Vice-presidente do COI afirma que entidade não pressionará China sobre violações de direitos humanos em campos de trabalho

Na última quarta-feira (13), o vice-presidente do Comitê Olímpico Internacional (COI), John Coates, declarou que a entidade olímpica não pressionará a China, sede da Olímpiada de Inverno de 2022, pelo histórico de direitos humanos do país. Segundo o dirigente, não compete ao COI ditar regras a nações soberanas. A informação foi revelada pela Reuters.

As autoridades chinesas são acusadas de facilitar o trabalho forçado por deterem cerca de um milhão de uigures (origem turcomena) e outras minorias muçulmanas em campos de trabalho desde 2016. O país nega qualquer irregularidade, alegando que montou centros de treinamento vocacional para combater o extremismo.

Coates afirmou que a competência do COI quantos aos direitos humanos só abrange o “movimento olímpico”.

“O COI de fato dá muita ênfase aos direitos humanos. Sei que é uma parte muito importante dos princípios fundamentais do olimpismo, os princípios fundamentais estabelecidos na Carta Olímpica. Não temos capacidade de entrar em um país e lhes dizer o que fazer. Tudo que podemos fazer é conceder a Olimpíada a um país, sob condições delineadas em um contrato de sede… e depois fazer com que sejam seguidas”, declarou o vice-presidente.

Crédito imagem: AFP

Nos siga nas redes sociais: @leiemcampo

Compartilhe

Share on whatsapp
Share on telegram
Share on twitter
Share on facebook
Share on linkedin
Share on email

Últimas Notícias

Colunas

Seções

Assine nossa newsletter

Toda sexta você receberá no seu e-mail os destaques da semana e as novidades do mundo do direito esportivo.