Um clube que cai

“Um corpo que cai” (1958), obra prima de Alfred Hitchcock, enfoca as agruras sofridas por John Scottie, um detetive que teve que se aposentar porque passou a sofrer de acrofobia, após ver seu colega morrer ao cair de um telhado, durante uma perseguição policial.

Depois da jubilação, Scottie é convencido por um amigo a investigar sua esposa, Madeleine, que demonstra uma estranha atração por lugares altos, desafiando o detetive a enfrentar suas piores vertigens. Ele começa a acreditar que a mulher é louca, com aparentes tendências suicidas.

Os antigos gestores do Cruzeiro são apontados pela mídia e pela atual diretoria por igualmente apreciarem patamares elevados, porém em termos de despesas: teriam gastado mais do que poderiam, o que levou o clube a um autêntico suicídio financeiro.

Em “Um corpo que cai”, Scottie, ao seguir Madeleine, a vê correndo para o alto de uma igreja, jogando-se lá de cima. Diante de seu medo de altura, ele fica paralisado, vê a mulher se atirar para a morte e revive seu trauma.

Assim como Scottie, os torcedores do Cruzeiro viram seu clube cair sem poderem fazer muita coisa. O multicampeão das alterosas foi rebaixado pela primeira vez na sua história para a segunda divisão do campeonato brasileiro no final do ano passado.

É surpreendente constatar como um clube que estava no topo do futebol brasileiro pudesse ter caído tão rapidamente. Com a velocidade que atinge um corpo quando cai do alto de uma igreja, o Cruzeiro despencou do título de campeão da Copa do Brasil de 2018 para o rebaixamento no brasileirão de 2019.

A inadimplência foi um dos fatores principais. Especula-se que as dívidas rondam a casa dos 700 milhões de reais, geradas não apenas por um aumento excessivo dos salários, como também pelo inchaço do corpo funcional.

 Um dia essa dívida iria explodir e acabou estourando. Com jogadores e demais profissionais sem receber, os maus resultados surgiram num piscar de olhos.

E a verdade também. Com o clube se endividando de uma maneira nunca antes vista, os credores se avolumaram na justiça e todos ficaram sabendo do histórico rombo financeiro.

Scottie também descobriu a verdade.  A rigor, não foi Madeleine que se suicidou. Ela já havia sido assassinada pelo seu marido, que contratara uma sósia para se passar por ela, fingir o suicídio e livrar o amigo de Scottie de responder pelo homicídio.

Assim como no filme, a verdade financeira do Cruzeiro lamentavelmente só veio à tona no final da estória. Um dos fatores talvez seja porque o clube é um dos poucos do Brasil onde não há obrigatoriedade para votar um orçamento anual. Assim, suas contas ficaram sem controle e sem parâmetro de aferição.

Como é inerente à natureza humana, estão tentando agora colocar a tranca depois da porta arrombada. Mas antes tarde do que nunca e pelo menos as propostas são interessantes.

Uma delas é inserir no estatuto uma regra que obrigue a diretoria administrativa a apresentar uma proposta orçamentária para aprovação e que vincule todos os dirigentes ao seu cumprimento.

Outra ideia importante é a de criar um teto para salários do pessoal da área administrativa, a fim de evitar que os profissionais recebam valores acima daqueles praticados pelo mercado.

Outrossim, cite-se a sedutora iniciativa de que o departamento de futebol conte com um conselho de administração que possa vetar contratações que ultrapassem a capacidade de pagamento do Cruzeiro. Não se trataria de um veto de natureza técnica, mas de cunho orçamentário.

Por fim, destaque-se a louvável proposta de que doravante se exija formação profissional pertinente para que alguém possa compor os conselhos do clube mineiro.

Porém, as novas medidas estatutárias a serem implementadas no futuro não impedem que eventuais erros cometidos no passado sejam apurados, conforme prevê a lei n° 9615/98 em seu art.27 § 11.

Esse artigo é claro ao dizer que os administradores de entidades desportivas profissionais respondem solidária e ilimitadamente pelos atos de gestão temerária, assim considerados aqueles atos de administração que põem em risco o patrimônio e a higidez financeira da agremiação.

Aliás, diferentemente de Scottie, que deliberou se investigaria ou não Madeleine, o sucessor na condução das agremiações não possui essa liberdade. De fato, o novo mandatário que se mantiver inerte na apuração, passa a responder solidariamente com os dirigentes anteriores, na forma do art. 24, § 3º da lei n° 13.155/15.

Seja mudando o futuro ou reprimindo o passado, em todos os segmentos existem fórmulas atemporais a serem seguidas. Assim, por exemplo, “Um corpo que cai” seguiu a regra de ouro de manter o mistério que envolve a trama até o fim e não por acaso, foi eleito o melhor filme da história do cinema.

No futebol, embora não exista muito mistério, há uma fórmula válida em qualquer tempo e lugar, para evitar que clubes do porte do Cruzeiro venham a cair tão vertiginosamente:

Não gastar mais do que se arrecada.

Compartilhe

Share on whatsapp
Share on telegram
Share on twitter
Share on facebook
Share on linkedin
Share on email

Últimas Notícias

Colunas

Seções

Assine nossa newsletter

Toda sexta você receberá no seu e-mail os destaques da semana e as novidades do mundo do direito esportivo.