Multi-Club Ownership: A (im)possibilidade de participação em competições europeias e sul-americanas

Por Pedro Juncal

INTRODUÇÃO E HISTÓRICO

“Multi-Club Ownership” (MCO) se refere à aquisição ou controle de múltiplos clubes por uma mesma pessoa, seja ela jurídica ou física, diretamente ou por meio de um intermediário.

Recentemente, o fundo de investimento City Football Group, um dos maiores “players” no mercado de Mergers & Acquisitions (M&A) do futebol, cujo já era proprietário do Montenvideo City Torque, do Uruguai, adquiriu o Club Bolívar[1], da Bolívia, tornando-se controlador do seu segundo clube em solo sul-americano.

Apesar da prática de M&A no futebol ter ficado bastante conhecido na última década, devido aos investimentos feitos por grandes empresas como a RedBull e fundos de investimento como o City Football Group, o seu surgimento se deu nos anos 90, notadamente com a English National Investment Company (ENIC), a qual adquiriu o controle dos clubes AEK Athenas (Grécia), SK Slavia Praga (República Tcheca) e Vicenza Calcio (Itália).

O investimento da ENIC deu certo e os três clubes acima citados se classificaram para as quartas de finais da Copa da UEFA de 1997-1998, o que chamou a atenção da entidade e de todos os stakeholders do mundo do futebol, levantando questionamentos sobre o conflito de interesses e a integridade do jogo.

Foi deste modo que os regramentos sobre o MCO passaram a ser promulgados e, especificamente no futebol, a UEFA decidiu por promulgar a resolução chamada “Integrity of the UEFA Club Competitions: Independence of Clubs”[2], a qual proibia a participação de mais de um clube do mesmo influenciador ou controlador.

Tal resolução foi prontamente levada ao Tribunal Arbitral du Sport (TAS) pelo AEK Athenes e Slavia Praga[3], que haviam se classificado para a Copa da UEFA da temporada seguinte, os quais solicitaram a nulidade da resolução, sob fundamento de que esta violaria as leis de concorrência da União Europeia, de modo que restringiria o acesso de potenciais investidores e de que não haveria conflito de interesses.

Por outro lado, a UEFA alegava se tratar de uma resolução puramente desportiva, a qual almejava garantir a integridade das competições de futebol europeias.

De acordo com o painel do TAS, mesmo que os donos, diretores e executivos sempre agissem de acordo com as leis, haveria situações nas quais o interesse econômico estaria em conflito com a necessidade esportiva aos olhos do público e da autenticidade dos resultados.

Ademais, o painel entendeu que, na verdade, a resolução da UEFA objetivava apenas preservar a incerteza dos resultados e evitar episódios de conflito de interesses, não violando as leis de concorrência da União Europeia, mas sim as consagrando, já que impediria a concentração de clubes em poucas mãos.

COMPETIÇÕES EUROPEIAS

Autorizada pela Corte máxima do esporte, tal qual pela Comissão Europeia, a UEFA se viu protegida para desenvolver as regras sobre a integridade das suas competições no que diz respeito aos proprietários dos clubes participantes.

Atualmente a entidade, visando garantir a integridade das competições, dispõe, nos artigos 5.01 dos Regulamentos da Champions League[4] e da Europa League[5], que ninguém terá, direta ou indiretamente, capacidade de manejar ou administrar, tampouco controlar ou influenciar mais de um clube participante ao mesmo tempo.

Em 2017, o Red Bull Salzburg (Áustria) e o Red Bull Leipzig (Alemanha) se classificaram para a UEFA Champions League, o que gerou uma investigação por parte da UEFA e que poderia levar à impossibilidade de participação do time alemão[6].

A UEFA divulgou[7], porém, que após mudanças estruturais e governamentais realizadas em ambos os clubes, nenhuma entidade ou individuo detinha uma influência decisiva sobre mais de um clube.

Percebe-se que a UEFA adotou um critério pouco conclusivo e até certo ponto subjetivo, podendo-se dizer que até fugindo da regulamentação da competição. Não obstante, a entidade tentou demonstrar firmeza ao solicitar que mudanças estruturais e governamentais fossem realizadas em ambos os clubes, almejando garantir a integridade da competição.

