Equidade de gênero no esporte

Por Ligia Saad e Luiz Otávio de Almeida Lima e Silva

Em 3 de abril de 2019, foi promulgada, na cidade de Santos, a Lei Municipal 3.531, de autoria do vereador Rui de Rosis, que dispõe sobre a obrigatoriedade de premiação igual entre gêneros nos eventos e competições esportivas. O texto se refere tanto às premiações em dinheiro quanto às simbólicas e se aplica a provas ou competições equivalentes.

O bom senso nos leva a crer que se trata de uma medida justíssima – para não dizer óbvia –, e ainda há quem se questione como, em pleno século XXI, seja necessário que o município tenha de intervir na observância de uma prática que deveria ser natural. Por outro lado, de acordo com o artigo 217 da Constituição Federal, entidades e associações privadas têm autonomia para organizar as competições esportivas.

Sendo assim, ao regular o tema das premiações, a nova lei do município santista pode ser considerada inconstitucional? Na nossa avaliação, uma interpretação possível é que, em situações nas quais o ente público atue como copartícipe na organização dos eventos esportivos, caberá a ele regulá-los, respeitando-se as regras das instituições privadas.

Os mais críticos poderiam entender que a imposição para igualar as premiações entre homens e mulheres poderia gerar enfraquecimento do esporte feminino, uma vez que tais competições, atualmente, não geram para os investidores e patrocinadores o mesmo retorno financeiro que as competições masculinas. Felizmente, crenças e comportamentos sociais tendem a ser revisitados e a evoluir com o passar dos anos.

O mundo globalizado e as redes sociais disseminam com incrível velocidade novas referências, desde as mais superficiais até as mais estruturantes. O que antes era aceito como brincadeira hoje não é mais tolerado. Assim ocorre com a prática esportiva feminina – muitas empresas entenderam que o sucesso dos seus negócios está conectado não apenas com a excelência de seus produtos, mas também com seu posicionamento de marca perante seus consumidores e toda a população.

A forma como uma empresa se relaciona com as comunidades nas quais está inserida e a maneira como se posiciona diante de temas caros à sociedade podem representar sua ascensão ou seu fracasso. O Guaraná Antártica é o novo patrocinador da seleção brasileira de futebol feminino e aproveitou esse fato para divulgar campanhas publicitárias incentivando outras empresas a fazê-lo, deixando clara a estratégia de que quer ser reconhecido pelo consumidor como uma marca protagonista na valorização e no incentivo da diversidade e da equidade de gênero no esporte. Certamente, busca com isso ampliar seu mercado consumidor, pois entendeu que existe uma demanda social por novas referências.

O Boticário anunciou que vai liberar todos os seus funcionários nos horários dos jogos da seleção durante a Copa do Mundo de Futebol Feminino. Com a mensagem, a empresa também comunica que equidade de gênero é um valor importante a ser praticado, já que o que é regra para um evento esportivo masculino deve ser praticado igualmente para sua versão feminina.

O que a promulgação da lei santista e esses posicionamentos de empresas como Guaraná Antártica e O Boticário têm em comum? Ambos, poder público e iniciativa privada, têm se mostrado atentos ao responder demandas por novos modelos mentais que sejam capazes de influenciar uma mudança efetiva nas dinâmicas sociais. Valores como tolerância, diversidade e equidade são não apenas desejáveis – estão se tornando fundamentais para a sobrevivência das empresas e para a manutenção da popularidade de governos, em todas as esferas de poder.

……………………………………..

Ligia Saad é mestre em gestão e políticas públicas pela FGV-SP.

Luiz Otávio de Almeida Lima e Silva é advogado e sócio fundador do escritório Bresciani & Almeida Sociedade de Advogados.

Compartilhe

Share on whatsapp
Share on telegram
Share on twitter
Share on facebook
Share on linkedin
Share on email

Últimas Notícias

Colunas

Seções

Assine nossa newsletter

Toda sexta você receberá no seu e-mail os destaques da semana e as novidades do mundo do direito esportivo.