SAF não é trapaça

Por Juliana Biolchi

À medida em que progridem os projetos de Sociedade Anônima do Futebol, e que os clubes começam a lançar mão dos meios legais de renegociação de seus passivos (regime centralizado de execuções, recuperação extrajudicial ou recuperação judicial), os impactados pelo alongamento da dívida passam a manifestar o seu descontentamento, ainda mais quando a nova engenharia do débito decorre de uma imposição legal (caso do RCE, cuja forma de pagamento é pré-estabelecida em lei), sem, portanto, negociação.

Nesse cenário, vemos renascer o estereótipo, acalentado pelo senso comum, de que devedor em crise é alguém que busca obter vantagem patrimonial em detrimento de seus credores. Em palavras simples: um vigarista.

Trata-se de um arquétipo completamente descontextualizado, que precisa ser discutido e reformulado. Essa tendência confunde inadimplemento com fraude e acaba criminalizando o Clube em dificuldade (e seus dirigentes). E isso prejudica o resultado útil dos processos — judiciais ou extrajudiciais — de reestruturação, erguendo paredes onde deveriam existir pontes.

Para desconstruir a fábula, é preciso entender o sentido da crise na vida da organização. Assim como no caso da pessoa física, a pessoa jurídica também nasce, tem sua própria vida e, em algum momento, enfrentará a morte. Para vencer as ameaças à sua perenidade e garantir a continuidade, é imprescindível tomar atitudes. Elas são determinadas, entre outros aspectos, pelo sistema de valores dos indivíduos — e é nesse ponto que a cultura estereotipada em torno do devedor em crise limita o diálogo.

Em caminho contrário, se as partes interessadas forem capazes de reconhecer as oportunidades na crise e de agirem em cooperação para superar dificuldades, a atividade futebolística viável se manterá, e esse é o interesse comum entre clubes e seus credores.

Se a cultura criminalizadora é obstáculo, a negociação é o caminho para a busca da harmonização entre as partes (ainda que não seja obrigatória). Ora, o clube pode optar pelo RCE, sim, e não precisa negociar com credores, do que resultará o alongamento da dívida sem legitimidade. Mas, em outro sentido, pode partir para estruturas dialogadas, como a recuperação extrajudicial, e reconstruir a relação com as pessoas que, um dia, estiveram em seus quadros e fizeram sua história.

O sistema legal criado para salvar clubes viáveis, no qual a SAF é um dos pontos centrais, deveria disparar o gatilho da colaboração, funcionando como palco para a construção de um novo paradigma e uma nova capacidade de resposta às ameaças que assombram os clubes. Se os envolvidos incentivaram a cooperação, reforçando o fair play com transparência e simetria informacional, o resultado virá a bem de todos, desonerando o Poder Judiciário e tornando o sistema de insolvência do futebol ainda mais eficiente.

Nos siga nas redes sociais: @leiemcampo


Juliana Biolchi é diretora geral da Biolchi Empresarial. Mestre em direito e especializada em revitalização de empresas, negociações complexas e recuperação extrajudicial.

Compartilhe

Share on whatsapp
Share on telegram
Share on twitter
Share on facebook
Share on linkedin
Share on email

Últimas Notícias

Colunas

Seções

Assine nossa newsletter

Toda sexta você receberá no seu e-mail os destaques da semana e as novidades do mundo do direito esportivo.