COMPETIÇÕES SUL-AMERICANAS

Em solo sul-americano, cuja competência é da Conmebol, as disposições sobre a propriedade e controle dos clubes participantes não diferem muito das europeias, prevendo, na tabela IV (critérios jurídicos), nº J.03, do Regulamento de Licença de Clubes[8], que o solicitante da licença:

“…deve apresentar uma declaração juridicamente válida que descreva a estrutura da propriedade e o mecanismo de controle do clube e que confirma que nenhuma pessoa física ou jurídica implicada na gestão, administração e/ou atuação esportiva do clube direta ou indiretamente:

a) Possui ou negocie títulos ou valores de nenhum outro clube que participa da mesma competição; ou

b) Possui a maioria dos direitos de voto dos acionistas de qualquer outro clube que participa da mesma competição; ou

c) Tem o direito de designar ou suspender a uma maioria dos membros dos órgãos de administração, gestão ou supervisão de qualquer outro clube que participa da mesma competição; ou

d) É acionista e controla uma maioria dos direitos de coto dos acionistas de qualquer outro clube que participa da mesma competição em conformidade com o acordo assinado com outros acionistas do clube do qual se trate; ou

e) É membro de qualquer outro clube que participa da mesma competição; ou

f) Está implicada em nenhuma qualidade na gestão, administração e/ou atuação esportiva de qualquer outro clube que participa da mesma competição; ou

g) Tem qualquer tipo de poder na gestão, administração e/ou atuação esportiva de qualquer outro clube que participa da mesma competição.”

A inexistência de casos práticos faz com que não tenhamos uma definição mais específica sobre critérios de análise acerca do que seria em território sul-americano.

É possível que a Conmebol adote um posicionamento parecido com o da UEFA e permita, caso venha a ocorrer, que ambos Montevideo City Torque e Club Bolívar participem de uma mesma competição no futuro.

À priori, porém, pela literalidade da regulamentação e pela defesa à integridade das competições, não há a possibilidade de clubes controlados pelo mesmo grupo ou pessoa participarem de uma mesma competição sul-americana.

CONCLUSÃO

A possibilidade dos clubes de mesmos controladores ou proprietários atuarem nas mesmas competições deve ser analisada com bastante cautela.

Ainda que a possibilidade de manipulação de resultados não seja forte em competições do nível em questão, como citado pelo TAS, o conflito de interesses vai muito além. Trata-se de garantir a autenticidade dos resultados, de garantir, aos olhos dos consumidores (público) que não haverá conflito econômico e esportivo.

A única certeza é a necessidade de definições mais precisas, que não necessariamente deverão vir das entidades, mas quem sabe do próprio Tribunal Arbitral du Sport, que possibilitem e facilitem a compreensão de quando clubes controlados pela mesma pessoa poderão competir entre si ou na mesma competição.

Nos siga nas redes sociais: @leiemcampo


[1] https://leiemcampo.com.br/visando-o-ano-do-centenario-bolivar-passa-a-fazer-parte-do-city-football-group/

[2] Tradução livre: “Integridade das competições de clubes da Uefa: Independência dos clubes”.

[3] http://jurisprudence.tas-cas.org/Shared%20Documents/200.pdf

[4] https://documents.uefa.com/r/Regulations-of-the-UEFA-Champions-League-2020/21-Online

[5] https://documents.uefa.com/r/Regulations-of-the-UEFA-Europa-League-2020/21-Online

[6] De acordo com o art. 5.02, b, do Regulamento da Champions League, caso os clubes não consigam cumprir o requisito do art. 5.01, o clube que ficou melhor ranqueado na competição nacional que o classificou para a competição seria o admitido a participar.

[7] https://www.uefa.com/news/023a-0f8e547c3c4e-b72e21e04486-1000–salzburg-and-leipzig-admitted-into-uefa-champions-league/?redirectFromOrg=true&referrer=%2Finsideuefa%2Fdisciplinary%2Fnews%2Fnewsid%3D2480339

[8] http://www.conmebol.com/sites/default/files/reglamento-de-licencia-de-clubes-portugues.pdf

Compartilhe

Share on whatsapp
Share on telegram
Share on twitter
Share on facebook
Share on linkedin
Share on email

Últimas Notícias

Colunas

Seções

Assine nossa newsletter

Toda sexta você receberá no seu e-mail os destaques da semana e as novidades do mundo do direito esportivo.