O isolamento social que acomete o futebol brasileiro

Por José Cândido Bulhões Pedreira

A pandemia da Covid-19, que assola o planeta e testa os limites dos serviços de saúde pública, nos ensina que graves problemas que afetam o mundo inteiro devem ser enfrentados por todos os países de forma coletiva, com a coordenação de uma entidade com existência própria, especializada na sua área de atuação e na qual os países tenham representação, no caso, a Organização Mundial de Saúde.  Países das mais diversas culturas e tradições unem esforços para atingir um objetivo comum: preservar vidas.

Até mesmo as duras medidas de isolamento social, paradoxalmente, requerem cooperação internacional, pois só surtirão efeito se adotadas simultaneamente por todos os países afetados – para que a tão esperada reabertura das fronteiras não resulte numa nova onda pandêmica.

Como afirmou o historiador israelense Yuval Noah Harari em artigo no jornal O Globo do último dia 23/3, “o verdadeiro antídoto para a epidemia não é a segregação, mas a cooperação”.

Quando se trata do futebol brasileiro, no entanto, cooperação (no sentido de “co-operar”, ou operar coletivamente) é tão difícil de encontrar quanto álcool gel nas prateleiras em tempos de Covid-19.

Os clubes se pautam unicamente por interesses individuais, sem senso coletivo.  Não conseguem dialogar nem mesmo para negociar coletivamente seus direitos de transmissão e valorizar o produto que oferecem, que dirá para organizar seu próprio campeonato.

O futebol brasileiro tornou-se terreno fértil para a propagação de políticas individualistas em detrimento do desenvolvimento do mercado nacional, por parte de “ultranacionalistas”, que só enxergam seus próprios interesses, e pretensos isolacionistas, que se acham uma categoria à parte, alheios à realidade em que estão inseridos.

Nossos dirigentes agem como se o produto final a ser vendido ao consumidor fosse cada clube individualmente considerado, e não o campeonato em si, a marca, com toda sua identidade, história, rivalidades, partidas e clubes.  O resultado é um campeonato nacional empobrecido e endividado, enfraquecido, pois craques vão-se embora cedo, e engessado, com os clubes abrindo mão do seu poder de autodeterminação em favor do sistema CBF/Federações, que tem seus próprios interesses – por vezes conflitantes com os dos clubes.

A experiência internacional nos mostra que o tratamento para recuperar o futebol brasileiro e destravar o seu potencial é conhecido e incontroverso, pois já foi revisado e aprovado por seus pares.  Em todos os maiores campeonatos de futebol do mundo os clubes são empresas, salvo raríssimas exceções, e também são sócios entre si numa outra entidade – a liga – que tem personalidade jurídica e identidade institucional próprias, e mandato para negociar e repartir entre os clubes, em benefício do produto final, os contratos de direitos de transmissão, patrocínio, licenciamento e tudo o mais que afeta o valor comercial do campeonato.  Os clubes são adversários no campo, mas fora dele são sócios e trabalham juntos pelo sucesso da empresa em comum.

A união sob uma liga independente e com foco no produto final rende inegáveis frutos: as cinco ligas de maior sucesso comercial no mundo – Premier League (Inglaterra), Bundesliga (Alemanha), La Liga (Espanha), Lega Calcio Serie A (Itália) e Ligue 1 (França) – tiveram, em 22 anos (1996/97 a 2017/18), crescimento de receitas de 26,86% ao ano, em média (com variação de 17,49% ao ano (Lega Calcio Seria A) a 35,16% ao ano (Premier League), segundo dados do site Statista e do relatório Annual Review of Football Finance 2019, da Deloitte), atingindo receitas agregadas de €15,6 bilhões ao final da temporada 2017/18.  Além disso, registram altas taxas de ocupação de estádios, média agregada de 77,4% em 2017/18, e conseguem vender seu produto não apenas para o seu público interno, mas para audiências do mundo inteiro.

