Expulsão de goleiro do Náutico pode dar causa a anulação de partida? Entenda

O Náutico empatou com o Tombense e segue em situação difícil na Série B. Nos acréscimos da partida, o ala esquerdo do Timbu, Pedro Vítor encostou no atacante do Tombense, Lucas Santos. O árbitro Leonardo Willers Lorenzatto considerou o contato faltoso, e como foi dentro da área, marcou o pênalti, gerando revolta dos alvirrubros. Outro lance também acabou sendo importante no jogo e levantou dúvidas sobre a atuação da arbitragem e, inclusive, sobre a possibilidade de anulação da partida.

Aos oito minutos do segundo tempo, um lance inusitado acabou ocasionando a expulsão de Lucas Perri. O goleiro alvirrubro foi cobrar falta fora da área, escorregou e tocou duas vezes na bola, impedindo o atacante Ciel de finalizar com a barra aberta. No primeiro momento, o árbitro deu cartão amarelo, mas após revisão do VAR, decidiu pela expulsão.

Acontece que o primeiro toque na bola se dá com o joelho do atacante. A regra 13 fala que a bola “entrará em jogo quando for chutada e se mover em claramente”.

Renata Ruel, ex-árbitra e comentarista dos canais ESPN explica que: “No lance da expulsão do Lucas Pereira, pelo Náutico, a bola entrará em jogo quando for chutada e se mover claramente – dentro do futebol o chute só pode ser com o pé. Quando o jogador toca com o joelho na bola, o reinício do jogo não foi em conformidade com a regra. Desta forma, o tiro livre deveria ser repetido e não marcada infração a favor na Tombense e ter sido aplicado o cartão vermelho. Isso para mim mostra desconhecimento da regra por parte da arbitragem em campo e do VAR”.

O advogado especialista em direito desportivo, jornalista e autor desse blog, Andrei Kampff explica que “Erro de fato é quando o árbitro interpreta um lance de maneira equivocada. O impedimento é um exemplo comum. Erro de direito é aquele que vai contra as regras do jogo. Juiz conta e deixa doze jogadores atuando em um time, por exemplo. Só o erro de direito dá causa a anulação de uma partida”.

O Código Brasileiro de Justiça Desportiva  (CBJD) diz no parágrafo 1º do art. 259 que:

“§ 1º. A partida, prova ou equivalente poderá ser anulada se ocorrer, comprovadamente, erro de direito relevante o suficiente para alterar seu resultado.”

O advogado especializado em direito desportivo, Filipe Souza, entende que “como a regra determina que para bola ser colocada em jogo é preciso que o movimento seja feito com o pé, isso poderia caracterizar um erro de direito, se o primeiro toque foi mesmo dado ocasionalmente pelo joelho”.

Na mesma linha o colunista do Lei em Campo Vinicius Loureiro afirma que “a regra diz claramente que a bola precisa ser movimentada com o pé. Nesse sentido, é evidente que a bola não teria entrado em jogo com o toque do joelho, o que acaba com o argumento da chance clara de gol. Caso esse tenha sido o argumento para a expulsão, como aparentemente foi, essa expulsão configura um erro de direito, de forma inquestionável.”

Agora, um detalhe importante. Para que a partida seja anulada é necessário que este erro de direito tenha tido influência direta no resultado da partida. É nesse ponto que deverá estar a discussão. Caso o atleta não tivesse sido expulso o resultado seria diferente?

“Pessoalmente entendo que a expulsão indevida de um atleta, especialmente de um goleiro, afeta diretamente a competitividade de um time, especialmente com 40 minutos ainda por jogar. Sendo assim, entendo que a partida deva ser anulada e a equipe de arbitragem punida”, diz Vinícius.

Andrei também entende que a discussão “primeiro vai se centrar na questão do “chutada”. Em seguida, vai se refletir sobre o que diz a parte final do art.259 do CBJD, ou seja, se esse erro de direito foi relevante o suficiente para alterar o resultado do jogo. Goleiro, expulso no início do segundo tempo. Mas é importante lembrar que anulação de partida por Tribunal é algo raríssimo, já que o esporte tem como principio o pro competitione, que é o princípio da estabilidade das competições”.

O empate fez com que os times continuassem nas mesmas posições tabela da Série B. O Tombense perdeu a chance de encostar no G-4 e segue na sexta posição, agora com 20 pontos. Já o Náutico não conseguiu deixar o Z-4, e continua na 17ª colocação, com 14 pontos.

Crédito imagem: Paulo Paiva/DP Foto

Nos siga nas redes sociais: @leiemcampo

Compartilhe

Share on whatsapp
Share on telegram
Share on twitter
Share on facebook
Share on linkedin
Share on email

Últimas Notícias

Colunas

Seções

Assine nossa newsletter

Toda sexta você receberá no seu e-mail os destaques da semana e as novidades do mundo do direito esportivo.