O drible ousado de Neymar e o futuro do futebol

Por Mauricio de Figueiredo Corrêa da Veiga [1]

“Lambreta”, “Cabrito”, “Chapeu”, “Chaleira” ou “Lençol”. Muitos são os nomes atribuídos ao drible aplicado pelo atleta Neymar na partida do campeonato francês realizada em 01/02/2020, na qual o Paris Saint German goleou o Montpellier por 5X0.

O árbitro da partida entendeu por bem advertir o jogador brasileiro após a tentativa de driblar o adversário. Ao interpretar as imagens transmitidas, nota-se que a advertência foi no sentido de reprimir tal jogada, algo do tipo pegar leve. Logo ele, Neymar, que foi alvo de duras entradas dos adversários durante toda a partida.

 Ao ser repreendido o jogador reagiu com veemência e foi penalizado com o cartão amarelo.

Com efeito, a reação de Neymar foi proporcional à advertência recebida. Uma advertência descabida e que inibe o que o futebol tem de melhor, o drible ousado.

Pierre Coubertin foi preciso quando afirmou que o desporto possibilita um re-encontro de dois mundos: o humano e o divino. Muitos atletas são bons jogadores, poucos são fora de série.

Atenta contra os princípios do próprio desporto reprimir um drible ousado advertindo quem o praticou. Tal situação transmite uma mensagem negativa aos jovens atletas, a de que o drible diferenciado é errado, quando, ao contrário, deveria ser estimulado, como forma de resgatar o futebol-arte.

Muitas são as críticas relacionadas aos esquemas táticos atuais que, em sua maioria, adotam uma estratégia mais conservadora à espera de um deslize do adversário para se chegar à vitória, seja ela como for. A eficiência é mais valorizada que a beleza.

No desporto que atualmente é praticado o jogo desapareceu. No futebol de Garrincha, Pelé, Eusébio, Didi, Heleno, Maradona, Cruyff (e muitos outros), predominava o jogo, em sua essência.

Em sua obra clássica Homo Ludens, Johan Huizinga analisou atentamente a antítese jogo-seriedade e verificou que ambos os termos não possuem valor idêntico: o jogo é positivo, enquanto a seriedade é negativo. O significado de “seriedade” é definido de maneira exaustiva pela negação de “jogo” – seriedade significando ausência de jogo ou brincadeira e nada mais. Por outro lado, o significado de “jogo” de modo algum se define ou se esgota se considerado simplesmente como ausência de seriedade, pois o jogo é uma entidade autônoma. O conceito de jogo enquanto tal é de ordem mais elevada do que o de seriedade. Porque a seriedade procura excluir o jogo, ao passo que o jogo pode muito bem incluir a seriedade. (HUIZINGA : 2014 – p. 51)

No futebol que é praticado nos dias atuais ainda há jogadas espetaculares, que “enchem os olhos”, graças aos jogadores geniais e talentosos. Quanto mais arte, mais jogo, e quanto mais jogo, mais arte, prega o Professor em Motricidade Humana, Manuel Sérgio.

Uma das principais atrações do futebol advém da criatividade, da novidade, de algo que supera o mero cumprimento de regras. A essência do futebol permite (ainda bem!) a originalidade e a criatividade. A genialidade é inata, mas só se desenvolve em condições favoráveis.

Não podemos permitir que modismos e novas tendências afastem o clima de festividade, humor e de jogo do futebol atual, sob pena de aniquilar o espetáculo e transformar uma partida em algo entediante onde os atletas são nivelados por baixo em virtude de não poderem demonstrar, de forma espontânea, o seu talento.

……….

[1] Doutorando em Ciências Jurídicas pela Universidade Autónoma de Lisboa; Professor à contrato da Universidade La Sapienza de Roma; Diretor Jurídico do Club de Regatas Vasco da Gama; Membro da Academia Nacional de Direito Desportivo, titular da Cadeira n.º 03; Presidente da Comissão de Direito Desportivo do IAB; Vice-Presidente da Comissão Nacional de Direito Desportivo do CFOAB; Sócio do escritório Corrêa da Veiga Advogados

Compartilhe

Share on whatsapp
Share on telegram
Share on twitter
Share on facebook
Share on linkedin
Share on email

Últimas Notícias

Colunas

Seções

Assine nossa newsletter

Toda sexta você receberá no seu e-mail os destaques da semana e as novidades do mundo do direito esportivo.