Para onde caminha o sócio-torcedor

Por Marcelo Azevedo

Confesso que quando ouvi pela primeira vez o termo sócio-torcedor, me causou uma certa estranheza. Como assim sócio-torcedor? Como vão empacotar a minha paixão, herdada por inúmeros motivos emocionais, num contrato formal de consumo? Desde quando passou a ser importante categorizar um amor incondicional, dando até nome para isso?

Eu mantenho, ao menos desde que me entendo por torcedor, uma relação identitária e de pertencimento a este ente denominado clube de futebol, que segundo Hilário Franco Júnior em A Dança dos Deus (2007), “é algo etéreo, indefinível, que não é sede social, não é o conjunto dos dirigentes, não é o grupo dos jogadores, não é a multidão imprecisa de torcedores, mas é ao mesmo tempo tudo isso e muito mais.”

Se torcer para um clube é parte de quem você é, como tornar isso um documento contratual entre partes? Então quer dizer que se você não paga o programa de sócio-torcedor do seu clube, sua paixão é rebaixada e você se torna um ser inferior, desprovido da fibra moral indispensável a qualquer indivíduo apaixonado pelo seu clube? Não sei, aquilo me soou mal, muito mal.

Mas, naquele longínquo ano de 2003, quando Bebeto de Freitas anunciou o Programa Botafogo no Coração, fazendo um dramático apelo à torcida, eu pensei comigo: Pronto, estou diante da maneira possível de ajudar o meu clube, tenho como pagar, vou fazer.

Passados quase 20 anos, a existência de iniciativas assim nos clubes já há algum tempo deixou de ser um pedido desesperado de ajuda para tornar-se uma obrigação orçamentária.

Ainda que seja uma das menores dentro do elenco de receitas possíveis de serem realizadas num clube, os programas de sócio-torcedor são um mecanismo importante para aproximar seus torcedores, trazendo consigo dois atributos que brilham tal qual ouro de mina: (i) a recorrência da receita, assegurando alguma previsibilidade aos combalidos caixas dos times brasileiros e (ii) o acesso às informações de comportamento e consumo do torcedor, a grande matéria prima para o desenvolvimento de novas receitas pelos clubes de futebol.

Programas de sócio-torcedor, receitas com a bilheteria e as receitas do chamado Dia do Jogo (Match Day), são possivelmente os únicos produtos  da relação direta entre o clube e seu torcedor, o que no jargão do marketing costuma se chamar de uma relação de consumo B2C. Só que neste caso, recheada de uma devoção capaz de estimular um sistema de recompensas mentais e emocionais incomparáveis, talvez alcançado apenas pelas marcas que atingem o Olimpo das Love Brands.

Mas o caminho até lá é longo e a estrada já está bastante danificada. Percebam que a existência destes programas deveria contribuir para a fidelização da massa de seus torcedores, mas são tantas mudanças de nome e formatos, às vezes até dentro de um mesmo ano, que até para quem tem a paixão como combustível de consumo, fica difícil seguir associado sem se questionar. Ainda assim, quem dera fosse este o único problema a lidar, pois talvez estivéssemos mais próximos da solução.

Bom, se você chegou até aqui, já deu para perceber que estamos diante de uma provocação que nos levará a mais dúvidas que certezas, não é? Com a chegada da pandemia do Covid, o que já era um problema que exigia mais que respostas simples, escancarou de vez os dois maiores desafios enfrentados desde sempre por estes programas: (i) A maior entrega é um evento presencial e (ii) a cruel dependência do desempenho esportivo para a manutenção do número de associados.

Em resumo, os torcedores se associam porque buscam acesso a ingressos mais baratos e/ou privilégios na hora de garantir sua entrada nos jogos. Mas se não existe público nos estádios e a relação construída é fruto de um pacto formal e contratual, que entrega farão os clubes a fim de preservar esta fonte de receita?

Além disso, não é possível descontextualizar o ineditismo que o fenômeno da pandemia causou em todos, onde o afastamento do estádio, de longe a sua face menos dolorosa, obrigou que os setores de marketing dos clubes fossem em busca das novas formas de contato entre as instituições e seus torcedores.

