O futebol pode oferecer mais que o placar

Por Cáscio Cardoso

Quando falamos em inovação, logo associamos o conceito à tecnologia.  Isso é tão automático quanto o grito de gol que vem precocemente do nosso coração e explode por nossas gargantas, na hora que o nosso atacante está prestes a nos consagrar como torcedores apaixonados. Nem sempre o gol sai. Nem sempre inovação significa tecnologia. Essa é uma lógica que precisamos esclarecer primeiro. A inovação é uma ideia diferente para tornar processos mais eficientes e objetivos mais próximos de serem alcançados. E, muitas vezes, ainda mais em um mundo como o de hoje, usa a tecnologia como ferramenta.

Exemplos como a concepção de uniformes dos times por parte de torcedores e a eleição dos melhores feita pela própria torcida são inovações. A tecnologia é ferramenta para exposição, apreciação, votação. O Uber não tem carro. O AirBnb não tem imóvel, o iFood não tem restaurante. O torcedor não tem uma confecção. Inovação é nossa capacidade de encontrar soluções. A Copa União foi um exemplo de inovação sem tecnologia. Inclusive, o nome sugestivo se deu por conta da união (?) de clubes em torno de uma liga brasileira, sem a CBF, vendido como propriedade ao açúcar União. Além dele, foi inovação contar com a Varig para transportar as delegações e a Coca-Cola para estampar as camisas de quase todos os clubes.  E propor à TV Globo mostrar esses jogos para o Brasil. O objetivo era coletivo: fortalecer os times e a competição. Crescer o bolo para aumentar as fatias. Há mais de 30 anos. A inovação não depende exclusivamente da tecnologia.

Tudo isso para dizer que o futebol também não pode depender exclusivamente da vitória. Infelizmente, hoje, quando um torcedor vai para o estádio, no Brasil, ele não vai ver futebol,  ele vai “ganhar” um jogo de futebol. Sem os desejados “três pontos”, a percepção de que o evento não valeu a pena, normalmente, é verbalizada. Por isso é clássico ouvirmos “não venho mais” na porta de um estádio após a derrota. Ou o “eu desliguei a TV depois do gol deles.” Porque oferecemos pouco como futebol. Só oferecemos o placar final.

Por isso, com o objetivo de dar ao torcedor o que ele deseja, clubes se engalfinham, diminuem a qualidade do espetáculo, vendem a alma pela glória efêmera da vitória da semana. E atiram com bazuca nos próprios pés. Só um time ganha. Só um time é campeão. Se essa lógica prevalece, ela frustra mais do que entretém. Se essa lógica prevalece temos mais incompetentes que qualificados. Isso é injusto e desleal com quem faz o futebol e é pouco atrativo para quem consome futebol.

Precisamos, como indústria, melhorar a experiência de quem acompanha o jogo. A qualidade do futebol jogado, do estádio que recebe o público, da transmissão. Dar alternativas, entregar o controle a quem já nasceu sabendo o que quer e quando quer consumir. Narração como o torcedor que ouvir, câmera como o fã quer ver, serviço de alimentação como o simpatizante quer comer. Transporte, segurança, relacionamento, personalização. E deixar que o resultado, esse bendito componente incontrolável, tenha sua relevância revista, pois, acima dele, está a experiência de torcer.

Para começar a viabilizar isso, temos que diminuir as distâncias de receitas entre divisões do futebol brasileiro, temos que melhorar a governança dos clubes, para que dependam menos do dinheiro da TV, ajustar calendário, arbitragem, a relação dos clubes entre si. Temos que pensar, veja só, de forma coletiva. Precisamos rever a ideia que desvaloriza um vice-campeonato. Combater a lógica que sugere que sentar ao lado do torcedor adversário é uma afronta à civilização.  Defendo que presidentes de clubes no Brasil devam assistir aos jogos lado a lado. Juntos. Inovação é quebrar preconceitos e aceitar uma mudança de cultura. É usar a cabeça para além do toque dela que bota a bola nas redes. Para fazer com que o futebol não tenha só a vitória como oferta. E assim,  quando o grito precoce de gol se frustrar, a gente queira rir do mesmo jeito. De nós ou de quem está ao nosso lado. De nós ou com quem está ao nosso lado.

……….

Cáscio Cardoso é apresentador e comentarista esportivo da Rádio Sociedade da Bahia, do Podcast 45 Minutos e do Futebol S/A. Acredita em um futebol melhor a partir do aprofundamento das ideias e do equilíbrio na relação entre paixão e razão na condução do esporte mais encantador do mundo. É sócio do Futebol S/A.

Compartilhe

Share on whatsapp
Share on telegram
Share on twitter
Share on facebook
Share on linkedin
Share on email

Últimas Notícias

Colunas

Seções

Assine nossa newsletter

Toda sexta você receberá no seu e-mail os destaques da semana e as novidades do mundo do direito esportivo.