“Lei do mandante” coloca clubes e atletas em lados opostos. Cadê o diálogo?

Mais uma vez a falta de diálogo coloca clubes e atletas em lados opostos. Estou falando do Projeto de Lei 2336/21, a “lei do mandante”, que pode ser votado na Câmara nas próximas semanas. O PL entrega ao clube mandante os direitos exclusivos de transmissão. Acontece que ele também – e pouca gente tem falado nisso – mexe em um direito dos atletas: o percentual sobre a negociação desses direitos.

A Lei Pelé estipula que os atletas têm direito a 5% do valor negociado pelas transmissões de eventos esportivo. Pelo PL, esse mesmo valor não seria mais apenas dos atletas, mas também dos árbitros e comissão técnica.

Nesse sábado (3), a FENAPAF (Federação Nacional dos Atletas Profissionais) e atletas se posicionaram pelas redes sociais contra a medida. Em mensagem, eles dizem que “não aceitaremos que os já insuficientes 5% destinados aos atletas sejam de nós subtraídos”.

Vale lembrar aqui que até 2011 esse percentual era de 20%. Sem negociação à época, o valor foi reduzido através de alteração da lei.

Os atletas prometem vencer o histórico déficit participativo e lutar outra a aprovação desse PL. Já os clubes trabalham firme pela aprovação do Projeto. Na sexta (2), fizeram uma grande campanha pelas redes sociais pedindo a aprovação.

Direitos para o mandante

Hoje para se transmitir um evento esportivo o artigo 42 da Lei Pelé determina que “Pertence às entidades de prática desportiva o direito de arena, consistente na prerrogativa exclusiva de negociar, autorizar ou proibir a captação, a fixação, a emissão, a transmissão, a retransmissão ou a reprodução de imagens, por qualquer meio ou processo, de espetáculo desportivo de que participem”. Ou seja. para transmitir é preciso Ok dos dois times.

O PL muda isso. Os direitos passam a ser exclusivos do clube mandante.

Entregar ao mandante os direitos de transmissão me parece ser o melhor caminho. Hoje, o Brasil está na contra-mão do mundo. Pesquisa recente da Fifa mostrou que em 88% das competições os direitos de TV são individuais, mas negociados de forma coletiva.

Essa é uma questão importante. Uma negociação coletiva é fundamental para manter o equilíbrio do jogo, um dos pilares do direito esportivo. Equilíbrio traz incerteza de resultado, e isso alimenta a paixão do torcedor.

Agora, o PL 2336

É fundamental entender que árbitros e técnicos também precisam ter sua imagem protegida pela legislação esportiva. O árbitro não receber pela transmissão de um jogo ou pelo patrocínio que usa na camisa é uma afronta clara à justiça. Mas a legislação brasileira ainda complica a busca desse direito que me parece evidente.

Esse PL pode mudar essa realidade, mas acontece que ele sofre do mesmo mal histórico de nossa legislação: a falta de diálogo.

Por que atletas, técnicos e árbitros não participaram dessa discussão?

Claro que a pandemia afetou a todos. Acontece que a conta não pode ficar apenas com os atletas.

Só retirar valores dos atletas para entregar aos árbitros e CT não me parece o caminho justo que pode ser buscado através de diálogo e bom senso. Clubes também precisam ceder.

E aqui, uma lembrança se faz necessária.

É sempre importante reforçar que a realidade do futebol está longe daquela apresentada diariamente pelos veículos de comunicação. O jogador de futebol no Brasil tem o mesmo perfil da maioria dos trabalhadores. Ele é pobre, trabalha muito, ganha pouco e enfrenta dificuldades diariamente.

A média de salário de quem vive da bola é muito parecida com a do trabalhador brasileiro: 82% deles ganham um salário mínimo; 13%, entre R$ 1.000 e R$ 5.000; e apenas 5%, mais de R$ 5.000 reais por mês (levantamento de 2019 da Pluri Consultoria).

Agora, historicamente os atletas não se movimentam na luta por direitos coletivos. O problema de um não é o problema de outro. Como classe, o futebol brasileiro está longe de ser exemplo no mundo. Raras foram as vezes de uma união que mostrou a verdadeira força dos atletas. O Bom Senso foi um embrião de movimento coletivo.

E essa desunião alimenta uma cultura perversa do legislativo brasileiro que precisa ser mudada.

É preciso diálogo

Não se retira direitos sem o exaustivo e necessário diálogo, e esse precisa ter a participação dos principais atingidos pelas medidas. Qualquer decisão tomada de maneira assoberbada, e sem a leitura sistêmica do futebol tem tudo para ser mais um grande fracasso.

O futebol está mudando. O esporte também. Temos ótimos exemplos de organizações esportivas que estão estabelecendo novos conceitos de gestão, que entenderam a necessidade de se trabalhar com esporte de maneira transparente, ética e profissional.

Nessa hora buscar caminhos é indispensável. Assim como o diálogo com todo o movimento esportivo. Sem ele, qualquer iniciativa perde força, e mais, perde legitimidade.

Os atletas prometem se mobilizar. Será?

Mas árbitros e técnicos também precisam participar dessa conversa. E clubes e políticos precisam ouvir e negociar.

Só assim as mudanças serão mais eficientes e legitimas.

Nos siga nas redes sociais: @leiemcampo

Compartilhe

Share on whatsapp
Share on telegram
Share on twitter
Share on facebook
Share on linkedin
Share on email

Últimas Notícias

Colunas

Seções

Assine nossa newsletter

Toda sexta você receberá no seu e-mail os destaques da semana e as novidades do mundo do direito esportivo.