Pesquisar
Close this search box.

Urgência de combater os crimes contra a ordem econômica esportiva

No vasto universo do esporte, onde a paixão e o profissionalismo se encontram, emergem também práticas que desafiam a ética e a legalidade. Recentemente, houve uma significativa evolução legislativa no Brasil visando coibir crimes que afetam diretamente a ordem econômica esportiva. Essas mudanças refletem um esforço mais amplo para garantir que o esporte, além de ser uma fonte de entretenimento e orgulho nacional, seja também um espaço de justiça e integridade.

O Art. 165 da nova legislação é um claro exemplo do compromisso com a transparência e a justiça no esporte. Este artigo aborda a corrupção privada, definindo punições severas para aqueles que, representando organizações esportivas, se envolvem em práticas corruptas ao exigir ou aceitar vantagens indevidas para favorecer a si mesmo ou a terceiros. Isso não apenas desestabiliza a competição leal, mas também mancha a imagem dos esportes como um todo. A inclusão dos que oferecem essas vantagens sob as mesmas penalidades é um passo crucial para abordar ambos os lados da corrupção.

As infrações relacionadas à venda de ingressos a preços abusivos (Art. 166 e 167) são igualmente problemáticas, explorando a paixão dos torcedores e infringindo os princípios de equidade e acesso. A legislação estabelece punições rigorosas para aqueles que vendem ou facilitam a venda de ingressos acima do valor oficial, protegendo os direitos dos consumidores e mantendo a acessibilidade dos eventos esportivos.

A proteção da propriedade intelectual, conforme descrito nos Artigos 168 e 169, é fundamental na era digital, onde símbolos e emblemas são facilmente replicados e comercializados. A nova legislação penaliza severamente a reprodução não autorizada e a distribuição comercial de símbolos esportivos, preservando a identidade e os valores das organizações esportivas.

O fenômeno do marketing de emboscada, abordado nos Artigos 170 e 171, representa um desafio particularmente insidioso, onde empresas buscam associar-se a eventos sem a devida autorização. Isso não só engana os consumidores, mas também prejudica os patrocinadores oficiais que investem significativamente no suporte ao esporte.

A legislação estabelece um equilíbrio entre proteger os interesses comerciais das organizações esportivas e garantir que as práticas de marketing sejam conduzidas de maneira ética e transparente.

A integração desses artigos na legislação brasileira é um testemunho do reconhecimento da complexidade e da importância econômica do esporte na sociedade contemporânea. Ao fortalecer as leis contra crimes econômicos no esporte, o Brasil não apenas protege sua própria infraestrutura esportiva, mas também se alinha a padrões internacionais de governança e ética esportiva.

Este é um momento decisivo para o esporte brasileiro, e cada passo que damos para combater essas práticas ilegais nos aproxima de um cenário esportivo mais justo e respeitável.

Com estas leis, reafirmamos nosso compromisso não apenas com o esporte, mas com a justiça e a integridade em todas as suas formas.

Nos siga nas redes sociais: @leiemcampo

Compartilhe

Você pode gostar

Assine nossa newsletter

Toda sexta você receberá no seu e-mail os destaques da semana e as novidades do mundo do direito esportivo.