Crossfit é esporte ou é só uma marca mundialmente conhecida?

Por Guilherme Vieira da Silva

Com mais de 4 milhões de adeptos no mundo todo, a prática do crossfit tem crescido cada vez mais. O Crossfit já conquistou mais de 140 países, sendo que a modalidade movimenta US$ 4 bilhões por ano. O Brasil possui a segunda maior concentração de academias afiliadas ao Crossfit: 1.177, conforme dados da CrossFit Inc., publicados em 8 de junho de 2019, em seu site.

Como o crossfit virou um negócio bilionário?

O crossfit mistura exercícios aeróbicos, exercícios de calistenia e levantamento de peso olímpico, e seu lema é “The Sport of Fitness”. Por se tratar de uma prática criada nos Estados Unidos, por Greg Glassman, fundador e CEO da CrossFit Incorporation, estamos falando de uma marca registrada inicialmente nos Estados Unidos, que defende fielmente o seu nome. As mais de 13 mil academias afiliadas pagam anualmente US$ 3 mil de royalties, em média, pelo uso da marca em seus nomes, somado aos cursos obrigatórios de treinamento dos coachs.

Para evitar o que ocorreu com o pilates, que também era uma marca registrada, cujo o nome não foi protegido e se tornou genérico, perdendo a empresa de mesmo nome o direito à patente em 2000, a CrossFit Inc., possui um corpo jurídico ativo, que não permite a utilização de seu nome para cursos, treinos ou outros campeonatos que não os organizados pela própria empresa.

Para isso, o departamento legal da marca possui um representante em cada país, responsável pelos afiliados, que aciona quando alguém utiliza indevidamente o nome da marca.

Somente em 2019, o Instituto Nacional da Propriedade Industrial registrou a marca no Brasil, e em maio, já foram instaurados dois processos contra academias brasileiras que estavam usando a marca sem qualquer tipo de autorização ou filiação. Em ambos os casos, a justiça brasileira acatou ao pedido da CrossFit Inc. liminarmente, não havendo, até o momento, decisão em definitivo.

Com metodologia definida e controle do uso da marca, a CrossFit Inc. tornou-se mais que uma marca: um negócio bilionário.

Apesar disso, não é possível patentear a metodologia da modalidade desportiva, tendo em vista que o esporte é público e pode ser praticado por qualquer pessoa, o que faz com que existam infinitas academias “genéricas”, entituladas normalmente como Cross Training, treinamento funcional, outros nomes similares, e um crescente número de academias que utilizam as siglas MMT, (Mixed Modality Training), ou Mistura de Modalidades de Treinamento, mas que utilizam a mesma metodologia de treino.

Mas afinal, crossfit pode ser considerado um esporte?

Antes de entrarmos nessa discussão, é necessário entendermos que o termo esporte é definido pelo Estatuto do Conselho Federal de Educação Física (CONFEF), em seu artigo 9º, § 2º, que dispõe:

“§ 2º – O termo desporto/esporte compreende sistema ordenado de práticas corporais que envolve atividade competitiva, institucionalizada, realizada conforme técnicas, habilidades e objetivos definidos pelas modalidades desportivas segundo regras pré-estabelecidas que lhe dá forma, significado e identidade, podendo também ser praticado com liberdade e finalidade lúdica estabelecida por seus praticantes, realizado em ambiente diferenciado, inclusive na natureza (jogos: da natureza, radicais, orientação, aventura e outros). A atividade esportiva aplica-se, ainda, na promoção da saúde e em âmbito educacional de acordo com diagnóstico e/ou conhecimento especializado, em complementação a interesses voluntários e/ou organização comunitária de indivíduos e grupos não especializados.”

O conceito de Esporte pela educação física é bem amplo, mas o que impediria o crossfit de ser chamado de esporte é justamente porque o crossfit não é institucionalizado, e, portanto, por muitos é considerado apenas uma atividade física, como veremos adiante.

Do ponto do Direito Desportivo, segundo Rafael Terreiro Fachada, para a caracterização do esporte, existem três elementos que se dialogam entre si: Método, competitividade e práticas corporais.

