Quem xinga o árbitro em uma partida ofende o esporte

Antes de começar, é preciso ressaltar: o “quem” que uso no título são os submetidos à Justiça Desportiva; o que não inclui o torcedor. Na semana passada falei sobre o papel do torcedor na Justiça Desportiva, veja aqui.

Feita a ressalva, vamos ao tópico de hoje. É comum que agressões verbais sejam feitas aos membros da equipe de arbitragem durante uma partida. E também é comum que tais xingamentos saiam das quatro linhas e cheguem aos tribunais desportivos. É que o Código Brasileiro de Justiça Desportiva (CBJD) tipifica, no artigo 243-F, a ofensa a honra  – não apenas à da equipe de arbitragem – por fato relacionado diretamente ao desporto.

Mas, ainda que o artigo diga, em sua literalidade, “ofender alguém em sua honra”, o bem jurídico tutelado (não apenas neste artigo, mas pelo CBJD) não é somente a pessoa a quem a ofensa é dirigida, mas o esporte em si, ou, mais precisamente, à Ética Desportiva, que é o bem jurídico que a própria norma aponta como o indicado.

Ocorre que os tribunais tem deixado de punir aquele que pratica a ofensa à honra por entender que se trata de bem jurídico personalíssimo, ou seja, o entendimento é de que, para caracterizar a infração do 243-F, o árbitro (ou qualquer outro ofendido) deve relatar em súmula ou comparecer à sessão de julgamento e expressar que se sentiu pessoalmente ofendido. Caso contrário, não há punição.

Mas observe que quando alguém diz, por exemplo, que o árbitro foi comprado para favorecer uma das equipes, está dizendo que aquele jogo, que aquele campeonato está manchado. Esta situação transcende, e muito, a questão da honra subjetiva.

Se é verdade que o árbitro está comprado, não há mais a incerteza do resultado. Quem está no esporte (praticando, trabalhando, assistindo, promovendo) espera que não haja qualquer interferência que o torne, de alguma maneira, previsível ou que furte o elemento da aleatoriedade.

A manipulação de resultados é um problema capaz de levar a indústria do esporte à falência com a perda de credibilidade. Veja que, se a acusação de que o árbitro foi comprado é verdadeira, o esporte em si está ameaçado. A acusação é grave; o Código prevê a punição a aquele que a praticou porque houve ofensa ao esporte.

Não é dizer que não houve a ofensa à pessoa do árbitro. Sim, houve. Mas a Justiça Desportiva não foi pensada para defender a honrada pessoa natural a quem o xingamento é dirigido, mas à instituição esporte.

Ainda que a ofensa não diga respeito a uma acusação de manipulação de resultado, estará quebrada a disciplina, fragilizada a autoridade de que a equipe de arbitragem deve estar investida.

Uma análise sistemática do o artigo 243-F, e a rigor do próprio Código, nos permite chegar a esta conclusão. Observe o texto do artigo:

Art. 243-F. Ofender alguém em sua honra, por fato relacionado diretamente ao desporto.

PENA: multa, de R$ 100,00 a R$ 100.000,00, e suspensão de uma a seis partidas, provas ou equivalentes, se praticada por atleta, mesmo se suplente, treinador, médico ou membro da comissão técnica, e suspensão pelo prazo de quinze a noventa dias, se praticada por qualquer outra pessoa natural submetida a este Código.

1º Se a ação for praticada por atleta, mesmo se suplente, treinador, médico ou membro da comissão técnica, contra árbitros, assistentes ou demais membros de equipe de arbitragem, a pena mínima será de suspensão por quatro partidas.

2º Para todos os efeitos, o árbitro e seus auxiliares são considerados em função desde a escalação até o término do prazo fixado para a entrega dos documentos da competição na entidade.

O legislador fez questão de estabelecer, no § 1º uma punição maior ao aleta treinador, médico ou membro da comissão técnica, contra um membro da comissão de arbitragem.

Ora, fosse a honra subjetiva o bem jurídico tutelado pelo artigo, não haveria a necessidade de estabelecer a penalidade maior a determinado grupo de pessoas, já que honra subjetiva é atingida se a ofensa é praticada por qualquer um, independentemente de ser aleta, treinador, médico ou membro da comissão técnica.

Além disso, só faz sentido que a honra da equipe de arbitragem seja especialmente protegida dos ataques daqueles especificados no § 1º em razão da disciplina que deve guiar seu contato direito com os responsáveis pelas decisões em campo.

Dito de outro modo, se o objetivo fosse proteger os árbitros, a pena seria mais grave se qualquer um os xingasse. Se fosse evitar ofensas proferidas pelas pessoas mencionadas, a pena seria aumentada qualquer que fosse o destinatário.

A dupla condição para a aplicação do §1º deixa inequívoco que o objeto de proteção é a relação entre eles, ou seja, a disciplina esportiva e até mesmo o equilíbrio da equipe durante a partida.

Ademais, o § 2º estabelece o momento em que a comissão de arbitragem é considerada em função (ou seja, fora do período estabelecido, não se considera como conduta praticada contra árbitro). A penalidade maior está ligada a uma reprovabilidade maior, que está ligada à lesão ao bem jurídico tutelado.

Destaco ainda que não somente o artigo 243-F, mas todos os artigos do CBJD que tipificam uma prática punível o fazem porque aquela prática, de alguma forma, prejudica o esporte, a competição desportiva.

Se o atleta pratica uma agressão física (artigo 254-A), ele está, além de atingir fisicamente o colega de trabalho, prejudicando o bom andamento da partida e do campeonato. O mesmo ocorre se o clube inclui na equipe um atleta irregular (artigo 214), se deixa de tomar providências capazes de prevenir e reprimir desordem, invasão e lançamentos de objetos no campo (artigo 213), se o árbitro omite-se no dever de prevenir ou de coibir violência ou animosidade entre os atletas (artigo 260).

Todos estes exemplos são práticas puníveis pela Justiça Desportiva por serem consideradas práticas que ameaçam o esporte e a competição esportiva, ainda que, também, atinjam bens jurídicos puníveis e outra esfera.

Não apenas a Justiça Desportiva foi pensada para defender a instituição, ressalta-se; isto é observado sobre qualquer justiça de natureza disciplinar. Antônio Carvalho, numa releitura da doutrina lusitana sobre o tema, ensina que “o fundamento do poder disciplinar reside na necessidade de qualquer organização de possuir uma organização interna que lhe permita prosseguir seus fins (…) para o que dispõe do poder de sancionar aqueles seus elementos que perturbem o bom funcionamento da organização prejudicando seus objetivos[1]”.

Tudo isto posto, portanto, não há que se falar em absolvição de quem ofende alguém em sua honra caso o ofendido não se declare como tal em súmula ou durante a sessão de julgamento. A exigência desta declaração extrapola o que exige a própria norma, já que a defesa da honra na Justiça Desportiva está ligada diretamente à tutela do esporte, não simplesmente à honra subjetiva do destinatário dos impropérios.

……….

[1] CARVALHO, Antônio Carlos Alencar. Manual de Processo Administrativo Disciplinar e Sindicância. Editora Fórum. 4ª Edição. Belo Horizonte. 2014.

……….

Escrito em colaboração com Tiago Cardoso Penna.

Compartilhe

Share on whatsapp
Share on telegram
Share on twitter
Share on facebook
Share on linkedin
Share on email

Últimas Notícias

Colunas

Seções

Assine nossa newsletter

Toda sexta você receberá no seu e-mail os destaques da semana e as novidades do mundo do direito esportivo.