Como será o amanhã?

Por Igor Serrano

Nas últimas semanas, tem sido amplamente divulgado no noticiário esportivo o acordo entre Red Bull Brasil e Bragantino para transferências das atividades daquele para este. Clube tradicional do interior paulista, campeão estadual em 1990 e vice-campeão brasileiro em 1991, o Clube Atlético Bragantino disputará a segunda divisão nacional de 2019. Já a Red Bull, que além do RB Brasil, sensação do interior na atual edição do Paulistão, tem outras equipes na Alemanha, Áustria e Estados Unidos, decidiu dar um passo mais ousado no território brasileiro, pois o RB Brasil (fundado em 2007) encontra-se “sem divisão” atualmente (não se classificou para a quarta divisão de 2019).

A parceria celebrada entre as equipes promete orçamento de série A, reforma do estádio e equipe competitiva. Mas como ficarão uniforme, distintivo e hino da “nova equipe”? Mais do que isso, como será a reação/aceitação por parte de sua torcida? Diante da impossibilidade de prever o futuro, relembramos alguns casos de relações entre torcida e clube que azedaram pelo mundo após ficarem “sob nova direção”.

Portugal: CF Os Belenenses x Belenenses SAD

Em Portugal, desde a segunda metade da década de 90, é obrigatório a todo clube que deseje disputar competições profissionais de futebol constituir uma Sociedade Anônima Desportiva (SAD) ou uma Sociedade Desportiva Unipessoal Por Quotas (SDUQ), conforme Decreto-lei nº 10/2013, para gestão da modalidade. O clube de futebol Os Belenenses, tradicional vizinho da famosa fábrica de pastéis de nata, assim o fez em 18/11/1999, mantendo a maior parte das ações da SAD sob controle dos seus associados.

Em 2012, entretanto, decidiu vender 90% para a empresa Codecity Sports Management (mantendo apenas 10%, o mínimo legal), que prometia gestão moderna do futebol e um incremento das receitas e resultados esportivos. No termo de cessão, o clube se protegeu e estipulou três períodos de recompra das ações, caso fosse de seu interesse.

A relação entre as partes, desde o início, não era das melhores. A empresa, segundo acusam sócios e diretoria do Belenenses, não prestava contas, não repassava quaisquer valores e utilizava o Estádio do Restelo de forma “gratuita”, dentre outros problemas. O clube não daria o salto de desempenho prometido, não fazendo frente aos rivais da capital (Benfica e Sporting) nem ao Porto. Assim, os sócios invocaram em 2016 (um dos momentos previstos em contrato) a opção de “retomada” do controle do futebol profissional do clube. A Codecity, no entanto, não reconheceu a legitimidade desse procedimento.

O problema foi parar na Justiça, e lá, em decisão deveras contestável (pelos argumentos), a empresa obteve ganho de causa. Com isso, o que já era ruim ficou ainda pior. O clube impediu a utilização do Estádio do Restelo, que fez com que o time fosse jogar no Estádio do Jamor, o Estádio Nacional de Portugal, em Oeiras. Além disso, passou a ser identificado como Belenenses SAD, já que clube e associados não reconheciam mais a sua legitimidade, principalmente após o êxito no Tribunal da Propriedade Intelectual que determinou a proibição do Belenenses SAD de utilizar marca, nome e símbolos do Belenenses.

Para completar, os sócios, em assembleia, decidiram pela criação de um novo time, recomeçando do zero a caminhada no futebol português na 1ª Divisão Distrital da Associação de Futebol de Lisboa (equivalente à sexta divisão), utilizando, a princípio, apenas jogadores das categorias de base. Hoje, em Portugal, existem dois Belenenses disputando divisões diferentes da pirâmide do futebol local. E o imbróglio parece longe de uma resolução.


