Condenação de Nuzman é novo recado do esporte aos gestores: façam o certo

Ainda surpreende uma notícia como a da noite desta quinta (25), sobre a condenação à prisão de um dos principais dirigentes do esporte brasileiro do século. Mas a verdade é que o episódio envolvendo Carlos Arthur Nuzman, ex-presidente do Comitê Olímpico Brasileiro, é mais um recado que o esporte já tem mandado aos dirigentes: façam o certo.

O ex-presidente da CBF José Maria Marin já foi condenado e preso nos Estados Unidos por corrupção. Michel Platini, ex-presidente da UEFA, também. Ele e Joseph Blatter, ex-presidente da FIFA, ainda respondem a processos na suíça.

Por aqui, ex-dirigentes de Cruzeiro e Internacional podem ser presos por gestão temerária. A lista é grande e já dá para parar por aqui.

Com esses casos já se escancara o mais importante: ocrime no esporte passou a ser punido.

Agora foi a vez de Carlos Arthur Nuzman. O ex-presidente do Comitê Olímpico do Brasil (COB), foi condenado a 30 anos,11 meses e oito dias de prisão por corrupção nos Jogos Olímpicos de 2016. A sentença foi proferida pelo juiz Marcelo Brêtas, da 7ª Vara Federal Criminal do Rio de Janeiro.

Nuzman responde pelos crimes de corrupção passiva, organização criminosa, lavagem de dinheiro e evasão de divisas. O processo é resultado da Operação Unfair Play, que investigou a compra de votos para a escolha do Rio como sede dos Jogos e denunciou Nuzman em 2017 como intermediador de pagamento de propina.

A defesa de Nuzman afirmou em nota que “o Juiz condenou por esporte, sem provas. Não leu a defesa e desconsiderou o depoimento de mais de 50 testemunhas. Nenhum Tribunal da República irá prestigiar esta violência jurídica inominável”.

A esperar para ver.

Mas o fato incontestável é: a vigilância aumentou. Do poder público e do próprio movimento esportivo.

A importância da autorregulação

O esporte está se protegendo. A autorregulação tem papel decisivo nesse processo.

Com os escândalos nas grandes entidades esportivas, como o Fifagate em 2015, a pressão do movimento esportivo e da opinião pública por transparência e responsabilidade nas entidades esportivas aumentou.

Sentindo a pressão, vendo importantes dirigentes denunciados por crimes e entendendo a importância de uma proteção interna, as entidades passa a investir em governança, transparência, profissionalismo e compliance.

Os Estatutos foram reformados. Comitês de Ética ganharam autonomia. Atletas passaram a ter mais representatividade. Ouvidoria independente. Além disso, foram criados regulamentos internos importantes.

O fair play financeiro é um exemplo. O Licenciamento de Clubes da Fifa, outro. Dois regulamentos jurídicos desportivos que buscam dar credibilidade, integridade, transparência desportiva e financeira.

Assim como a FIFA e a Conmebol, a CBF também adotou o Licenciamento de Clubes e esta para entrar em vigor o Fair Play Financeiro da entidade. O CNRD também é uma esperança.

Autorregulação esportiva, vigilância do Ministério Público que passou a denunciar gestão temerária (olha o caso de Nuzman) e até o Congresso Nacional resolveu ajudar.

Depois de 4 anos estacionado no Senado, o PLS 68/17 – que, além de unificar a legislação esportiva, tipifica o crime de corrupção privada – voltou a avançar no Congresso.

O fato é que esse caminho que o esporte está tomando – inserindo regras que auxiliam na gestão responsável e no combate aos absurdos do negócio – transformará não só a administração esportiva, mas também o próprio direito.

No esporte não há mais espaço para amadores, irresponsáveis e/ou criminosos.

As notícias estão aí. E vem de todos os esportes. Fazer o certo não é só um compromisso moral, é também evitar de ser destaque em mais uma dessas notícias.

Credito imagem: Getty Images

Nos siga nas redes sociais: @leiemcampo

Compartilhe

Share on whatsapp
Share on telegram
Share on twitter
Share on facebook
Share on linkedin
Share on email

Últimas Notícias

Colunas

Seções

Assine nossa newsletter

Toda sexta você receberá no seu e-mail os destaques da semana e as novidades do mundo do direito esportivo.