jogos em que o ganho ou perda dependem exclusiva ou principalmente da sorte.

Com a eventual aprovação dos projetos de lei mencionados ao início, as ações e boa parte da substância das críticas ao loot box, perdem sua força argumentativa. Isso porque, com a descaracterização do jogo de azar como atividade ilícita, não há reais motivos para a proibição irrestrita do fenômeno nos jogos eletrônicos, como já ocorreu em outros países, como a Bélgica.

Contudo, é de se ressaltar que a nova lei pode, da mesma forma, trazer mecanismos relevantes de controle de acesso às loot boxes por crianças e adolescentes, público alvo dessa atividade.

Não é possível prever, com certeza, qual o futuro das loot boxes e das “microtransações” nos jogos eletrônicos no Brasil, mas pode-se considerar que, malgrado não proíba a compra e venda dessas caixas-surpresa, a regulamentação dos jogos de azar pode, por outro lado, melhorar o controle das formas de pagamento no ambiente digital, protegendo o público juvenil, que consome eSports.

Nos siga nas redes sociais: @leiemcampo


REFERÊNCIAS

[1] Advogado Desportivo e Trabalhista no Escritório Cláudio Zalaf Advogados Associados.

[2] Advogado do Athletic Clube e União Luziense – Especialista em Direito Desportivo.

[3] [4] BRASIL. Projeto de Lei nº 442, de 21 de março de 1991. Revoga os dispositivos legais que menciona, referentes à prática do “jogo do bicho”. Câmara dos Deputados, Brasília, DF, 21 mar. 1991. Disponível em: https://www.camara.leg.br/proposicoesWeb/fichadetramitacao?idProposicao=15460. Acesso em: 22 mar. 2022.

Compartilhe

Share on whatsapp
Share on telegram
Share on twitter
Share on facebook
Share on linkedin
Share on email

Últimas Notícias

Colunas

Seções

Assine nossa newsletter

Toda sexta você receberá no seu e-mail os destaques da semana e as novidades do mundo do direito esportivo.