Perdidos no espaço

“Perdidos no espaço” (1965-1969) é um seriado de televisão que conta as aventuras da família Robinson no cosmos a bordo da nave Júpiter 2, em companhia do Robô B9 e do Dr. Zachary Smith.

Em virtude da superpopulação na Terra, a família é enviada para o espaço, a fim de estabelecer uma colônia num determinado planeta para que outras pessoas também possam habitá-lo.

A viagem tem problemas e os membros da nave não conseguem chegar ao destino e ficam vagando indefinidamente pelo universo, tentando em vão retornar ao nosso planeta.

No combate ao coronavírus, as autoridades públicas brasileiras não se entendem e do jeito que as coisas vão, também parecem que não chegarão a lugar algum.

O Supremo Tribunal Federal contribuiu para isso. Ao entender que estados e municípios têm competência conjunta com o governo federal para regular o combate à pandemia, ele trouxe mais ambiguidades do que certezas, num momento que exige união de esforços para enfrentar o caos.

Por falar em união, a competência para regular o assunto, com todas as vênias é sim da União, uma vez que ela detém o poder de editar normas gerais sobre saúde, apesar de remanescer aos estados e Distrito Federal a competência suplementar a respeito do tema.

Para saber se a União extrapola do seu poder na edição das normas gerais, é fundamental deter-se na existência da predominância do interesse. Se o interesse é de cunho nacional a competência é da União. Caso contrário, estará invadindo a competência dos estados.

Neste aspecto, não é preciso refletir muito para concluir que o combate à pandemia é um tema que interessa ao país como um todo e não somente a este ou àquele estado ou município.

Isto fica mais evidente quando se analisa a Lei nº 8.080/90, em vigor até hoje, que dispõe sobre as condições para a promoção, proteção e recuperação da saúde, a organização e o funcionamento dos serviços correspondentes.

Logo no seu artigo primeiro é dito que

 Art. 1º Esta lei regula, EM TODO O TERRITÓRIO NACIONAL, as ações e serviços de saúde, executados isolada ou conjuntamente, em caráter permanente ou eventual, por pessoas naturais ou jurídicas de direito Público ou privado.

 A lei delimitou as áreas de atuação de cada ente da federação em tema de saúde, oportunidade em que deu à direção nacional do SUS, a coordenação do sistema de vigilância epidemiológica, o que é evidentemente o caso da pandemia do Covid-19.

Veja-se o seguinte dispositivo:

Art. 16. À direção nacional do Sistema Único da Saúde (SUS) compete:

(…)

III – definir e coordenar os sistemas:

(…)

  1. c) de vigilância epidemiológica; e

(…)

VI – coordenar e participar na execução das ações de vigilância epidemiológica;

(…)

Parágrafo único. A União poderá executar ações de vigilância epidemiológica e sanitária em circunstâncias especiais, como na ocorrência de agravos inusitados à saúde, que possam escapar do controle da direção estadual do Sistema Único de Saúde (SUS) ou que representem risco de disseminação nacional.

No mesmo sentido, a recente Lei Federal nº 13.979/2020, editada com a finalidade específica de enfrentar o coronavírus, que, no art. 3º, fala das medidas restritivas à liberdade de ir e vir, condicionando expressamente a atuação do gestor local à autorização do Ministério da Saúde.

Todos esses aspectos foram infelizmente esquecidos pelo STF. Além do mais, ele confundiu a competência COMUM que é detida por União, estados, Distrito Federal e municípios para cuidar da saúde da população (art. 23, inciso II da CF) com a competência CONCORRENTE para legislar sobre saúde e que dá à União o poder de editar normas gerais sobre o assunto, com eventual suplementação de Estados e Distrito Federal (art. 24).

O resultado é que agora temos simplesmente 5.570 municípios e 26 estados, mais o Distrito Federal, legislando sobre o tema, com cada um decidindo do seu jeito, sem qualquer coordenação ou supervisão central, como se o combate à epidemia não fosse um problema comum a todo o povo brasileiro.

Embora não tenhamos essa intenção, estamos, no final das contas, sabotando a nós mesmos tal como fizera o Dr. Smith, um espião que, ao tentar sabotar a missão, não conseguiu sair da nave antes da decolagem e se perdeu no espaço junto com a família Robinson.

A decisão do Supremo provocou igualmente consequências no futebol. O Ministério da Saúde emitiu um parecer (inconclusivo por sinal) “achando interessante” o retorno da atividade (!), mas jogando a bola para o colo de estados e municípios diante da citada decisão do STF, o que só faz permanecer no ar o vírus da perplexidade e da insegurança jurídica.

Basta deparar-se com algumas questões que se apresentam em relação ao futebol:

Se um estado considerar que não pode haver jogos e outro entender que é possível, como é que será realizado o campeonato brasileiro? Se um município divergir da regra editada pelo estado do qual faça parte, qual a norma que irá prevalecer? A estadual ou a municipal? Caso as competições retornem, os protocolos de segurança serão diferentes para cada estado e município? E se determinado estado ou município dispensar qualquer medida preventiva, como ficará a saúde de todos?

Tudo isso só mostra que somos passageiros de uma nave que não chegará a lugar algum.

Nessa viajem sem destino, acabaremos todos perdidos no espaço.

No espaço territorial de um país chamado Brasil.

Compartilhe

Share on whatsapp
Share on telegram
Share on twitter
Share on facebook
Share on linkedin
Share on email

Últimas Notícias

Colunas

Seções

Assine nossa newsletter

Toda sexta você receberá no seu e-mail os destaques da semana e as novidades do mundo do direito esportivo.