Esports: a evolução do cenário e dos debates

Por Gustavo Henrique Almeida do Nascimento[1]

Neste ano, o Campeonato Brasileiro de League of Legends (CBLOL) completará dez anos de existência. Muito embora os esports já existissem desde o século XX, não há como negar a relevância do game e, especialmente, deste campeonato, na difusão e crescimento dos esports no cenário brasileiro.

A ascensão das plataformas de streaming, bem como mudanças culturais também foram relevantes para este fenômeno. De todo modo, independente da razão pela qual os esports tornaram-se populares, a atenção e holofotes para a modalidade não foram despercebidas.

O tema também se tornou palco de discussão no direito desportivo, encontrando adeptos e céticos para o seu enquadramento como modalidade desportiva. O transpassar do tempo gerou a sensação de que existe uma consolidação, ainda que doutrinária, da configuração dos esports como esporte, atendendo as características a ele comumente atribuídas, ou seja, a existência de atividade física, competitividade e prática organizada.

O debate que aparenta estar em holofotes já há algum tempo, também pode ser visto como algo relativamente recente, considerando que o servidor brasileiro de League of Legends foi inaugurado apenas há uma década.

Por outro lado, assim como todas as informações e fluxo de dados que transitam na internet, existe uma demanda de atualizações em alta velocidade. O debate dos esports no Direito Desportivo não poderia seguir de outra forma.

Talvez esteja na hora de dar o protagonismo a uma nova fase do debate: a adequação ao princípio da autonomia desportiva.

Muito embora este seja um direito conhecido e previsto no artigo 217 da Constituição Federal, podemos observar diversos projetos de lei que buscam atribuir a representatividade do esporte para algumas “Confederações”. Estas previsões conflitam não somente com alguns dos direitos das Desenvolvedoras e Publishers, mas também com a ausência de reconhecimento da legitimidade destas Confederações por parte de muitos dos principais “players” do mercado.

A liberdade de organização desportiva deve vigorar, rompendo com a obrigatoriedade de se organizar no sistema federativo comumente aplicado nos esportes tradicionais. A razão de existência das confederações e federações de esports é questionada quando as entidades de prática desportiva não reconhecem sua legitimidade.

Ademais, devemos lembrar que nem todos os esports se organizam da mesma maneira. O CBLOL nos últimos anos adotou o modelo de franquia enquanto a Liga Brasileira de Free Fire permanece utilizando o sistema de promoção.

A Publisher determina quais direitos ela pretende atribuir em relação a forma de organização de campeonatos. Além disso, os games são substancialmente diversos no que diz respeito a sua natureza e jogabilidade.

Em suma, devemos deixar de pensar nos esports como “uma” modalidade desportiva e começarmos a considerar cada game como potencial modalidade.

Nos siga nas redes sociais: @leiemcampo


[1] Advogado de Direito Desportivo e Entretenimento na Lewandowski Libertuci. Auditor da Comissão Disciplinar do STJD da CBHG. Graduado pela PUC-SP, pós-graduando em Direito Societário na EBRADI e LLM in Sports Law pela Trevisan Escola de Negócios. Membro do Instituto Brasileiro de Direito Desportivo (IBDD) e da Associação Brasileira de Propriedade Intelectual (ABPI).

Compartilhe

Share on whatsapp
Share on telegram
Share on twitter
Share on facebook
Share on linkedin
Share on email

Últimas Notícias

Colunas

Seções

Assine nossa newsletter

Toda sexta você receberá no seu e-mail os destaques da semana e as novidades do mundo do direito esportivo.