Especialistas analisam veto à suspensão do Profut e corte de contribuição sindical

Os clubes de futebol terão que pagar normalmente as parcelas do Programa de Modernização da Gestão e de Responsabilidade Fiscal do Futebol Brasileiro, o Profut. Isso porque o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) sancionou a Lei 14.117/2020, mas não estendeu a suspensão da cobrança em razão da pandemia.

“Entendo que a medida deve prejudicar muitos clubes, pois, ainda que não falassem abertamente disso, muitos consideravam que a suspensão poderia dar um alívio ao caixa, especialmente depois de um ano difícil como foi o de 2020”, avalia o advogado tibutarista Rafael Marcondes.

O governo federal alegou que o Projeto de Lei 1013/20 aprovado na Câmara não previu a estimativa de impacto orçamentário e financeiro. Assim, com base no artigo 113 do Ato das Disposições Constitucionais Transitórias, vetou novo congelamento do financiamento aos clubes.

Em maio, o Ministério da Economia já havia estendido em até cinco meses o prazo de pagamento das parcelas referentes aos meses de maio, junho e julho do Profut. O que gerou um “falso fôlego”, porque os clubes tiveram que arcar com prestações acumuladas em agosto, outubro e dezembro.

“Eles firmaram seus contratos num contexto econômico diferente e que precisa ser readequado. Então, se o Governo não vai congelar o recolhimento nesse período, que pelo menos conceda condição financeira melhor e para que os valores sejam pagos conforme a retomada da atividade econômica que se espera agora em 2021”, pondera Rafael Pandolfo, advogado tributarista.

“A não suspensão do Profut demonstra ausência de sensibilidade com a cadeia econômica que envolve a atividade do futebol. Em especial a dos clubes, que também passam por dificuldades enormes e que terão que se sacrificar para conseguir honrar o financiamento”, sentencia Arlete Mesquita, advogada trabalhista e desportiva.

A Lei 14.117/2020, sancionada nesta segunda-feira (11), ainda acaba com algumas fontes de receita das duas maiores entidades sindicais de atletas profissionais do país ao revogar o artigo 57 da Lei Pelé.

A Federação Nacional dos Atletas Profissionais de Futebol perde 0,2% do valor correspondente a uma transferência de jogador. “O que está acontecendo foge da nossa pauta prioritária, que entre outros pontos tem a retomada da relação com a federação internacional dos atletas e com a Fifa. O valor deste repasse é irrisório, mas deve haver um baque muito grande na Faap“, revelou o presidente da Fenapaf, Felipe Augusto Leite, ao Lei em Campo.

A Federação das Associações de Atletas Profissionais (Faap) deixa de receber repasse de 0,5% do salário mensal dos atletas e 0,8% do valor correspondente às transferências nacionais e internacionais. “É o fim de um programa que existe há mais de 42 anos. E o nosso fim. Não existe nenhuma fonte alternativa de recurso”, declarou Márcio Tannus, superintendente da entidade ao GE.

“Retirar as contribuições da Faaf e do sistema sindical sem qualquer contrapartida e/ou criação de políticas públicas é tornar ainda mais precária a vida do atleta profissional de futebol. Além disso, e especialmente, é ignorar também os milhares de trabalhadores atletas que necessitam destas entidades. Mais uma perda para a classe, para o espetáculo, ao esporte e à sociedade como um todo”, finaliza Arlete Mesquita.

O veto do presidente segue para agora para o Congresso Nacional, que terá 30 dias para deliberação. Para a derrubada, precisa maioria absoluta entre deputados e senadores, que estão em recesso e só retornam as atividades no dia 1° de fevereiro.

Nos siga nas redes sociais: @leiemcampo

Compartilhe

Share on whatsapp
Share on telegram
Share on twitter
Share on facebook
Share on linkedin
Share on email

Últimas Notícias

Colunas

Seções

Assine nossa newsletter

Toda sexta você receberá no seu e-mail os destaques da semana e as novidades do mundo do direito esportivo.