1936: as Olimpíadas em que o Brasil mandou duas delegações. Futebol também precisa conhecer essa história

Nesse momento de cisão do futebol, com a CBF passando por uma série crise institucional, vale lembrar do risco que isso representa. Foi a partir de uma ruptura do movimento esportivo na década de 30 que o Governo Vargas se apropriou do esporte, isso porque anos antes o Brasil chegava às Olimpíadas de Berlim com duas delegações rivais.

Isso mesmo, na Olimpíada de Berlim, em 1936, o Brasil mandou duas delegações, e o fato, como não poderia ser diferente, repercutiu muito mal externamente e internamente.

Isso aconteceu em função de uma disputa que ficou conhecida como “dissidio esportivo” ou “cisão esportiva”.

Nos anos de 1930, Arnaldo Guinle, dirigente do Flumninense) e Rivadávia Meyer (dirigente do Botafogo) travaram uma disputa pela organização do futebol. De um lado, a defesa do futebol entre profissionalistas (FBF – Guinle); do outro, os amadoristas (CBD-Rivadávia). Essa desorganização interna do futebol acabou gerando repercussão no próprio Movimento Olímpico Brasileiro.

A história é contada no ótimo livro Constituição e Esporte, de Wladimyr Camargos. Aqui, um trecho importante desse momento:

“Guinle passa a ter o controle do campo que reúne os mais representativos setores do esporte, porém sem poder se vincular ao sistema FIFA, e Rivadávia determina os rumos da CBD, filiada à FIFA, mas pouco representativa. O problema de legitimidade interna da CBD passa a ser resolvido com sua proximidade com Luiz Aranha e a liderança do governo Vargas.”

Assim, o caminho para a desorganização e o vexame histórico estava desenhado.

A confusão causada se apresenta ao mundo nos Jogos Olímpicos de 1936, em Berlim, quando duas delegações distintas de atletas e entidades brasileiros chegam à Alemanha.

Em 1935, o Comitê Olímpico Brasileiro (COB) é reorganizado pelo grupo de Guinle e organiza uma delegação. Do mesmo modo, a CBD de Rivadávia envia outra equipe.

Como lembra Wladimyr, “os jogos de Hitler assistiram a um verdadeiro pandemônio por parte dos brasileiros, e o representante oficial do governo Vargas no evento era nada mais nada menos que Lourival Fontes, chefe do Departamento Nacional de Propaganda (DNP), que viria a se tornar o Departamento de Imprensa e Propaganda (DIP)”

Um observação sempre necessária: Lourival era um notório fascista

Isso teria sido a gota d’água para a decisão já estudada por Getúlio Vargas de intervir no esporte.

O esporte é extremamente popular, e o total distanciamento do Estado é quase inimaginável. Getúlio Vargas foi o primeiro governante brasileiro a entender esse papel do esporte – e tratou de tutelá-lo

Um movimento natural à época, até pela natureza do Estado Novo, que tinha grande preocupação social, mas também era populista, autoritário e extremamente nacionalista.

Em 1941, Getúlio edita o Decreto Lei 3199, uma espécie de primeira Lei Geral do Esporte no Brasil, tutelando o esporte. Ou seja, o governo se apropriando do esporte como instrumento político devidamente legalizado.

Mas o Brasil já tinha pagado o mico de 1936.

Cuidar do esporte internamente é desafio permanente do movimento esportivo. O Brasil chega em Tóquio para a cerimônia de abertura na próxima sexta (23) com uma delegação olímpica e coesa; mas o futebol passa por um racha histórico, com consequências ainda imprevisíveis, mas que a história contará.

Crédito imagem: Reprodução

Nos siga nas redes sociais: @leiemcampo

Compartilhe

Share on whatsapp
Share on telegram
Share on twitter
Share on facebook
Share on linkedin
Share on email

Últimas Notícias

Colunas

Seções

Assine nossa newsletter

Toda sexta você receberá no seu e-mail os destaques da semana e as novidades do mundo do direito esportivo.