Imposto de Renda 2019: Como atletas declaram verbas da ação trabalhista?

Por Débora Ferrareze

A Receita Federal já disponibilizou o programa para fazer a declaração do Imposto de Renda 2019. Nesse momento, costumam surgir dúvidas sobre como completar o documento, e um ponto em que é preciso ter atenção é a declaração das verbas oriundas de ações da Justiça do Trabalho. São muitos atletas e operadores do esporte que ganharam na Justiça valores significativos.

Ao finalizar o processo com os valores liberados via acordo ou alvará judicial, muitos autores se esquecem de declarar o recebido no ano-calendário subsequente ou, apesar do intuito, não sabem como proceder.

Nesse momento, o tão habitual Informe de Rendimentos fornecido pelas empresas, fundações, sociedades de economia mista, entidades desportivas etc. não será suficiente para preencher todos itens que o site da Receita Federal do Brasil exige para essa especificidade.

A tributação para esses casos segue normas específicas, ignoradas até mesmo por contadores.

Os ganhos de ações judiciais trabalhistas, bem como aposentadorias e pensões, são recebidos de forma acumulada, ou seja, são rendimentos remuneratórios de anos-calendário anteriores e já retidos na fonte (quando o contribuinte sofreu o desconto antes de declarar o ganho à Receita Federal).

Nesses termos, a Instrução Normativa 1500, de 2014, da Receita Federal, com alterações dadas pela IN 1756/2017, estabelece normas gerais para a declaração do Imposto de Renda Pessoa Física. Dentre tais normas, encontram-se as relativas aos valores percebidos da ação trabalhista, gravadas no artigo 26 da Subseção II, conforme abaixo transcrito:

“Art. 26. Os rendimentos pagos em cumprimento de decisões da Justiça do Trabalho estão sujeitos ao IRRF com base na tabela progressiva constante do Anexo II a esta Instrução Normativa, observado o disposto no Capítulo VII”. Ainda: “§ 3º A não indicação pela fonte pagadora da natureza jurídica das parcelas objeto de acordo homologado perante a Justiça do Trabalho acarreta a incidência do IRRF sobre o valor total da avença”.

Segundo consta, das decisões oriundas da Justiça do Trabalho não haverá a incidência de 27,5% como costumeiramente de baliza. Porquanto, incidirá a tabela progressiva disponibilizada no site da Receita Federal.

Uma vez requerida a aplicação da norma, o percentual cobrado será proporcional ao valor auferido seguindo a regra de contagem, qual seja: calcular-se-á sobre o montante dos rendimentos pagos o resultante da multiplicação da quantidade de meses do processo pelos valores constantes da tabela progressiva mensal correspondente ao mês do recebimento ou crédito. O décimo terceiro salário, quando houver, representará 1 (um) mês.

O valor será retido na fonte por determinação do Judiciário, obrigando o empregador ao pagamento no momento em que o crédito se tornar disponível.

Outro ponto interessante refere-se à natureza das verbas trabalhistas nos casos de isenções. As dispensas remuneratórias (oriundas da contraprestação pelo serviço feito) e as indenizatórias (decorrentes de algum dano sofrido).

O artigo 7º da IN 1500/2014 da Receita Federal estabelece que serão isentos ou não se sujeitarão ao imposto sobre a renda os rendimentos decorrentes de indenizações e assemelhados nos casos de indenização por acidente de trabalho; pagamento efetuado por pessoas jurídicas de direito público a servidores públicos civis, a título de incentivo à adesão a programas de desligamento voluntário; indenização e o aviso prévio pagos por despedida ou rescisão de contrato de trabalho, até o limite garantido pela lei trabalhista ou por dissídio coletivo e convenções trabalhistas homologados pela Justiça do Trabalho, bem como o montante recebido pelos empregados e diretores e seus dependentes ou sucessores, referente aos depósitos, juros e correção monetária creditados em contas vinculadas, nos termos da legislação do Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS); indenização destinada a reparar danos patrimoniais; indenização recebida pelo desapropriado, em virtude de desapropriação para fins de reforma agrária; indenização a título reparatório paga a beneficiários diretos de desaparecidos políticos com base no art. 11 da Lei nº 9.140, de 4 de dezembro de 1995; reparação econômica, de caráter indenizatório, em prestação única ou em prestação mensal, permanente e continuada, inclusive as aposentadorias, pensões ou proventos de qualquer natureza, paga a anistiados políticos com base no inciso II do art. 1º da Lei nº 10.559, de 13 de novembro de 2002; indenização reparatória por danos físicos, invalidez ou morte, ou por bem material danificado ou destruído, em decorrência de acidente, até o limite fixado em condenação judicial, exceto no caso de pagamento de prestações continuadas; valores recebidos por pessoa física com deficiência física conhecida como “Síndrome da Talidomida”, quando dela decorrente (Redação dada pelo(a) Instrução Normativa RFB nº 1756, de 31 de outubro de 2017); indenização por dano moral concedida às pessoas com deficiência física decorrente do uso da talidomida, que consiste no pagamento de valor único igual a R$ 50.000,00 (cinquenta mil reais), multiplicado pelo número dos pontos indicadores da natureza e do grau da dependência resultante da deformidade física, conforme § 1º do art. 1º da Lei nº 7.070, de 1982.
Ou seja, as parcelas decorrentes de acidente de trabalho, dano moral, multas, FGTS, vale-alimentação e vale-transporte (observados os requisitos para não serem consideradas verbas de natureza in natura) não serão tributadas, ficando isento do recolhimento desse tributo.
Ainda, segundo a Orientação Jurisprudencial 400 da SDI-1 do TST, os juros de mora decorrentes do descumprimento da obrigação de pagamento não integrarão a base de cálculo do Imposto de Renda, uma vez que a natureza dessa verba é indenizatória, não representando, por isso, ganho real de capital, mas uma represália pela demora no recebimento.
Além disso, segundo menciona a IN 1500 da RF, há, na tabela disponibilizada, uma faixa de isenção de IRPF. Lembre-se que a quantia a ser calculada será sobre verbas de natureza salarial, e não sobre o total auferido.

Assim, ao realizar a declaração do IRPF no site da Receita Federal, os dados deverão ser preenchidos com o nome e CNPJ ou CPF da fonte pagadora; o total dos rendimentos tributáveis; o imposto retido na fonte; a data do recebimento; e o número de meses (período ao qual se refere o processo).

……….
Débora Ferrareze é advogada especialista em direito do trabalho, finanças, investimento e banking. Sócia no escritório Gelson Ferrareze Sociedade de Advogados, com pós-graduação pela Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul e Complexo Educacional Damásio de Jesus, além de diversos cursos nas áreas de administração financeira e gestão financeira empresarial pela Fundação Getulio Vargas.

Compartilhe

Share on whatsapp
Share on telegram
Share on twitter
Share on facebook
Share on linkedin
Share on email

Últimas Notícias

Colunas

Seções

Assine nossa newsletter

Toda sexta você receberá no seu e-mail os destaques da semana e as novidades do mundo do direito esportivo.