Belenenses x Belenenses SAD

Inglaterra: Manchester United FC x FC United of Manchester

Pouca gente lembra como era a vida de muitos clubes ingleses antes da aquisição por bilionários estrangeiros. O Chelsea e o Manchester City, por exemplo, sempre foram times de muita tradição no cenário local, apesar de poucos títulos, mas se tornaram potências, de fato, após a chegada dos atuais proprietários.

O Manchester United, por sua vez, era um time com diversas conquistas e nome já marcado regional e internacionalmente, tendo conquistado a Europa diante do Benfica de Eusébio e também em 1999, numa final dramática contra o Bayern de Oliver Kahn, além de diversos campeonatos (o maior vencedor da Premier League desde a sua criação), copas e taças nacionais.

Com grande popularidade no mercado asiático e detentor de uma dívida relativamente baixa, o clube do Teatro dos Sonhos logo virou objeto de desejo de diversos investidores dispostos a adquirir os Red Devils. Primeiro, em 1999, o clube quase foi comprado pelo magnata da comunicação na Inglaterra Rupert Murdoch. Os órgãos reguladores, entretanto, entenderam que o detentor das transmissões do campeonato inglês também não poderia ser o dono de um clube que disputava a competição.

Pouco depois, em 2003, os criadores de cavalos John Magnier e J.P McManus também almejaram o time vermelho de Manchester, mas a torcida se mobilizou e fez da vida dos potenciais compradores um verdadeiro inferno, para demovê-los da ideia. Acabaram tendo sucesso com o plano, já que os irlandeses desistiram do negócio.

Em 2005, no entanto, não teve jeito. Apesar dos protestos, o bilionário norte-americano Malcom Glazer, detentor também do Tampa Bay Buccaneers (NFL), adquiriu 90% das ações do clube, para a revolta de muitos torcedores, que consideravam inadmissível o fato de Glazer não ter qualquer ligação e identificação com o futebol e a cidade de Manchester.

Diante do cenário e dos novos valores dos ingressos para os jogos em Old Trafford, alguns rebeldes se reuniram e fundaram um novo clube, cuja essência seria a manutenção da identidade com a comunidade local: o FC United of Manchester, com escudo inspirado em um modelo antigo utilizado pelo Manchester United até 1973, assim como o uniforme, e não por acaso se autointitulariam The Red Rebels: “Acima de tudo, queremos ser vistos como um bom exemplo de como um clube pode ser executado no interesse dos seus membros e ser um benefício para as suas comunidades locais” – diz um trecho do manifesto de fundação do clube.

Iniciado na décima divisão, hoje o clube disputa a sexta. Dirigido por um conselho eleito por seus associados e contribuintes, tem ingressos a preços médios de 10 libras e consegue atrair bons públicos ao Broadhurst Park, em clima bem diferente da atmosfera fria que tomou conta do Old Trafford com a debandada dos torcedores.


Manchester United FC x FC United of Manchester

Áustria: Austria Salzburg x RB Salzburg

Clube tricampeão austríaco e vice-campeão da extinta Copa da Uefa, o Sportverein Austria Salzburg foi fundado em 1933 e costumava a figurar entre as equipes mais tradicionais do país até 2005, quando a chegada da Red Bull estremeceu as relações entre clube e torcida.

A empresa de energéticos, após se tornar proprietária, propôs uma série de mudanças, a começar pela troca do nome do clube de Austria Salzburg para FC Red Bull Salzburg. Até aí nenhum problema, já que no passado o Austria já havia mudado de nomenclatura em outras ocasiões por conta de patrocínios (por exemplo, entre 1978 e 1997, época em que era conhecido por SV Casino Salzburg).

Todavia, um passo mais ousado começou a acender a ira dos torcedores: o clube decidiu que era um novo clube, que estava sendo fundado em 2005 (e não mais em 1933), e que o antigo simplesmente não existiria mais (publicando no site oficial “este é um novo clube sem história”). Em outras palavras, era como se o RB Salzburg pegasse toda a história do Austria e apertasse o delete. A Federação Austríaca de Futebol interveio e não permitiu a iniciativa.

