Qual a diferença entre liga e federação?

Por Renan Lopes Martins

Certamente o leitor já deve ter ouvido no termo “liga”, seja pela tentativa frustrada com a Primeira Liga (tentativa de reedição da antiga Copa Sul-Minas) ou pela Copa do Nordeste, liga criada pelos clubes do nordeste com chancela da Confederação Brasileira de Futebol (CBF).

Mas o que é uma liga? Qual a diferença de uma liga para uma federação ou confederação?

Pois bem, tentaremos responder essas perguntas de forma bem didática e objetiva a seguir.

A liga é uma competição organizada exclusivamente por clubes, ou seja, sem interferência de um terceiro, como por exemplo, a própria CBF.

Enquanto os campeonatos organizados por uma federação (ex. FPF, FCF, FERJ, etc.) ou confederação (CBF, p.ex.) não são construídos pelos clubes, mas sim pelas próprias federações e confederações, que impõem regras para admitir novos clubes, e estes devem respeitar a hierarquia ali exigida, as ligas são criadas pelos próprios clubes e não há hierarquia entre os filiados da liga, e na maioria das vezes, nem mesmo o sistema de acesso e rebaixamento (o que é conhecido como TOP DOWN).

Veja, o Campeonato Paulista, a título de exemplo, é organizado pela Federação Paulista de Futebol. É ela quem impõe as regras e regulamentos, como o Regulamento Geral das Competições e o Regulamento Específico de uma Competição. Assim como também a Confederação Brasileira de Futebol, quando organiza o Campeonato Brasileiro.

É um sistema hierárquico, chamado de sistema piramidal. Ou seja, a Federação Paulista organiza os campeonatos em seu estado (São Paulo) e obedece às regras de um ente maior, qual seja, a Confederação Brasileira de Futebol, que organiza os campeonatos em um sistema nacional (Brasil).

Já no sistema de ligas, não há uma entidade terceira organizando o campeonato (chamada de entidade de administração do desporto). Ela é a própria entidade de administração do desporto (art. 20, § 6º, Lei Pelé).

Geralmente, no sistema de ligas, como são formadas por entidades (leia-se clubes) com interesses comuns, não há imposição do sistema de acesso e rebaixamento (à exceção do futebol).

Então os clubes que desejam formar uma liga se reúnem e se filiam a esse sistema, sendo a liga formada pelos próprios clubes (art. 20, Lei Pelé), diferente do que acontece no sistema de federação.

No Brasil ainda não vingou o sistema de ligas, pelo menos no futebol.

Isso porque os exemplos citados logo no início deste artigo não são casos de sucesso – pelo menos é o que podemos afirmar da Primeira Liga.

A Primeira Liga foi uma tentativa de reedição da antiga Copa Sul-Minas, extinta em 2002.

Não deu certo por várias razões: primeiro porque foi feita às pressas, movida também pelos ideais de transparência e melhores benefícios ao clubes, já que o ano de sua criação, 2015, foi o ano do Fifagate, ocasião em que foram divulgados casos de corrupção no futebol, com prisão de diversos dirigentes.¹

Segundo, porque tal liga não teve a chancela da CBF, como foi o caso da Copa do Nordeste.

A verdade é que os clubes estavam insatisfeitos com a forma de organização do futebol, tanto pela CBF, como pelas federações regionais, e movidos pelas ideias de conseguir melhores benefícios aos clubes (seja de distribuição de cotas de TV ou de receitas de jogo), decidiram criar a Primeira Liga.

Resumidamente, a Primeira Liga teve apenas duas edições: 2016 e 2017. Na primeira o campeão foi o Fluminense, e em 2017, o Londrina.

Por falta de espaço no calendário, por falta de chancela da CBF, por discussões políticas e financeiras, dentre outras questões, a Primeira Liga foi anunciada como extinta, em 25 de junho de 2019.

