O julgamento do ano para Villa Nova e Guarani

Por Fernanda Soares

O Pleno do Tribunal de Justiça Desportiva de Minas Gerais tem em suas mãos um caso bastante interessante, cujo resultado determinará a queda de um clube mineiro à segunda divisão do campeonato regional. Hoje, dia 30 de abril, acontece o julgamento do recurso interposto pelo Villa Nova, que, há três semanas, viu a 4ª Comissão Disciplinar do Tribunal lhe aplicar a punição de perda de 16 pontos e multa de R$ 8.000 pela escalação irregular do atleta Pinguim em quatro jogos do Campeonato Mineiro, o que, na minha visão, foi equivocado.

O caso é interessante porque há o debate de diferentes entendimentos sobre a aplicação das normas do direito esportivo. Trata-se da seguinte situação: no dia 25.07.2018, em jogo pelo Campeonato Mineiro Sub-20 contra o América-TO, o atleta do Villa Nova Vitor Hugo do Espírito Santo, vulgo “Pinguim”, foi expulso por reclamações acintosas no banco de reservas. Julgado pelo TJD, recebeu a punição de quatro jogos de suspensão (artigo 258 do CBJD). Cumpriu a primeira suspensão (automática) no jogo imediatamente subsequente ao da expulsão. Em 2019 o atleta foi incorporado à equipe principal e passou a disputar o Campeonato Mineiro profissional. Cumpriu a segunda suspensão na primeira rodada desse campeonato (jogo contra o Tupynambás), restando, assim, cumprir a suspensão em mais duas partidas. Entretanto, o atleta jogou as duas partidas subsequentes, nas quais não poderia ter atuado. Essas partidas ocorreram nos dias 24.01.2019 e 27.01.2019. Portanto, nesses dias, o jogador estava em situação irregular. No dia 30.01.2019, data da partida posterior, o jogador não foi relacionado. Nas partidas subsequentes, de 03.02.2019 e 10.02.2019, atuou. Finalmente, na partida do dia 16.02.2019, não foi relacionado.

Essa data – 16.02.2019 – é a que, para muitos, marca o fim do cumprimento da punição aplicada. O quadro abaixo facilita a visualização das datas; é fundamental que a linha do tempo fique clara para compreendermos os debates:

Data Ocorrência
25.07.2018 Expulsão (Partida pelo Campeonato Mineiro Sub-20).
28.07.2018 Cumprimento da suspensão automática (Partida pelo Campeonato Mineiro Sub-20).
20.01.2019 Cumprimento da 2ª suspensão
24.01.2019 Atuou na partida contra o América
27.01.2019 Atuou na partida contra o Guarani
30.01.2019 Não relacionado
03.02.2019 Atuou na partida contra o Cruzeiro
10.02.2019 Atuou na partida contra o Patrocinense
16.02.2019 Não relacionado

Pois bem, no dia 02.04.2019 a Procuradoria ofereceu a denúncia em face do Villa Nova, a partir de uma Notícia de Infração apresentada pelo Guarani no dia anterior. O Guarani é terceiro interventor no processo, já que tem interesse na condenação do Villa Nova, que acabaria por manter o Guarani na elite do futebol mineiro. Veja a parte de baixo da tabela do Campeonato Mineiro de 2019:

Nesse cenário, a 4ª Comissão Disciplinar do TJD/MG (“1ª instância” da Justiça Desportiva) entendeu por acolher a denúncia da Procuradoria e condenar o Villa Nova à perda de 16 pontos no Campeonato Mineiro de 2019, além da multa de R$ 8.000. A Comissão considerou que o jogador atuou de forma irregular nas partidas do dia 24.01.2019, 27.01.2019, 03.02.2019 e 10.02.2019, portanto infringindo o artigo 214 do CBJD por quatro vezes.

Não concordei com a decisão da Comissão e estou bastante curiosa para saber o que o Pleno decidirá hoje. É que entendo que houve prescrição da pretensão punitiva, ou seja, não há mais que se falar em punir o Villa Nova por uma infração cometida em 27.01.2019. E aqui nessa tese parto de duas premissas que estão sob debate (que é o que torna o caso interessante): 1) o atleta não estava irregular nos dias 03.02.2019 e 10.02.2019 e; 2) a prescrição ocorre em 60 dias, contados da data da infração. Vamos analisar cada uma para entender melhor essa discussão.

1) A forma de aplicação das penas de suspensão por partida

O debate sobre se o atleta estava ou não irregular nos dias 03.02.2019 e 10.02.2019 passa pelo entendimento sobre a forma de aplicação das penas. Aqui precisaremos do artigo 171, §1º, do CBJD, que nos orienta no seguinte sentido:

Art. 171. A suspensão por partida, prova ou equivalente será cumprida na mesma competição, torneio ou campeonato em que se verificou a infração.
§ 1º Quando a suspensão não puder ser cumprida na mesma competição, campeonato ou torneio em que se verificou a infração, deverá ser cumprida na partida, prova ou equivalente subsequente de competição, campeonato ou torneio realizado pela mesma entidade de administração ou, desde que requerido pelo punido e a critério do Presidente do órgão judicante, na forma de medida de interesse social.

