Saudades do que a gente não viveu

Por Tom Assmar

Durante os anos recentes que precederam a pandemia de Covid-19, o mundo das nações mais desenvolvidas viveu uma conjunção benigna de baixa inflação e forte crescimento econômico. Mudanças na pirâmide demográfica, a consolidação de redes internacionais de suprimentos e consumo trazidas pela globalização, fortes investimentos em educação e o aumento nos índices de produtividade e eficiência dos processos produtivos trazidos pelo uso intensivo de tecnologia criaram condições macroeconômicas que possibilitaram a esses países conviverem por muitos anos com baixíssimas taxas de juros (em alguns casos com taxas negativas de juros reais). Como consequência, um crescente volume de capital passou a investir globalmente em novas oportunidades de negócios que tivessem retornos mais atrativos do que os obtidos no mercado financeiro, descobrindo em pouco tempo o imenso potencial presente nos mais diversos segmentos esportivos. O dinheiro piscou, o esporte sorriu … deu match.

Para quem investe, uma série de fatores fez do futebol europeu um terreno fértil para receber generosos recursos de fundos norte-americanos, asiáticos e de países do oriente médio: governança centralizada em torno de ligas; mecanismos de controle financeiro flexíveis (em alguns casos até demais, favorecendo práticas de sportswashing); regulamentação estável e segurança jurídica favorável ao surgimento e desenvolvimento de clubes empresa com atuação e marcas globais; torcedores com maior renda disponível para consumir produtos licenciados e um aumento vigoroso nas receitas de direitos de transmissão. Dado ao que aconteceu por aqui nesse mesmo período, é fácil perceber por que esses investidores trataram o mercado brasileiro com desinteresse e desconfiança, e fizeram nosso futebol ficar ainda mais distante do que é praticado dentro e fora de campo no velho continente.

Para quem torce, tanto dinheiro transformou o que uma vez foi apenas um esporte em uma indústria bilionária do entretenimento, marcada pela obsessão em potencializar a experiência do torcedor em consumir ao se divertir. Tudo passou a girar em torno de oferecer um grande evento atraente ao público internacional: aumento da segurança com a punição a clubes e torcedores que promovam qualquer tipo de violência; estímulo à diversidade, respeito e tolerância; reforma dos estádios para incorporar elementos de ambientação que potencializam a experiência do jogo; oferta de conteúdo proprietário e exclusivo ligado à imagem de clubes e jogadores; calendário unificado entre as principais ligas e um crescente uso de tecnologias de interação e transmissão das partidas. O jogo virou apenas uma parte do espetáculo, e aqueles que não entenderam o que estava acontecendo ficaram pelo caminho. É sempre assim … a história oficial sempre será contada pelos vencedores.

No ultra competitivo mercado mundial do turismo, há muito trabalho e inteligência envolvidos na capacidade de transformar um recurso em um produto. Cachoeiras, praias, cidades, florestas, comidas, teatros ou estádios são recursos turísticos. Existem em vários lugares do mundo e podem ser mais ou menos atrativos, mas só irão gerar riqueza e desenvolvimento sustentável quando forem transformados em produtos turísticos ao terem posicionamento, embalagem, promoção e comercialização adequadas. Essa transformação não é simples, leva tempo e exige conhecimento, investimento e gestão profissional. Mas é isso que explica por que em 2019 o Brasil recebeu 6,3 milhões de turistas estrangeiros, enquanto a Espanha recebeu 84 milhões.

Em vários indicadores que medem o avanço de um país, nós estamos ficando para trás. Temos sistematicamente perdido posições nos rankings internacionais de educação (PISA), transparência e acesso à informação (Repórteres sem Fronteira), corrupção (Transparência Internacional) e competitividade econômica (IMD). Em todos eles, não apenas nossa posição é ruim como ainda por cima nossa progressão é negativa, com piora nas notas absolutas e perda de posições no ranking ao longo do tempo.

No futebol, esse movimento não é diferente. A despeito de nossa seleção estar em 2º lugar no ranking da FIFA e nossos jogadores terem papeis relevantes nos clubes mais ricos e poderosos, nossos times têm pouquíssima relevância e competitividade internacional. Nosso campeonato é visto fora do Brasil apenas por brasileiros. Os clubes, torcedores e investidores internacionais não se interessam pelos nossos jogos, apenas pelos nossos jogadores. Assim como no turismo, temos recursos ricos e produtos pobres. Continuamos à margem da riqueza criada no mundo, fechados em nós mesmos e ainda distantes e irrelevantes para o capital global. Quanto potencial desperdiçado … que saudade do que a gente ainda não viveu.

Igual eu preciso dele, na minha vida, mas quanto mais eu vou atras mais ele pisa,

então já que é assim, se por ele eu sofro sem pausa, quem quiser me amar, também vai sofrer nessa bagaça …

Quem eu quero não me quer, quem me quer não vou querer, ninguém vai sofrer sozinho, todo mundo vai sofrer.

Todo Mundo Vai Sofrer – Marília Mendonça

Ah futebol brasileiro, quanta sofrência, quanta ingratidão … como você me trata mal… como eu queria que tudo fosse diferente. Será que um dia seremos o que poderíamos ter sido ? Queria muito achar que sim, mas me oferecendo um produto de tão baixa qualidade só minha paixão de torcedor pode explicar por que ainda tenho esperança e te dou atenção. Sua sorte é que a paixão cega e nos tira a capacidade de perceber os fatos e agir sobre a realidade. Afinal, quem nunca se apaixonou por algo (ou alguém) que lhe faça mal ? Faz parte da vida … e como todo apaixonado, olho para a bola dos nossos gramados e digo pra ela que eu sou facinho facinho, todo seu de corpo e alma, que ela me tem quando quiser, que basta ganhar jogando bem que eu enlouqueço e perco o juízo, e que tudo que eu queria era que nosso amor não tivesse sofrimento. Mas ela ignora minha cantada e continua a rolar sem prestar atenção em mim, tão segura da sua beleza que não percebe que já não está mais sozinha na minha vida. Tudo bem … amar e sofrer andam mesmo juntos, e mesmo mal tratado ainda não sou capaz de te abandonar. Meu coração de torcedor já se acostumou com sua indiferença. Mas percebo que minha mente e meu bolso não estão felizes e já começam a querer brigar comigo. Quem sabe um dia eles me acordem dessa loucura e procurem me compensar com outras paixões. Só o tempo dirá …

Crédito imagem: Getty Images

Nos siga nas redes sociais: @leiemcampo


fTom Assmar tem graduação e mestrado em Administração, e atua há mais de 25 anos com gestão, planejamento e finanças. Acredita que o futuro do nosso futebol passa necessariamente pela formatação de um produto que atenda aos interesses coletivos e pela qualificação da gestão dos clubes. É sócio do Futebol S/A.

Compartilhe

Share on whatsapp
Share on telegram
Share on twitter
Share on facebook
Share on linkedin
Share on email

Últimas Notícias

Colunas

Seções

Assine nossa newsletter

Toda sexta você receberá no seu e-mail os destaques da semana e as novidades do mundo do direito esportivo.