Reflexões sobre o futebol pós-Brexit

Por Luiza Rosa Moreira de Castilho e Marina Rosa Moreira de Castilho

Com o recente término da Eurocopa, a final em solo britânico e um empate entre Inglaterra e Escócia no início da competição, algumas das principais fontes internacionais voltaram a valorizar a antiga rivalidade, que ultrapassa os gramados e chega às urnas. Um grande exemplo é o referendo de saída do Reino Unido da União Europeia, em que a maioria dos escoceses votou pela permanência, em oposição a escolha dos ingleses.

A despeito da importância dessa disputa, alguns reflexos do Brexit podem ser sentidos em outros aspectos do esporte. As transferências de jogadores, os patrocínios e as transmissões são prismas significativos quando se abordam essas mudanças, e é nesse sentido que se faz necessário entender como tudo se desencadeou.

A história começa quando os Estados europeus definiram, após a Segunda Guerra, que a integração poderia ser uma espécie de prevenção a novas guerras no continente. A medida se estendeu para grande parte dos setores dos países compreendidos, porém o Reino Unido sempre possuía ressalvas às questões discutidas pelo bloco.

Embora esse movimento britânico tenha sido construído ao longo do tempo, desde antes de Margaret Thatcher, com o “euroceticismo”, passando pelo United Kingdom Independence Party (UKIP) e o governo trabalhista de Tony Blair, foi na liderança de David Cameron que o referendo tomou lugar.

Desde o resultado que aprovou a saída do Reino Unido da União Europeia, que – diga-se de passagem – não agradou o então primeiro-ministro, os entraves políticos aumentaram e o momento pós-referendo não tem sido fácil. As transações com a União Europeia se tornaram mais complexas e dificultosas, atingindo diversos setores da indústria britânica e, consequentemente, o futebol.

Afetada pela incerteza financeira em consequência da pandemia, a tranquilidade na janela de transferências de inverno demonstrou a sutileza no desenvolvimento das implicações decorrentes do Brexit.

Mas a monotonia é uma tendência que não deve durar muito. Com a nova janela de transferências aberta, e a volta (ainda que a lentos passos) à normalidade do esporte no continente, o mercado deve retornar as atividades prontamente. No entanto, os atletas terão que atender a critérios muito específicos previstos no sistema de pontos criado pela Football Association em conjunto com a Premier League e a English Football League.

Nesta senda, vale lembrar da vitória no caso Bosman, que revolucionou o futebol – não só europeu, mas em todo o mundo -, deixando livre a circulação dos atletas por toda a Europa. Hoje, algumas das principais fontes internacionais especulam a violação daquela decisão, ante a necessidade dessa autorização de trabalho baseada nos Government Body Endorsements.

As novas regras alteram o tratamento de atletas vindos da União Europeia, reconhecendo o formato de negociação que ocorre com qualquer outro jogador do mundo. Para que haja mais facilidade, por assim dizer, para efetivar uma contratação e entrar no país, o histórico do atleta é levado em conta de maneira mais rígida do que de costume. Os jogadores e jogadoras não são avaliados apenas pelo talento. De acordo com o GBE, eles devem acumular uma quantidade de pontos (em princípio, quinze), que seguem critérios de apresentações internacionais, qualidade dos clubes anteriores e tempo de presença em campo.

Além disso, o art. 19 do RSTP da FIFA, que dispõe sobre a proteção de atletas jovens, firma a proibição de transferências internacionais nos casos de jogadores menores de 18 anos. Em seguida, o dispositivo prevê cinco exceções à regra, dentre as quais se realça a transferência que ocorre no território da União Europeia, ou no Espaço Econômico Europeu. À vista disso, os clubes ingleses não estão aptos a contratar jogadores menores de 18 anos, além do limite de contratação de, no máximo, 6 atletas menores de 21 anos. Entende-se que essa situação pode levar a uma maior valorização de jovens atletas britânicos, tendo em vista que os olhos se voltam para os cidadãos nacionais.

Por outro lado, não se descarta a hipótese mascarada de transferências-ponte de atletas europeus, de origem não-britânica, com a finalidade de garantir a pontuação necessária, quando a negociação for permitida em razão da idade. Ponto este que merece ênfase, já que é possível conjecturar a chance de alguns clubes tentarem contornar a regra. De maneira a realizar a contratação e o empréstimo subsequente, para que o atleta envolvido tenha a oportunidade de elevar sua somatória de pontos até a futura entrada no Reino Unido.

Pois bem, de acordo com o art. 5bis do RSTP, uma transferência-ponte pode ser configurada quando um mesmo atleta possuir duas transferências consecutivas, dentro de um período de 16 semanas, com o fito de fraudar entidades ou evitar a aplicação de regulamentos. É evidente que, na prática, a FIFA apreciará com cautela os casos passíveis de repreensão por essa espécie de afronta ao regulamento, ainda que no cenário apresentado, a transferência possa ser concluída fora do período mínimo.

Nitidamente, não se sabe se tais suposições por certo acontecerão, tampouco quais serão os ambientes da administração afetados por sua consequência. Fato é que esse quadro geral pós-Brexit poderá tardar em se ajustar ao contexto real, gerando cada vez mais impactos ao redor do esporte.

Imagina-se que, após o fechamento da janela de verão, a franqueza nos resultados das transferências esclarecerá a necessidade de criação de outros mecanismos, como acordos internacionais – por exemplo –, para manter o mercado da bola agitado. Ainda assim, se as atuais medidas aventadas trarão um desfecho vultuoso para o futebol inglês, só o tempo dirá.

Crédito imagem: Getty Images

Nos siga nas redes sociais: @leiemcampo

Compartilhe

Share on whatsapp
Share on telegram
Share on twitter
Share on facebook
Share on linkedin
Share on email

Últimas Notícias

Colunas

Seções

Assine nossa newsletter

Toda sexta você receberá no seu e-mail os destaques da semana e as novidades do mundo do direito esportivo.