Crimes na Copinha

Por Rogério Tavares da Rocha

Festa na Copinha! O campeão atropelou, venceu e comemorou muito ontem. Pela primeira vez o Palmeiras alcançou o feito na competição mais importante de base do Brasil. Enfim!!! Menos uma provocação dos rivais (pensará o torcedor).

Fato é que, merecidamente, “os meninos da Academia” levantaram o troféu ao apresentarem um futebol convincente e muitas vezes encantador. Destaque com estrelinhas reluzentes ao aparecimento do jovem Endrick de 15 anos. Um fenômeno em formação.

Mas pelo menos nesse texto, falar dessa juventude promissora e seus feitos não é o objetivo. E por que? Porque poderíamos estar falando há alguns dias de uma fatalidade ou até mesmo de uma tragédia. Sim, de uma tragédia. E não se trata de exagero.

Já pensaram se os dois marginais (nunca serão torcedores) que entraram no gramado no dia da semifinal da Copinha, no jogo entre São Paulo e Palmeiras, tivessem alcançado o objetivo? Já pararam para refletir que eram meninos em campo, vestidos de profissionais, que seriam agredidos, machucados e possivelmente impossibilitados de estar na partida final levantando um troféu tão importante?

Olhar para trás e não se sensibilizar com o risco que essa juventude correu é tapar os olhos para o futuro. Sem falar, que mesmo tendo sido jogada da arquibancada, o risco de uma arma branca dentro de um estádio de futebol, transcende a ideia de absurdo.

O momento nos pede para comentar a festa, o título, a comemoração, os feitos positivos. Porém, nunca será demais lembrar de algo que poderia sim, ter virado tragédia. Lembrar para poder punir. Punir para que das próximas vezes se diminua o risco de algo parecido voltar a acontecer.

Leis não faltam. Na esfera desportiva, o São Paulo deve apresentar à polícia o acusado de ter jogado a faca no gramado. As pessoas que invadiram o campo, obviamente, já estão identificadas. Caso contrário, o artigo 213 do Código Brasileiro de Justiça Desportiva em seus incisos II e III prevê pena de 100 reais a cem mil reais em caso de invasão do campo e lançamento de objetos no campo. O §1º do mesmo artigo ainda lembra que se a desordem for de elevada gravidade a entidade poderá ser punida com a perda do mando de campo de uma a dez partidas. O § 3º confirma que a comprovação da identificação e detenção dos autores da desordem, invasão ou lançamento de objetos, com apresentação à autoridade policial competente e registro de boletim de ocorrência exime a entidade, no caso o São Paulo, de responsabilidade.

Portanto, na esfera desportiva a questão é: identificaram quem entrou no estádio e jogou a faca no campo? A punição ou não do São Paulo depende muito disso. Lembrando que a punição ao clube só será possível em competições organizadas pela Federação Paulista para as categorias amadoras. Portanto, não serviria para um possível problema ao time profissional.

Mas e os marginais? Serão ou não punidos? A resposta é: devem!

A começar pela pessoa que entrou com a faca e depois a arremessou.

Veja o que diz o artigo 41-B, § 1º, I e II do Estatuto do Torcedor:

Art. 41-B.  Promover tumulto, praticar ou incitar a violência, ou invadir local restrito aos competidores em eventos esportivos: (Incluído pela Lei nº 12.299, de 2010).

Pena – reclusão de 1 (um) a 2 (dois) anos e multa. (Incluído pela Lei nº 12.299, de 2010).

§ 1o Incorrerá nas mesmas penas o torcedor que: (Incluído pela Lei nº 12.299, de 2010).

I – promover tumulto, praticar ou incitar a violência num raio de 5.000 (cinco mil) metros ao redor do local de realização do evento esportivo, ou durante o trajeto de ida e volta do local da realização do evento;

II – portar, deter ou transportar, no interior do estádio, em suas imediações ou no seu trajeto, em dia de realização de evento esportivo, quaisquer instrumentos que possam servir para a prática de violência. (Incluído pela Lei nº 12.299, de 2010).

Em outras palavras, os vândalos que invadiram o gramado e o que jogou a faca no campo devem ser julgados e podem pegar de um a dois anos de reclusão mais multa.

No próprio artigo 41 – B, o § 2º confirma a possibilidade de o juiz transformar a pena de reclusão em impeditiva de direitos, caso o réu seja primário, tenha bons antecedentes e não tenha sido punido anteriormente pelo mesmo artigo.

A pena impeditiva, então, poderia ser de impedimento de comparecer às proximidades do estádio, bem como a qualquer local em que se realize evento esportivo, pelo prazo de 3 (três) meses a 3 (três) anos.

Se houver descumprimento, volta-se com a pena de reclusão (§ 3º).

Aos mais céticos que se perguntam: “mas como controlar onde a pessoa está em dia de evento?” Destacamos o § 4º do mesmo artigo da mesma lei:

“Na conversão de pena prevista no § 2o, a sentença deverá determinar, ainda, a obrigatoriedade suplementar de o agente permanecer em estabelecimento indicado pelo juiz, no período compreendido entre as 2 (duas) horas antecedentes e as 2 (duas) horas posteriores à realização de partidas de entidade de prática desportiva ou de competição determinada.”

Lembrando que a lei 12.299/10 foi uma alteração no Estatuto do Torcedor (lei 10.671/03) e, justamente, dispõe sobre medidas de prevenção e repressão aos fenômenos de violência em competições esportivas. Busca-se reforçar e evitar a sensação de impunidade, além de garantir a civilidade nos espetáculos esportivos.

Normas para serem utilizadas existem. A Lei foi criada. O Direito Penal acionado. O que não se pode, nesse caso, é no calor das comemorações se esquecer do que poderia ter acontecido. O futuro desses e de outros meninos não depende apenas da bola nos pés e do brilho de suas jogadas.

Crédito imagem: Diogo Reis

Nos siga nas redes sociais: @leiemcampo

Compartilhe

Share on whatsapp
Share on telegram
Share on twitter
Share on facebook
Share on linkedin
Share on email

Últimas Notícias

Colunas

Seções

Assine nossa newsletter

Toda sexta você receberá no seu e-mail os destaques da semana e as novidades do mundo do direito esportivo.