Três “Red Bulls” e um único time

Por Luciano Motta

Já não é novidade que o clube-empresa seja a temática mais discutida no futebol brasileiro e assim o será por algum tempo. Recentemente, o caso Red Bull e Bragantino ganhou as principais manchetes. Contudo, afinal de contas, o que efetivamente ocorreu? O Bragantino é um clube-empresa? O Red Bull é um clube-empresa? São vários clubes-empresas em um só? Quem comprou e quem vendeu?

Definitivamente, a situação é complexa. As operações societárias podem dar nó, mesmo em especialistas, quem dirá no torcedor, este, principal e legítimo interessado. Irei tentar esclarecer, em poucas palavras e didaticamente, o que efetivamente ocorreu e está a ocorrer, pelo menos com os dados que se têm até o momento.

O Clube Atlético Bragantino (a seguir, Bragantino) é um tradicional clube do interior paulista, constituído sob a forma de associação, em 1928. Por vezes chegou a disputar a Série A do Campeonato Brasileiro, contudo, somente em 2018 conseguiu regressar para a Série B da competição nacional.

Por outro lado, o Red Bull Futebol e Entretenimento Ltda. (a seguir, Red Bull Brasil) foi um clube-empresa criado sob a forma de sociedade limitada em novembro de 2007. Por detrás, em alusão ao nome, estava a poderosa e mundialmente conhecida empresa austríaca Red Bull.

Conhecido entre os torcedores por Red Bull Brasil, o clube-empresa chegou à elite do campeonato paulista. Entretanto, no âmbito nacional não consegui o mesmo sucesso, nunca tendo passado da Série D do campeonato nacional.

O destino desses dois clubes se cruzou em 2018, quando em uma operação ainda não totalmente trazida à luz, diante do evidente sigilo que lhes é de direito, ambos estabeleceram uma “parceria”. Em síntese, o Bragantino se aproveitaria da estrutura do Red Bull (atletas, comissão técnica, gestão, etc.), e, em contrapartida, o Red Bull Brasil se aproveitaria da licença desportiva do Bragantino.

Dessa forma, as duas equipes sairiam “ganhando”: o Bragantino, enquanto associação, teria uma equipe mais competitiva e gestão profissional; e a “estrutura” Red Bull Brasil passaria a ter direito a disputar a Série B do Campeonato Nacional no ano de 2019. Pelo menos é dessa forma que comumente se interpreta.

Portanto, as duas equipes, associação (Bragantino) e clube-empresa (Red Bull Brasil), continuaram a existir de forma independente. Em um primeiro momento essa operação pode parecer estranha, mas é utilizada com certa frequência em países latino-americanos e, de maneira excepcional, na Europa, se materializando no mundo jurídico sob a forma de um contrato, geralmente denso e complexo, que pactua os termos das relações entre os dois clubes.

Evidência da coexistência dessas duas agremiações foi o Campeonato Paulista Série A1 de 2020. As duas equipes estavam desportivamente habilitadas para disputar a competição. Todavia, dois clubes, sob a mesma administração (direta/indireta) ou propriedade, não podem disputar a mesma competição, na mesma categoria.

Diversas soluções poderiam ser tomadas: o clube-empresa poderia ser vendido; a parceria desfeita; o clube-empresa poderia ser “encerrado”, enfim. Contudo, os investidores optaram por manter a operação do clube-empresa, abrindo mão de disputar a Série A1 e, automaticamente se inscrever na Série A2. Essa situação não é tão comum no futebol brasileiro, sendo habitual na Europa, principalmente nas competições nacionais, onde a “principal equipe” disputa o primeiro nível e a “equipe B”, o segundo nível (ex.: Real Madrid A/B, Benfica A/B, etc.).

Mas então, é correto afirmar que quem efetivamente disputou e foi campeão da Série B do Campeonato Brasileiro de 2019 foi o Bragantino, enquanto associação? Sim, exato. E, evidentemente, utilizando-se da “estrutura física” do Red Bull Brasil.

Concordo que os nomes e a situação fática podem embaralhar nossa cabeça. A partir do final de 2019, as nomenclaturas começaram a se misturar e a se confundir ainda mais, pois foi justamente nesse período que o Bragantino modificou sua denominação de “Clube Atlético Bragantino” para “Red Bull Bragantino”. Entretanto, continuou a ser uma associação.

Assim, a mesma estrutura se manteve, a saber: o clube associação (Red Bull Bragantino) e o clube-empresa (Red Bull Brasil).

Contudo, foi em março de 2020 que a situação se tornou mais complexa, quando surgiu uma terceira pessoa jurídica, o Red Bull Bragantino Futebol Ltda. Essa sociedade limitada, em verdade, trata-se de uma nova figura no Direito brasileiro, denominada Sociedade Limitada Unipessoal. A espécie societária foi instituída por meio da Lei nº 13.874/2019, que modificou o Código Civil em seu art. 1.052 e possibilitou a constituição de uma sociedade limitada por um único sócio. Atente-se que se assemelha, mas não se confunde com uma outra espécie, a EIRELI.

Com capital social de apenas R$ 100,00 a ser integralizado em 24 (vinte e quatro) meses, o único sócio do Red Bull Bragantino Futebol Ltda. é o Red Bull Bragantino (clube associação).

Pois é, finalmente chegamos às três pessoas jurídicas e um só clube. Em síntese, temos: (I) Red Bull Bragantino (associação); (II) Red Bull Brasil (clube-empresa); e (III) o Red Bull Bragantino Futebol Ltda., que, por hora, é tão simplesmente uma “empresa” (sociedade empresária) cujo único dono é o clube associação. Curiosamente, um outro ponto chama atenção, as mesmas pessoas são os administradores/diretores das três pessoas jurídicas.

Mas, afinal de contas, o time que está disputando o Campeonato Paulista Série A1 2020 é qual? É um clube-empresa ou uma associação? Tecnicamente, é o clube associação Red Bull Bragantino.

Operações societárias desse tipo, envolvendo diversas pessoas jurídicas e sócios são comuns no meio empresarial. É necessário destacar que não são ilegais, mas, não raro, são também utilizadas para camuflar ou obscurecer algumas situações.

O Direito Societário e o Direito Desportivo são, definitivamente, singulares e apaixonantes. Estamos a observar o embrião de um clube-empresa. Daqui para frente, diversas podem ser as possibilidades: fusão, cisão, inclusão de novos sócios, venda, compra, etc., e tudo dependerá da forma como a questão está a ser negociada e configurada. Resta saber se toda essa engenharia jurídica está sendo realizada de forma transparente e clara para os principais interessados, os torcedores. Caso contrário, como em diversos outros exemplos, lá na frente, serão, novamente, os principais prejudicados.

……….

Luciano Motta é mestre em Direito Empresarial e especialista em Direito Desportivo.

Compartilhe

Share on whatsapp
Share on telegram
Share on twitter
Share on facebook
Share on linkedin
Share on email

Últimas Notícias

Colunas

Seções

Assine nossa newsletter

Toda sexta você receberá no seu e-mail os destaques da semana e as novidades do mundo do direito esportivo.