Crise na CBF exige um “poder moderador”. STJD pode assumir essa responsabilidade histórica

A CBF passa por uma crise histórica. Uma disputa política, com ingredientes éticos e jurídicos que provocaram um racha poucas vezes visto na história do movimento esportivo brasileiro.

Nessa hora em que dois lados se posicionam de maneira firme, defendendo interesses e direitos contrários, e que o diálogo interno me parece impossível, é fundamental encontrar um mediador, alguém que tenha a imparcialidade e o conhecimento jurídico para devolver uma segurança institucional à entidade. Eu acredito que a Justiça Desportiva tem a oportunidade de exercer esse papel.

Não quero entrar aqui no mérito da disputa (quem tem ou não razão), mas quero refletir sobre o procedimento do caso e o papel da Justiça Desportiva nesse momento delicado do futebol brasileiro.

Rogério Caboclo está afastado pela Comissão de Ética da CBF desde 6 de junho, dois dias depois da acusação formal de uma empregada da entidade contra ele de assédio moral e sexual.

Ele nega as acusações e tem preparado um vasto material com uma equipe grande e capacitada de assessores.

Depois de uma decisão da diretoria por um novo afastamento por mais 60 dias, a Comissão de Ética se manifestou e prorrogou por mais 60 dias o afastamento.

A diretoria revogou a decisão anterior. Até porque ela foi alvo de ponderações necessárias.

Em um paralelo, poderia uma comissão de ministros afastar o presidente da República?

Pela nossa carta constitucional, essa decisão cabe ao Congresso Nacional. Pelo Estatuto da CBF, de maneira parecida, essa decisão caberia a Assembleia Geral, reunião de todos presidentes de federações nacionais.

Está no artigo 38 do Estatuto:

Art. 38. Compete, ainda, exclusivamente à Assembleia Geral Administrativa, sempre em escrutínio secreto, destituir o Presidente e Vice-Presidentes da CBF, havendo comprovada justa causa e observado o devido processo legal.

Pois, bem. A crise está aí.

Os dois lados têm argumentos juridicamente inteligentes.

Um deles defendendo o afastamento preventivo para melhor apuração dos fatos; outro, que entende que houve o descumprimento de normas internas e, inclusive, constitucionais no afastamento determinado.

Diante dessa confusão e disputa, a CBF sangra, com uma divisão interna histórica que provoca uma crise institucional que precisa de uma solução urgente.

Claro que a briga é eminentemente política, mas valores éticos e a legalidade não podem ser jamais esquecidos nesse processo.

E como proteger a instituição dessa disputa política?

Me parece claro que um “juiz” independente precisaria atuar.

E qual a instância maior da Justiça Desportiva brasileira, o “STF do esporte”?

O Superior Tribunal de Justiça Desportivo é a instituição mais importante do movimento jurídico brasileiro, a referência maior da Lex Sportiva em nosso território. E seria crucial ele assumir a responsabilidade histórica de tentar trazer luz e paz em um momento tão conturbado para o futebol, em que uma solução jurídica e institucional se faz urgente.

A questão que se coloca, antes de se entender mérito (o afastamento de Caboclo é legal ou não?) é de competência. Ou seja, o STJD pode analisar essa questão?

Entendo que sim.

E explico.

A Constituição Federal em seu artigo 217 reforça a autonomia das entidades esportivas e também determina a competência da Justiça Desportiva. Nesse artigo, a competência fica determinada para questões relativas à disciplina e competições esportivas

Na minha opinião, essa seria uma interpretação mais restritiva de competência, limitando um papel importantíssimo desse Tribunal na proteção do movimento esportivo. Por isso, acredito que não seria a interpretação apropriada devido ao momento que vive o futebol brasileiro. A própria legislação mostra que o papel da Justiça Desportiva é muito maior, devendo zelar pela Ordem Desportiva.

Vamos avançar.

A Justiça Desportiva é regulada por uma lei federal específica, a Lei 9615/98, conhecida como Lei Pelé, a Lei Geral do Esporte brasileiro.