Os números, com pequenas variações, demonstram a importância dos programas de sócio-torcedor e das bilheterias nas finanças dos clubes, onde correspondem por até 16% de toda a receita que circula no futebol. Só que é aí que é preciso entender que a mesma crise que afetou os clubes, atingiu duramente seus torcedores.

Lá no começo eu disse que torcer para um clube é parte de quem você é, de onde conclui-se que se manter ao lado dele neste momento é uma afirmação desta identidade. Se esta premissa é verdadeira, então cabe aos clubes aprender a trabalhar isso. E para ontem. E sabe por que? Porque se você analisar os times fundadores do Clube dos 13, todos se colocam como times com torcedores espalhados por todo o país, uns mais regionais, outros mais nacionais, mas todos se orgulham de ter torcida em diversas partes do Brasil. E sabe o que eles fazem com isso? Nada, absolutamente nada.

Isso, em parte, explica porque todos eles perderam quantidades expressivas de sócios-torcedores, uma vez que nenhum deles sabe tratar o torcedor que reside para além da sua fronteira estadual, digo mais, para além dos limites de sua região metropolitana.

Pois bem amigos, a pandemia escancarou uma realidade: os clubes, apenas focados na facilidade de compra de ingressos como oferta diferencial para seus torcedores, nunca deram muita bola para o torcedor que vivia longe da cidade sede do clube. Só que a pandemia empurrou todos para dentro de casa (ou ao menos deveria ter sido assim), transformando o sócio torcedor tradicional, aquele que paga o programa para ter ingressos mais acessíveis e em conta, no sócio torcedor a distância, aquele que derruba as fronteiras geográficas para demonstrar o seu amor. Sem ter mais o acesso ao estádio para oferecer, o que os clubes tinham para entregar como produto para que o seu torcedor seguisse gerando esta receita tão valiosa para seus cofres? Nada, praticamente nada. Então a conta chegou. E foi depois de tanto desprezar o conhecimento dos hábitos de seus consumidores, ops, torcedores, bem representada pela invisibilidade  do torcedor sem fronteiras, que restou claro que a indústria não se preparou para trabalhar sem sua maior entrega: o acesso ao jogo

E qual o caminho para corrigir esses erros ? Implementar uma cultura de uso de dados para entender o comportamento deste indivíduo, especialmente no que se refere ao consumo de conteúdo do clube. E aí, quem até outro dia era ator coadjuvante, assume o papel principal do enredo, vira o novo protagonista nesta história. E tem bastante coisa para falarmos sobre isso, especialmente numa época em que a compra de conteúdo via streaming não é mais uma decisão individual, mas uma decisão familiar.

Uma alternativa seria a diversidade de oferta de conteúdo numa plataforma que permita a toda a família consumir. Se a experiência de consumo do conteúdo será por demanda (on demand), a contratação, cada vez mais, será familiar. Como consequência disso, os clubes podem passar a ser percebidos, dentro de relação favorável de lealdade e fidelidade, como uma plataforma de mídia, que não oferece apenas o dia do jogo como seu único e valioso produto. A boa notícia é que tem gente já começando a fazer o dever de casa: a FlaTV será uma plataforma de OTT, o verdão lançando a TV Palmeiras Plus , o Grêmio com a Grêmio Play, aposta iniciada, importante destacar, com o tricolor da boa terra, que saiu na frente com o Sócio Digital do Bahia.

Pegando emprestada uma analogia muito usada por Renato Gueudeville  ,meu companheiro de Futebol SA, o safety car está na pista, quem ficar muito para trás, quando a largada for autorizada, não tem jeito, vai largar do fim.

Nos siga nas redes sociais: @leiemcampo


Marcelo Azevedo é formado em Administração de Empresas com MBA em Gestão de Negócios. Publicitário por adoção, atua há mais de 30 anos liderando áreas de gestão e finanças. É convicto da força que o ecossistema do futebol pode produzir ao seu entorno.  Torcedor raiz, é um amante do jogo bem jogado, da boa disputa, mas gostar, gostar mesmo, ele gosta é do Botafogo, até mais do que do futebol.

Compartilhe

Share on whatsapp
Share on telegram
Share on twitter
Share on facebook
Share on linkedin
Share on email

Últimas Notícias

Colunas

Seções

Assine nossa newsletter

Toda sexta você receberá no seu e-mail os destaques da semana e as novidades do mundo do direito esportivo.