Cruzeiro diz que irá até a CBF reclamar de erros de arbitragem na partida contra o Operário-PR

O Cruzeiro afirmou que irá até a CBF (Confederação Brasileira de Futebol) reclamar da atuação do VAR no empate por 1 a 1 contra o Operário-PR. A partida, que foi válida pela 24ª rodada do Campeonato Brasileiro Série B, tem sido alvo de muita reclamação por parte do clube celeste, que diz ter sido extremamente prejudicado pela arbitragem.

Em seu Twitter, a Raposa disse que manifestará seu repúdio formalmente na entidade e elencou os principais erros da partida.

Após o jogo, o diretor de futebol celeste, Rodrigo Pastana, repudiou a atuação do árbitro Rodrigo Dalonso e fez duras críticas ao uso do VAR na competição.

Confira a íntegra da nota oficial do Cruzeiro

“No lance do pênalti de Eduardo Brock, o juiz de campo deixa o jogo seguir e a bola inclusive chega a sair pela lateral. O árbitro PERMITE o reinício do jogo na cobrança de lateral e só depois vai, irregularmente, conferir o VAR. De acordo com as normas do VAR, a partir do momento em que o árbitro permite o reinício da partida em uma nova jogada, o VAR não pode interferir em qualquer lance anterior. E foi justamente o que aconteceu.

No lance do gol de Marcelo Moreno, todas as imagens do VAR são inconclusivas no domínio de Marco Antônio. Assim, a responsabilidade é 100% do árbitro. Como o VAR não possuía a imagem conclusiva, o árbitro sequer deveria ser chamado e deveria ter seguido sua decisão inicial. Reiterando: nossa diretoria comparecerá à CBF para se reunir com o presidente da Comissão de Arbitragem, onde externaremos nosso repúdio pelas interferências infelizes que foram fundamentais no resultado final da partida”.

Crédito: D.A Press

Nos siga nas redes sociais: @leiemcampo

Compartilhe

Share on whatsapp
Share on telegram
Share on twitter
Share on facebook
Share on linkedin
Share on email

Últimas Notícias

Colunas

Seções

Assine nossa newsletter

Toda sexta você receberá no seu e-mail os destaques da semana e as novidades do mundo do direito esportivo.