Futebol e reforma tributária, uma aproximação improvável

Por Rafael Marchetti Marcondes

Futebol e reforma tributária, dois trending topics cujo distanciamento é apenas aparente. Em verdade, estão intimamente relacionados, ainda que não se note à primeira vista.

No Brasil, futebol é termo recorrente e assunto diário. Junto ao Poder Legislativo, ganhou relevância neste ano diante da possibilidade de passar no Congresso Nacional projeto de lei que pretende impulsionar os clubes brasileiros a se profissionalizarem, por meio da sua transformação em empresas.

Já a reforma tributária é um clamor nacional e, em especial, do empresariado, que sonha com um sistema mais simples, com menos burocracia e uma redução da carga fiscal. Ganhou holofotes com a entrega pelo ministro Paulo Guedes de um projeto de lei que busca criar a Contribuição sobre Bens e Serviços, a CBS, fruto da reunião do PIS e da COFINS.

Mas afinal, o futebol e a reforma tributária têm alguma relação? A resposta, inegavelmente, é sim, por mais improvável possa parecer essa aproximação. E digo mais, trata-se de uma vinculação profunda. Passo a explicar.

A esmagadora maioria dos clubes brasileiros de futebol hoje está constituída sob a forma de associações civis sem fins lucrativos. E a nossa legislação, mais especificamente a Medida Provisória nº 2.158-35/2001, prevê um tratamento especial a essas instituições. A norma prevê para os clubes constituídos sob a forma associativa o recolhimento do PIS à alíquota reduzida de 1% sobre a sua folha de salários (art. 13), e uma isenção para a COFINS (art. 14), isto é, exime tais entidades do recolhimento da contribuição.

Assim, grande parte dos clubes de futebol brasileiro hoje paga somente o PIS à alíquota de 1% sobre a folha de salários e não recolhe nada a título de COFINS, enquanto empresas que não gozam desse regime diferenciado, na maior parte das vezes, se submetem ao regime não cumulativo das contribuições, no qual o PIS é cobrado à alíquota de 1,65% e a COFINS à alíquota de 7,6%, ambos incidentes sobre a receita bruta. Inegável, sob a perspectiva tributária, os benefícios de um clube de futebol se declarar uma associação civil sem fins lucrativos no Brasil.

Acontece que essa prerrogativa pode estar próxima de um fim, e há dois possíveis caminhos que podem levar ao término desse regime especial concedido aos clubes.

O primeiro deles está no Projeto de Lei nº 5.082/2016, já aprovado na Câmara dos Deputados e atualmente no Senado Federal sob a relatoria do senador Romário Faria, que estabelece que os clubes de futebol, a despeito de se organizarem sob a forma de associações ou sob a forma empresarial, serão tributados igualmente. Isto é, acaba-se com o privilégio das associações civis sem fins lucrativos no futebol.

É bem verdade que esse projeto ainda permite uma tributação reduzida do PIS e da COFINS, que passariam, juntamente com o IRPJ e a CSL, a ser cobrados a uma alíquota conjunta de 5% sobre a receita bruta; ao passo que as empresas seguiriam tendo que pagar 34% da sua renda a título de IRPJ e CSL, e 9,25% da receita a título de PIS e COFINS.

Em suma, pela proposta que tramita pelo Congresso, clubes de futebol seguiriam beneficiados em relação a outros contribuintes, mas perderiam o benefício de nada pagar a título de COFINS e de recolher somente 1% da folha de salários a título de PIS.

O segundo caminho que pode levar ao fim da situação privilegiada dos clubes de futebol desponta no Projeto de Lei nº 3.887/2020, apresentado recentemente pelo ministro da Economia Paulo Guedes, que propõe uma reforma tributária, a começar pela cobrança do PIS e da COFINS.

O governo federal, sob o pretexto de simplificar a tributação e acabar com o excesso de regimes diferenciados, propõe o fim de parte dos benefícios fiscais, dentre eles, o concedido aos clubes de futebol que se organizam sob a forma de associações civis sem fins lucrativos. Com isso, tais entidades passariam a ter que oferecer a integralidade das suas receitas de atividades institucionais à tributação pela CBS – que se propõe a substituir o PIS e a COFINS – à alíquota de 12%, substancialmente maior ao que atualmente é pago pelas agremiações desportivas.

Enfim, com a entrada em vigor da CBS, os clubes de futebol, independentemente de como estiverem constituídos, se como associação civil ou como empresa, passarão a ter que tributar suas receitas à alíquota de 12%.

Resumindo: o cenário proposto pelo Projeto de Lei nº 5.082/2016 (clube-empresa), sob a perspectiva fiscal, agrava a situação dos clubes, que atualmente praticamente nada pagam de PIS e COFINS, porém ainda os deixa em vantagem em relação a outras empresas. Ao passo que a proposta trazida pelo Projeto de Lei nº 3.887/2020 (CBS), ao substituir as referidas contribuições, onera consideravelmente as entidades desportivas. Ao que parece, a coisa está feia para os clubes de futebol!

Mas um ponto que merece atenção. Hoje o Projeto de Lei nº 5.082/2016 está mais avançado do que o Projeto de Lei nº 3.887/2020. O projeto do clube-empresa já vem sendo debatido a mais tempo, está mais maduro e já foi aprovado na Câmara dos Deputados (resta agora apenas o Senado), enquanto o projeto de lei que trata da reforma tributária, mais especificamente da CBS, ainda é recente, nem sequer foi levado a votação, seja na Câmara, seja no Senado.

Em razão do estágio em que se encontra cada projeto de lei, seria natural aguardar primeiro pela aprovação do Projeto de Lei nº 5.082/2016 (clube-empresa) e depois pelo Projeto de Lei nº 3.887/2020 (CBS). Acontece que não faz o menor sentido se aprovar primeiro uma proposta que cria um regime tributário diferenciado para os clubes de futebol, para, logo em seguida, com a aprovação da reforma tributária, acabar com esse regime ou, ao menos, modificá-lo substancialmente.

O bom senso manda aguardar primeiro um desfecho da reforma tributária, para depois avançar com a criação do clube-empresa, pois, desse modo, não haveria o risco de se criar um regime inaplicável ou, ao menos, seria evitado o retrabalho de reformular uma lei recém-editada.

Se o bom senso irá prevalecer, é difícil dizer, especialmente em um ambiente tão permeado pela política como é o Poder Legislativo. O que se pode afirmar com segurança é que, a avançar qualquer um dos projetos, a “mamata tributária” dos clubes, se não acabar, vai diminuir, e muito.

……….

Rafael Marchetti Marcondes é doutor e mestre em Direito Tributário pela PUC/SP. MBA em Sport Management pelo ISDE e FC Barcelona. Especialista em Direito Tributário pela FGV/SP. Bacharel em Direito pela PUC/SP. Professor de Direito Tributário na EPD e no IBET. Advogado. Consultor no escritório Pinheiro Neto.

Compartilhe

Share on whatsapp
Share on telegram
Share on twitter
Share on facebook
Share on linkedin
Share on email

Últimas Notícias

Colunas

Seções

Assine nossa newsletter

Toda sexta você receberá no seu e-mail os destaques da semana e as novidades do mundo do direito esportivo.