Esporte das Letras traz obra “Constituição e esporte no Brasil”

Neste mês de novembro, o Lei em Campo destacou que mais uma vez a Justiça Comum se manifestou em relação a eleição da Regério Caboclo para a presidência da CBF. Até onde vai a autonomia esportiva? Em que momentos a interferência do Estado se faz necessária dentro de uma entidade privada do esporte? Essas são irritações permanentes, no Brasil e no mundo. Entender as questões jurídicas se faz necessário e uma obra se torna indispensável para isso.

A obra “Constituição e esporte no Brasil” do nosso colunista Wladimyr Camargos é das mais importantes publicadas na área em que a ciência jurídica e esporte se encontram. Um mergulho, histórico, jurídico e hermenêutico sobre especificidades do esporte e a permanente relação que tem como poder estatal.

Wladimyr Camargos conta, logo na introdução de seu livro, que começou a se interessar por direito esportivo somente em 2008. A leitura de “Constituição e esporte no Brasil” mostra, contudo, que esses (poucos?) anos foram mais que suficientes para formar um expert no assunto.

Encabeçando a Consultoria Jurídica do Ministério do Esporte quando o Brasil se preparava para receber dois dos maiores eventos esportivos do mundo (Copa de 2014 e Olimpíada de 2016), envolveu-se na redação de normas voltadas a bem sediar essas competições, tendo também presidido a Comissão de Estudos Jurídicos Desportivos do Conselho Nacional do Esporte. É bagagem que poucos têm para abordar o assunto.

E com essa bagagem toda, Wladimyr consegue a proeza de escrever uma obra ao mesmo tempo técnica e curiosa – por exemplo, quando aborda, no capítulo 3, a busca de jogadores de futebol por autonomia, relatando casos emblemáticos, instigantes e muitas vezes desconhecidos da maioria –, fascinante tanto para o meio jurídico quanto para os admiradores e interessados no esporte em geral.

“Constituição e esporte no Brasil” traz o início dos debates sobre a autonomia esportiva no país, no início do século XX – marcado, por exemplo, pelo início do profissionalismo no futebol. O caráter autônomo das entidades esportistas então estava “aliado a uma quase abstenção estatal em matéria de esporte”. Aborda também o uso político da prática esportiva durante o Estado Novo de Getúlio Vargas, que “ordena, controla e tutela a prática esportiva e o direito ao esporte em nosso país”. Narra a influência de João Lyra Filho na formação jurídico-esportiva nacional. E trata da utilização instrumental do esporte, novamente, no período pós-1964, até a “alforria” esportiva proporcionada pela Constituição de 1988.

Não para por aí, porém. Camargos conta o Caso Bosman e os desdobramentos que tal decisão trouxe para o Brasil, culminando na Lei Pelé, pela qual se abole o “passe” de jogadores. Não esquece nem a Democracia Corintiana, que rompe o perfil médio do atleta profissional, que acarretava “história de fragilidade nas negociações”.

Wladimyr Camargos passa então a analisar o desenvolvimento de estudos sobre o direito esportivo como fenômeno jurídico transnacional:

“A esfera esportiva constitui um sistema jurídico privado, transnacional, independente do direito estatal para sua produção e reprodução. A Lex Sportiva caracteriza-se por ter como fonte normativa as decisões emanadas das entidades que dirigem o esporte – federações, confederações, comitês – e a presença de instâncias decisórias de feição jurídica, com jurisdição não estatal, encimadas pelo Tribunal Arbitral do Esporte (TAS), órgão de jurisdição transnacional – não estatal – com sede na Suíça.”

Analisa, então, casos julgados pelo TAS, que servem de referência para esse estudo. Por fim, Wladimyr aborda o papel do STF na proteção do princípio da autonomia esportiva, com análise de discursos e ADIs voltadas a essa questão.

“Constituição e esporte no Brasil” consegue ao mesmo tempo ser uma leitura aprofundada, precisa, leve, instigante e agradável. O autor não se furta nem mesmo a abordar a questão entre o uso dos termos “desporto” e “esporte” (como já tratou, aliás, aqui no Lei em Campo). Enfim, um livro para juristas, esportistas e apreciadores dessas duas áreas!

Tudo numa obra só!

Constituição e esporte no Brasil

Autor: Wladimyr Camargos

Editora Kelps

200 páginas

Nos siga nas rede sociais: @leiemcampo

Compartilhe

Share on whatsapp
Share on telegram
Share on twitter
Share on facebook
Share on linkedin
Share on email

Últimas Notícias

Colunas

Seções

Assine nossa newsletter

Toda sexta você receberá no seu e-mail os destaques da semana e as novidades do mundo do direito esportivo.