A Premier League pode cobrar os direitos de transmissão mais caros do mundo entre os campeonatos nacionais, de £1,7 bilhão por temporada (valorização de 166% a.a. desde sua fundação em 1992), porque oferece uma liga extremamente competitiva, onde todos os jogos geram interesse e interações nas mídias sociais.  Todos os clubes são igualmente bem remunerados pelos seus direitos e a diferença final entre o valor recebido pelo campeão e o último colocado é de apenas 1,6 vezes.  Com isso, são vistos no mundo inteiro, seus clubes globalizam suas marcas, aumentam suas receitas comerciais e têm acesso aos mais renomados jogadores do mercado internacional.

Não menos importante, a formação da liga permite que seus membros definam, em comum acordo, as premissas que regerão sua atividade, como, por exemplo, regras de governança corporativa, limites de endividamento e padrões mínimos de infraestrutura. A liga independente, com identidade institucional, estrutura e planejamento estratégico próprios, produz um ciclo virtuoso que maximiza o potencial comercial da competição, favorecendo todos os seus membros.

Por outro lado, o campeonato que temos hoje no Brasil, caraterizado pelo ajuntamento de clubes sem visão comum, sob tutela da CBF e regido por interesses individuais, produz um ciclo vicioso onde a responsabilidade pelo sucesso da atividade é recorrentemente jogada no colo de terceiros, como o governo federal ou a detentora dos direitos de transmissão – uma verdadeira “desliga”.

Os vinte clubes de maior faturamento no Brasil, apesar de terem aumentado substancialmente seus ganhos nos últimos 10 anos, com crescimento médio de 37,7% ao ano (semelhante ao da Premier League), não conseguem sair do vermelho porque carregam o peso de décadas de administrações irresponsáveis, acumulam dívidas impagáveis, e não têm articulação para regular coletivamente sua atividade e criar condições para o seu desenvolvimento a partir do objetivo comum de fortalecer o mercado interno e torná-lo sustentável e competitivo.

O isolamento social acomete o nosso futebol desde muito antes da quarentena imposta pela Covid-19.  A pandemia apenas expôs a fragilidade institucional do futebol brasileiro e a miopia daqueles que não enxergam além dos próprios interesses.

Precisamos entender, de uma vez por todas, que, apesar da natural disputa por mercado e títulos, o esporte é a única indústria onde o objetivo estratégico não é o de eliminar por completo a concorrência, levando-a à falência, pois os clubes dependem fundamentalmente uns dos outros para oferecer seus produtos e serviços ao consumidor e alimentar a rivalidade que gera demanda.  Quando um clube fecha as portas, o mercado do futebol desvaloriza, o PIB diminui e pessoas perdem empregos, renda e uma referência sociocultural.

O Brasil é o maior produtor de craques de futebol do mundo e tem um enorme e voraz mercado consumidor. Então por que temos que nos contentar em ter apenas dois ou três clubes bem estruturados numa indústria nacional sucateada?

Com tantas opções de entretenimento disponíveis hoje à distância de um clique (ligas estrangeiras, e-sports etc.), o desinteresse que tomou conta do torcedor brasileiro em relação aos campeonatos estaduais poderá, em breve, alastrar-se rapidamente, tornar-se uma epidemia e infectar o futebol brasileiro como um todo.

A atual concorrência dos clubes brasileiros, assim como um vírus, desconhece fronteiras.  E será muito difícil superá-la sem cooperação, união de esforços por um fim comum, que deve ser o de valorizar o produto final: a competição.

Se o futebol brasileiro não se liga, mais cedo ou mais tarde, seu torcedor o desliga.

……….

José Cândido Bulhões Pedreira é advogado, FIFA Master, sócio de Trengrouse & Gonçalves Advogados

Compartilhe

Share on whatsapp
Share on telegram
Share on twitter
Share on facebook
Share on linkedin
Share on email

Últimas Notícias

Colunas

Seções

Assine nossa newsletter

Toda sexta você receberá no seu e-mail os destaques da semana e as novidades do mundo do direito esportivo.