Quem pode julgar disputas trabalhistas entre jogadores e clubes de futebol? Visão comparativa entre Brasil e Espanha

Pedro Vitor Barros

Advogado de Cuatrecasas

Ruben Agote

Sócio de Cuatrecasas

É comum acompanharmos pela imprensa litígios trabalhistas envolvendo jogadores de futebol e seus respectivos clubes. Nem sempre é fácil identificar qual será o órgão responsável por dirimir tais controvérsias, ou seja, que autoridade decidirá qual parte tem razão em uma determinada disputa.

Na maioria das vezes tais demandas são submetidas à justiça estatal do país onde o atleta presta seus serviços, de modo que um juiz estatal é quem jugará o processo. No caso do Brasil, tais conflitos são de competência dos juízes de 1ª instância da Justiça do Trabalho. Na Espanha a competência é de um órgão análogo, dos Juzgados de lo Social.

Por outro lado, existem casos nos quais o litígio de natureza trabalhista entre clube e atleta é solucionado por meio de um procedimento arbitral. A grosso modo, a arbitragem é um método alternativo de solução de conflitos, mediante o qual as partes elegem um terceiro independente (o árbitro ou árbitros) para que ele seja responsável por decidir o conflito. Em outros termos, as partes abrem mão de submeter a causa a um juiz estatal, optando por “delegar” tal tarefa a um particular.

O Regulamento da FIFA que versa sobre status e transferências de jogadores (Regulations on the Status and Transfer of Players) reconhece a possibilidade de que jogadores e clubes submetam os litígios oriundos de sua relação trabalhista à arbitragem.

No Brasil a utilização da arbitragem para dirimir conflitos de natureza trabalhista historicamente foi vista com ressalvas. Nesse sentido, frequentemente os juízes trabalhistas descartavam a aplicação da arbitragem em uma controvérsia existente entre um jogador profissional e seu clube. Desse modo, o litígio acabava sendo julgado pela Justiça Trabalhista, a despeito das partes terem acordado por escrito que as disputam entre elas seriam resolvidas pela via da arbitragem.

Com o advento da reforma trabalhista, Lei nº 13.467, de 13.7.2017, a legislação brasileira passou a reconhecer expressamente a possibilidade de submissão das controvérsias individuais trabalhistas à arbitragem. Nesse contexto, é cada vez mais frequente que, em contratos que contém uma cláusula de arbitragem (i.e. cláusula arbitral), a Justiça Trabalhista brasileira reconheça que não é competente para julgar tais causas, de modo que clube e atleta devem socorrer-se de um procedimento arbitral para obter uma solução para sua disputa.

Este ambiente jurídico vêm fortalecendo a importância de determinadas câmaras arbitrais, sobretudo a Câmara Nacional de Resolução de Disputas da CBF, na função de pacificar controvérsias trabalhistas entre clubes e atletas, garantindo maior segurança jurídica ao futebol brasileiro.

Já na Espanha o cenário é diferente: um litígio individual de natureza trabalhista somente poderá ser solucionado por um procedimento arbitral caso as partes optem por tal vía após o nascimento da controvérsia. Em outros termos, apenas é cabível uma arbitragem para decidir sobre uma disputa entre clube e jogador caso, após ter surgido o conflito, as partes concordem por escrito que tal “briga” será decidida por uma arbitragem.

Na prática isto significa que é ineficaz uma cláusula arbitral inserta em um contrato de trabalho entre um atleta e um clube espanhol.

Este assunto evidencia importantes diferenças jurídicas que podem existir entre países com relação às normas aplicáveis a uma relação trabalhista de uma atleta profissional. Nesse sentido, em casos de transferências internacionais, os atletas e seus representantes devem estar atentos à legislação do país de destino, de modo que possam negociar melhores condições para seu futuro contrato de trabalho e, assim, evitar surpresas desagradáveis.

Nos siga nas redes sociais: @leiemcampo

Compartilhe

Share on whatsapp
Share on telegram
Share on twitter
Share on facebook
Share on linkedin
Share on email

Últimas Notícias

Colunas

Seções

Assine nossa newsletter

Toda sexta você receberá no seu e-mail os destaques da semana e as novidades do mundo do direito esportivo.