O artigo é claro quando fala que a suspensão deve ser cumprida nas partidas subsequentes ao cometimento da infração. Isso impede que o clube ou atleta escolham as partidas em que vão cumprir a punição, o que seria grave afronta ao princípio da paridade de armas.

No caso concreto as datas nas quais o atleta do Villa deveria ter cumprido a suspensão eram 28.07.2018, 20.01.2019, 24.01.2019 e 27.01.2019 (partidas subsequentes à infração, como previsto no CBJD). Ou seja, no dia 28.01.2019 o atleta não mais está irregular. Quando o atleta atuou nas duas últimas partidas (24 e 27 de janeiro), ele cometeu uma infração nova, punível pelo mesmo artigo 214 e também pelo artigo 223, que pune quem deixa de cumprir determinação da Justiça Desportiva. Ora, se é uma nova infração, deveria haver novo julgamento e nova condenação. Nesse sentido, considerar o atleta irregular nas partidas dos dias 03.02.2019 e 10.02.2019 é aplicar a punição pela nova infração sem que o atleta fosse julgado por ela.

Como visto, não foi esse o entendimento da 4ª Comissão. A maioria dos auditores considerou que o atleta ainda estava irregular nos dias 03.02.2019 e 10.02.2019, já que deveria ter cumprido a suspensão nas partidas anteriores. Nesse sentido, o atleta apenas teria cumprido o restante da punição nos dias 30.01.2019 e 16.02.2019, quando não foi relacionado.

2) Prescrição

Partindo da premissa de que a suspensão deve ser cumprida nas partidas subsequentes e que o não cumprimento dessa suspensão configurou nova infração (sendo, portanto, necessário novo julgamento, que não ocorreu), a última partida em que o atleta do Villa Nova atuou de forma irregular foi a do dia 27.01.2019. O CBJD trata da prescrição no artigo 165-A; o § 6º dedica-se a regular o ponto de partida da prescrição, ou seja, a partir de quando ela começa a ser contada. Vejamos:

§ 6º A pretensão punitiva disciplinar conta-se:
a) do dia em que a infração se consumou;
b) do dia em que cessou a atividade infracional, no caso de tentativa;
c) do dia em que cessou a permanência ou continuidade, nos casos de infrações permanentes ou continuadas;
d) do dia em que o fato se tornou conhecido pela Procuradoria, nos casos em que a infração, por sua natureza, só puder ser conhecida em momento posterior àqueles mencionados nas alíneas anteriores, como nos casos de falsidade.

A 4ª Comissão entendeu que o caso do Villa Nova se encaixa no descrito na alínea “d” e considerou que a prescrição começou a contar a partir do dia em que o Guarani enviou a Notícia de Infração à Procuradoria (dia 01.04.2019). A justificativa para tal entendimento é a de que a Procuradoria, órgão responsável pela fiscalização e conferência de irregularidades de atletas e único órgão responsável por oferecer denúncia na Justiça Desportiva, não teria condições de, na prática, exercer tal fiscalização. Nesse entendimento, não haveria “meios estruturais” que permitissem à Procuradoria consultar a situação de cada atleta relacionado nas súmulas dos jogos.

Novamente, discordo da posição da maioria dos auditores da 4ª Comissão. Entendo que a Procuradoria (e os auditores) da Justiça Desportiva oferecem seu trabalho de forma voluntária e que são muitas as partidas e os atletas que atuam, fazendo com que a fiscalização se torne árdua. Mas também entendo que, se o sistema não está adequado à realidade diária, que se mude o sistema. A prescrição existe por um motivo importante: traz segurança jurídica. Permitir que se estenda a pretensão punitiva pela falta de estrutura da Procuradoria seria o mesmo que permitir que a Receita Federal exceda os cinco anos de prazo para verificar as mais de 90 milhões de declarações de Imposto de Renda por falta de auditores.

A alínea “d” do referido artigo é clara quando fala sobre as infrações que, pela natureza, só podem ser conhecidas em momento posterior. Ora, não é o caso aqui. Infrações da natureza das cometidas pelo atleta do Villa Nova podem (e são) conhecidas a partir da publicação da Súmula. Cabe à Procuradoria a verificação e, se for o caso, oferecer a denúncia ao Tribunal.

Portanto, entendo que a alínea a ser observada nesse caso é a “a”, que diz que se conta a prescrição a partir do dia em que a infração se consumou, ou seja, 27.01.2019. Como a pretensão punitiva, nesse caso, prescreve em 60 dias, não há mais que se falar em punição, já que a denúncia data de 02.04.2019.

Falei do princípio da paridade de armas e ressalto outro princípio bastante caro ao direito esportivo: o pro competitione que visa a prevalência, continuidade e estabilidade das competições. É fundamental prestigiar o resultado obtido em campo, obviamente não em detrimento da justiça nem esquecendo os outros princípios. Mas frente a um debate como o de hoje, em que há diferentes interpretações para a norma posta, entendo ser fundamental prestigiar a interpretação que respeita o resultado desportivo. Na dúvida, pró-competição.

Compartilhe

Share on whatsapp
Share on telegram
Share on twitter
Share on facebook
Share on linkedin
Share on email

Últimas Notícias

Colunas

Seções

Assine nossa newsletter

Toda sexta você receberá no seu e-mail os destaques da semana e as novidades do mundo do direito esportivo.