Se aplicarmos estes conceitos, é possível entendermos que crossfit (ou pelo menos sua metodologia desportiva), além de uma marca registrada, pode ser considerado um esporte, pois possui um método uniformemente praticado no mundo inteiro, é extremamente competitivo, além de possuir variadas e intensas práticas corporais.

Só que existem vários blogs que se limitam a dizer que crossfit é uma atividade física, ou seja, uma atividade com o corpo que visa o bem-estar e/ou a saúde. Entretanto, é necessário lembrar que o desporto de rendimento não visa a saúde, mas sim o resultado desportivo nas competições.

Em contrapartida, existe um movimento mundial de desassociação da marca CrossFit à metodologia desportiva, através da criação da modalidade desportiva MMT (Mixed Modality Training), ou Mistura de Modalidades de Treinamento. Inclusive, diversos outros torneios surgiram utilizando esta metodologia, como a Arnold Sports MMT Games, Monstar Games, que chama a modalidade de fitness, e NPGL (Liga Norte Americana de GRID), esta última, liga profissional que chama a modalidade de grid.

O que mais gera discussão se crossfit é um esporte ou não, é quanto a sua organização, pois por ser uma marca, não existem confederações e federações que regulamentam ou padronizam a modalidade.

A necessidade de uma maior organização afeta a modalidade desportiva e os atletas profissionais que dela participam, pois o controle antidoping das competições da CrossFit não respeita a WADA (World Anti-Doping Agency), órgão mundial responsável por examinar esportes participantes do movimento olímpico e federativo. Além do mais, um esporte institucionalizado precisa possuir regras fixas, bem como uma subordinação a um órgão oficial, como normalmente ocorre, com exceção do que ocorre nas ligas dos Estados Unidos. A forma de organização da CrossFit é similar ao modelo norte-americano de organização do esporte. No caso dos esportes coletivos (NBA, MLS, NHL, NFL, etc.), as ligas são franquias, e os times da liga, franqueados. No caso de esportes individuais, seria possível traçar um paralelo com o MMA, que seria equivalente ao MMT, e o UFC, seria equivalente à CrossFit. Tanto a CrossFit quanto a UFC são marcas famosas que possuem concorrentes menos conhecidas.

Diferentemente do MMA, o problema que ocorre com atletas profissionais de MMT é que estes participam de inúmeras competições, sendo que cada empresa que organiza uma competição dispõe o regulamento de uma forma diferente. É como se um lutador de MMA pudesse participar de lutas do UFC, do Bellator e da WSOF (World Series of Fighting). Isso não ocorre com o MMA, mas ocorre com o MMT.

Para piorar ainda mais a situação, muitos atletas de crossfit também competem no Levantamento de Peso Olímpico, como Lauren Fisher, que se submete ao controle anti-doping da USAW (Federação Nacional de Levantamento de Peso Americana), associada à WADA (World Anti-Doping Agency). O controle feito pela WADA é mais restrito do que de competições não ligadas à WADA, o que viola o princípio de paridade de armas entre os atletas de MMT que competem campeonatos ligados a WADA, com os que não competem.

Uma coisa é certa: não compete aos operadores de direito ou aos educadores físicos dizer o que é esporte e o que não é esporte. Compete à sociedade decidir como vai denominar a modalidade desportiva. Afinal, estamos falando de uma prática que está em plena expansão e desenvolvimento, cuja criação de órgãos oficiais se faz necessária para trazer mais espectadores, patrocinadores, credibilidade e segurança jurídica.

Ah! Outra coisa é certa: CrossFit Inc. é uma marca sólida e lucrativa, cabendo a ela a decisão de se sujeitar ou não a estes órgãos, justamente por ser uma empresa privada.

……….

Guilherme Vieira da Silva é advogado e pós-graduando em Direito Desportivo pelo Instituto Iberoamericano de Direito Desportivo.

Compartilhe

Share on whatsapp
Share on telegram
Share on twitter
Share on facebook
Share on linkedin
Share on email

Últimas Notícias

Colunas

Seções

Assine nossa newsletter

Toda sexta você receberá no seu e-mail os destaques da semana e as novidades do mundo do direito esportivo.