Alguns torcedores se reuniram e criaram um comitê (Iniciativa Violeta e Branco) para dialogar com a Red Bull e protestar, dentre outros pontos, sobre a substituição das tradicionais cores violeta e branca do uniforme e da identidade visual do clube por vermelha, azul e amarela, tradicionais da logomarca da empresa. Após uma contraproposta da Red Bull, considerada indecorosa pela Iniciativa, de manter a cor roxa nos meiões dos goleiros, na braçadeira de capitão e na logomarca da Adidas apenas, os torcedores da IVB decidiram romper com o RB Salzburg e recriar o clube à sua maneira, o novo Sportverein Austria Salzburg, do zero, na sétima divisão austríaca.

Em pouco tempo, o novo Austria Salzburg conseguiu diversos acessos em sequência, mas parou na terceira divisão. O tão aguardado duelo entre os times ainda não aconteceu nos profissionais, apenas nas categorias de base e equipes B, sempre dando trabalho à polícia local.


Austria Salzburg x RB Salzburg

Romênia: FC Universitatea Craiova x CS Universitatea Craiova

Talvez o exemplo mais emblemático. Graças a uma série de trapalhadas nos bastidores da política e do futebol romeno, uma torcida se viu dividida entre dois clubes que diziam ser o mesmo na cidade de Craiova.

Após dois rebaixamentos em cinco anos, o tradicional FC Univesitatea Craiova (fundado em 1948) foi punido, provisoriamente em 2011 e em definitivo em 2012, com a pena de desfiliação da Federação Romena de Futebol por ter acionado a Justiça comum para resolver problemas da área desportiva. Paralelamente a isso, durante a campanha para as eleições municipais de 2012, a candidata à prefeitura da cidade de Craiova Lia Olguța Vasilescu defendia que, caso eleita, ressuscitaria o clube.

Vasilescu venceu e conseguiu firmar uma aliança com o proprietário, Adrian Mititelu, que conseguiu reverter a punição de desfiliação imposta pela FRF. Com o passar do tempo, entretanto, o caldo entornou, e as partes, sem conseguir chegar a um denominador comum, acabaram desistindo do projeto público-privado para reativar o FC Univesitatea Craiova. A prefeita, por sua vez, não abandonaria a ideia, apenas mudaria de parceiro.

Conseguindo apoio de outros empresários, da FRF (que garantiu uma vaga direta na segunda divisão) e de antigos ídolos do FC Univesitatea Craiova (FCU), surgiu, em 2013, o CS Univesitatea Craiova (CSU), que dizia ser a continuação do extinto clube. Adrian Mititelu, insatisfeito com a “pernada” que tomou, acelerou o processo de reativação do clube “original” e conseguiu a volta das atividades também na segunda divisão. Rapidamente o caos se instaurou entre aqueles que até então eram unidos por uma mesma paixão:

“Torcedores que antes torciam por um mesmo clube se dividem. Torcedores do FCU chamam os rivais de ‘clonados’, afirmando que o CSU é um clone. Os torcedores do CSU se referem aos do FCU como ‘escravos de Mititelu’, porque ‘o Universitatea Craiova é do povo e não pode se prender a uma única pessoa’. Torcidas organizadas começam
a pichar a cidade, trocando acusações e provocações. […]

O FCU Craiova é exilado pela Prefeitura, sendo impedido de jogar no Ion Oblemenco. O time de Mititelu passa a mandar seus jogos em Drobeta Turnu-Severin e em outras cidades, até mesmo fora da Oltênia. A maioria da torcida fica, a princípio, com o FCU. Vários dos ídolos que jogaram na geração Craiova Maxima e na dos anos 90 passam a trabalhar no CSU. […]

CSU e FCU têm o mesmo nome e as mesmas cores, ambos alegando serem o Universitatea Craiova original, fundado em 1948. Enquanto o FCU continua com o distintivo atual com o desenho de um leão, o CSU usa, além do distintivo do leão, uma remodelação do escudo triangular, anterior a 1983, com listras azuis e brancas.