A Copa do Nordeste existe até hoje, pois foi criada no século anterior pelos clubes e depois a sua organização passou para as mãos da Confederação Brasileira de Futebol, inclusive dando vaga à Copa Sul-Americana.

É bem verdade que nenhuma liga precisa se sujeitar a qualquer federação ou confederação, já que, pelo princípio da autonomia esportiva (art. 217, I, Constituição Federal Brasileira) e pelas disposições da própria Lei Pelé (art. 20, § 5º), nenhuma organização pública ou privada é “dona” de qualquer modalidade esportiva.

Mas é uma questão lógica. Se a CBF é a única reconhecida no Brasil como representante do futebol brasileiro (inclusive membro filiada da FIFA) e as federações regionais obedecem às disposições da CBF e, por conseguinte, os clubes que jogam tanto as competições da CBF e das Federações dependem de suas receitas e da sua organização, como irão abdicar de tais prerrogativas para criar uma liga “clandestina”?

É necessário um acordo entre CBF e clubes para que a primeira fique apenas com a parte burocrática e de organização das seleções brasileiras de futebol e que os clubes fiquem com as organizações dos campeonatos, por meio da criação de uma liga, assim como ocorre em outros países.

Na Espanha, por exemplo, a Real Federação Espanhola de Futebol (RFEF) cuida da Seleção Espanhola e da Copa do Rei, apenas, e a La Liga cuida do Campeonato Espanhol, com distribuição de receitas entre os clubes, inclusive com a profissionalização da gestão – por exemplo, o cargo de CEO para cuidar da liga e dos interesses dos clubes.

Isso também ocorre em países como França, Portugal e Inglaterra, com estilo parecido com o que acontece na Espanha.

Enfim, após explicarmos o conceito de liga, as diferenças entre o sistema de liga (filiação de clubes com interesses em comum) e o sistema de federação (subordinação dos clubes aos interesses da federação, com sistema de acesso e rebaixamento) e os casos práticos no Brasil e no mundo, esperamos que o leitor tenha gostado e entendido o que foi passado neste artigo.

Se os clubes brasileiros desejam criar uma liga, certamente tal decisão terá que ser bem pensada e em conjunto com a Confederação Brasileira de Futebol, evitando o exemplo de insucesso que foi a Primeira Liga nos anos de 2016 e 2017.

……….

Referências:

¹Jennings, Andrew. Um jogo cada vez mais sujo / Andrew Jennings; tradução Renato Marques de Oliveira. – 1. Ed. – São Paulo: Panda Books, 2014. 240 pp.

Art. 217. É dever do Estado fomentar práticas desportivas formais e não-formais, como direito de cada um, observados:

I – a autonomia das entidades desportivas dirigentes e associações, quanto a sua organização e funcionamento;

Art. 20, Lei nº 9.615/98. As entidades de prática desportiva participantes de competições do Sistema Nacional do Desporto poderão organizar ligas regionais ou nacionais.           (Regulamento)

  • 5oÉ vedada qualquer intervenção das entidades de administração do desporto nas ligas que se mantiverem independentes.
  • 6oAs ligas formadas por entidades de prática desportiva envolvidas em competições de atletas profissionais equiparam-se, para fins do cumprimento do disposto nesta Lei, às entidades de administração do desporto.                   (Incluído pela Lei nº 10.672, de 2003)

……….

Renan Lopes Martins é advogado, especialista em Direito Desportivo, com pós-graduação no Instituto Ibero Americano de Derecho Deportivo. Advoga para intermediários e atletas. É fundador do projeto Entenda o Esporte, plataforma digital que explica conceitos jurídicos ligados ao esporte de forma didática e objetiva (@entendaoesporte, no Instagram).

Compartilhe

Share on whatsapp
Share on telegram
Share on twitter
Share on facebook
Share on linkedin
Share on email

Últimas Notícias

Colunas

Seções

Assine nossa newsletter

Toda sexta você receberá no seu e-mail os destaques da semana e as novidades do mundo do direito esportivo.