Precisamos falar sobre o Benfica

Por Igor Serrano

O mundo do futebol amanheceu, na última quarta-feira, 03/07/19, com uma nova quarta maior (mais cara) contratação de todos os tempos: o jovem português João Félix, 19 anos, que, após uma temporada de estreia arrebatadora no time adulto do Benfica, rumou a Madri para jogar no Atlético por incríveis 126 milhões de euros, valores inferiores apenas às idas de Neymar (do Barcelona) e Mbappé (do Mônaco) para o Paris Saint Germain e de Coutinho (do Liverpool) para o Barcelona.

Para quem acompanha o futebol português, a nova maior negociação de todos os tempos do país não causa espanto diante do verdadeiro diamante que é o atacante oriundo das categorias de base do clube lisboeta. Em seu primeiro ano como profissional, em 43 partidas, Félix marcou 20 gols e deu 11 assistências, sendo decisivo e fundamental na conquista do campeonato nacional (2018/2019), deixando sua marca, inclusive, nos clássicos contra Sporting e Porto.

Oportuno lembrar que a gestão no futebol na terra de Camões e Fernando Pessoa se reinventou nos últimos vinte anos, e os clubes, em especial os três grandes, tornaram-se especialistas em fazer excelentes negócios com a aquisição de jogadores (geralmente promessas sul-americanas ainda desconhecidas do grande público) a preços “baixos” e a revenda para outros clubes europeus por valores muito mais altos do que os desembolsados anteriormente. Relembremos algumas apenas para exemplificar:

No entanto, os muitos milhões que passaram a se tornar corriqueiros em transferências de jogadores de futebol na Europa merecem um olhar mais apurado no caso do Sport Lisboa e Benfica, que passou a lucrar não só com atletas contratados de outros clubes, mas também com suas próprias revelações da base.

E tudo teria início em 2006, ano em que inaugurou o Centro de Estágio e Formação do Seixal (Caixa Futebol Campus), CT da base, que viria a influenciar diretamente no futuro das conquistas esportivas e também das finanças. André Gomes, Renato Sanches, Éderson, Lindelof, Bernardo Silva, Gonçalo Guedes (autor do gol do título da Seleção Portuguesa na Nations League) e João Cancelo foram algumas das joias encarnadas que rumaram para outros países após brilharem no time profissional e garantirem, junto com João Félix, 380 milhões de euros ao clube em negociações.

A presença de jovens no time profissional se tornou muito comum na realidade benfiquista, a ponto de o atual treinador, Bruno Lage, ter se tornado técnico do time após passagem no comando técnico dos miúdos do Seixal. E mais, neste ano, na partida contra o Galatasaray, em Istambul, pela Liga Europa (14/02/19), o Benfica teve seis (Rúben Dias, Ferro, Yuri Ribeiro, Florentino Luís, Gedson e João Félix) dos onze iniciais oriundos da base.

Se, nos últimos dez anos, o Benfica estabeleceu uma verdadeira hegemonia no futebol português, com a conquista de seis dos dez títulos nacionais disputados, devemos acompanhar atentamente o que está por vir nos próximos anos caso o bom trabalho com os jovens tenha prosseguimento. É um clube no qual é bom ficar de olho, com certeza.

……….

Igor Serrano é advogado, pós-graduado em Direito Desportivo pela Universidade Cândido Mendes, defensor dativo do Tribunal de Justiça Desportiva Antidopagem, criador e editor do selo Drible de Letra e autor do livro “O racismo no futebol brasileiro”.

Compartilhe

Share on whatsapp
Share on telegram
Share on twitter
Share on facebook
Share on linkedin
Share on email

Últimas Notícias

Colunas

Seções

Assine nossa newsletter

Toda sexta você receberá no seu e-mail os destaques da semana e as novidades do mundo do direito esportivo.