Na segunda divisão romena, as equipes se enfrentaram duas vezes, em 2 de setembro e 23 de novembro de 2013. A primeira partida, sob o mando de campo do FCU, foi realizada no Estádio Municipal de Drobeta-Turnu Severin. A segunda, sob mando de campo do CSU, no Estádio Ion Oblemenco lotado. Os dois confrontos tiveram a tensão de um verdadeiro clássico, mas nenhum deles teve gols” (ROBERGE, 2017. p. 141-142).

O retorno do FC Universitatea Craiova não durou muito, e em 2014 o clube encerrou de vez as atividades. Com isso, muitos dos torcedores do FCU migraram para o então “rival” CSU, que chegou à primeira divisão e se manteve por lá. Para aumentar ainda mais a polêmica rivalidade, em 2016 o Tribunal de Bucareste decidiu que a marca Universitatea Craiova é propriedade do CSU, e não do FCU.


FC Universitatea Craiova x CS Universitatea Craiova

Diante de todos esses exemplos de relação azedada entre clube e torcida pelo mundo, que resultaram na criação de um novo, esperamos que a Red Bull dê um upgrade, com o aporte financeiro e a melhoria de gestão e marketing, mas não deixe de respeitar as tradições do Bragantino e ouvir os anseios de sua torcida, para que também não nos deparemos com dois Bragantinos em Bragança Paulista.

……….

Igor Serrano é advogado, pós-graduado em Direito Desportivo pela Universidade Cândido Mendes, defensor dativo do Tribunal de Justiça Desportiva Antidopagem, criador e editor do selo Drible de Letra e autor do livro “O racismo no futebol brasileiro”.

……….

Referências
ALVITO, Marcos. A rainha de chuteiras: um ano de futebol na Inglaterra. Rio de Janeiro: Apicuri, 2014.
BERCI, Plácido. Paixão: uma viagem pelo futebol inglês. Rio de Janeiro: Via Escrita, 2015.
HOFMAN, Gustavo. Quando o futebol não é apenas um jogo. Rio de Janeiro: Via Escrita, 2014.
ROBERGE, João Vítor. Fotbal: aventuras, tristezas e alegrias romenas. Rio de Janeiro: Multifoco, 2017.
OFF – Outras Guerras: Austria Salzburg x Red Bull Salzburg

FC United, os rebeldes vermelhos de Manchester


https://maisfutebol.iol.pt/amp/liga/rui-pedro-soares/beleneneses-partido-em-dois-que-equipa-vai-ver-na-proxima-epoca
https://www.dn.pt/desportos/interior/belenenses-sad-perde-recurso-e-esta-impedido-de-usar-o-simbolo-do-clube-10656021.html
http://www.espn.com.br/video/clipe/_/id/5443503

Austria Salzburg, os rebeldes contra o império Red Bull


https://www.jornaldenegocios.pt/empresas/desporto/detalhe/belenenses-sad-vai-a-luz-sem-simbolos-clube-diz-que-nem-o-nome-pode-ser-utilizado

Futebol


https://www.ojogo.pt/futebol/1a-liga/belenenses/noticias/interior/tribunal-impede-sad-do-belenenses-de-utilizar-nome-marca-e-simbolos-do-clube-10103683.html
https://www.publico.pt/2018/09/30/desporto/noticia/a-sad-ficou-com-o-futebol-profissional-o-belenenses-quer-fica-com-tudo-1845817/amp.
Podcast Som das Torcidas – SDT Na Bancada #08 Os Belenenses – Disponível no Spotify e em http://www.central3.com.br/category/podcasts/som-das-torcidas/

Compartilhe

Share on whatsapp
Share on telegram
Share on twitter
Share on facebook
Share on linkedin
Share on email

Últimas Notícias

Colunas

Seções

Assine nossa newsletter

Toda sexta você receberá no seu e-mail os destaques da semana e as novidades do mundo do direito esportivo.