Segundo a Lei Pelé, a competência da Justiça Desportiva está em processar e julgar processos referentes às infrações disciplinares e competições desportivas definidas no CBJD e regulamentos das entidades de administração do desporto, de acordo com o art 50.

E a mesma Lei traz os princípios norteadores desse Tribunal privado. Entre eles, o da legalidade e da moralidade.

Um pouco antes, a Lei Pelé traz o art 48:

Art. 48. Com o objetivo de manter a ordem desportiva, o respeito aos atos emanados de seus poderes internos, poderão ser aplicadas, pelas entidades de administração do desporto e de prática desportiva, as seguintes sanções:

IV – suspensão;

V – desfiliação ou desvinculação.

§ 1º. A aplicação das sanções previstas neste artigo não prescinde do processo administrativo no qual sejam assegurados o contraditório e a ampla defesa.

§ 2º. As penalidades de que tratam os incisos IV e V deste artigo somente poderão ser aplicadas após decisão definitiva da Justiça Desportiva

Ou seja, a Lei Pelé dá a Justiça Desportiva uma competência maior. Segundo a Lei, um afastamento só poderia ser decidido após decisão do Tribunal esportivo.

Avançando.

A Justiça Desportiva tem como guia o Código Brasileiro de Justiça Desportiva, o CBJD. A função primordial das disposições do CBJD é regular o funcionamento da Justiça Desportiva e o processo disciplinar.

Diz o art 111 do CBJD.

Art. 111. A imposição das sanções de suspensão, desfiliação ou desvinculação, pelas entidades desportivas, com o objetivo de manter a ordem desportiva, somente serão aplicadas após decisão definitiva da Justiça Desportiva.

O fato é: o STJD é a instância maior do movimento jurídico do esporte brasileiro e tem, entre tantas responsabilidades, aquela que me parece o cerne de todas elas juntas: manter a higidez, a paz, a segurança da Ordem Desportiva.

Não se manifestando, existe o risco iminente de o caso tomar o caminho mais perigoso para o movimento esportivo, o da judicialização. Ou seja, a questão ir para a Justiça Comum. Esse é um caminho que pode implicar em risco grande de punição para o futebol brasileiro, inclusive com intervenção da FIFA.

Claro que uma decisão do Tribunal esportivo não impede a busca do judiciário pela parte que se sentir lesada, direito consagrado pela CF, art 5º XXXV. Acontece que há julgados afirmando que, com a justiça esportiva analisando e decidindo o mérito, o judiciário só deve analisar questões processuais. Ou seja, questões internas e específicas estariam protegidas pelo movimento esportivo e a análise ficaria limitada ao campo da legalidade do processo.

Entregar questões internas do esporte ao Estado não me parece solução recomendável. E lembro as palavras de um dos maiores nomes do direito desportivo brasileiro, Prof Álvaro Melo Filho:

“não será possível definir direito e aplicar justiça em função de

matéria desportiva fora do mundo do desporto, sem o espírito da

verdade desportiva, sem o sentimento da razão desportiva. Aquele que

decidir questão originária do desporto imbuído do pensamento

formalizado nas leis gerais terá distraído a consciência da justiça”

Ou seja, as peculiaridades do esporte e a sua necessária autonomia fazem atrair a competência da Justiça Desportiva para dirimir conflitos na área. Para proteger a própria autonomia e seu movimento jurídico interno, repleto de especificidades e princípios.

Claro que existe interpretação, até à luz da CF, que entende que a Justiça Desportiva não entraria nesse momento do debate sobre a CBF. Mas diante dos fatos, do risco de judicialização e da urgência em dar uma resposta para proteger a Ordem Desportiva e restabelecer a segurança institucional do futebol, acredito que ela precisa assumir esse papel.

Caminho jurídico para isso existe.

Seria oportuno. Necessário. Histórico.

Crédito imagem: O Globo

Nos siga nas redes sociais: @leiemcampo

Compartilhe

Share on whatsapp
Share on telegram
Share on twitter
Share on facebook
Share on linkedin
Share on email

Últimas Notícias

Colunas

Seções

Assine nossa newsletter

Toda sexta você receberá no seu e-mail os destaques da semana e as novidades do mundo do direito esportivo.