A comunidade do esporte eletrônico precisa ser mais ativa e menos reativa

Como explorado no eSports Legal na última semana, foi lançada a Frente Parlamentar em Prol dos Esportes eletrônicos e Games (FPEG), sob a coordenação do Deputado Federal Coronel Chrisóstomo (PSL-RO).

Este autor esteve no lançamento e participou de um dos painéis na frente, porém sobra o descontentamento com alguns dos posicionamentos externados na oportunidade.

Função de uma Frente Parlamentar

Uma frente parlamentar existe para que os parlamentares possam entender melhor de um assunto e as medidas legislativas sejam mais efetivas e justas.

A frente parlamentar, portanto, tem a incumbência de convidar para serem ouvidos aqueles que entendem do mercado dos games e do esporte eletrônico de forma democrática, para que os projetos de leis sejam criados – ou emendados – em sintonia com o que o mercado precisa.

Apesar de realmente ter feito convite a figuras conhecidas do cenário esportivo eletrônico, algumas delas se negaram a participar do evento, com receio que sua participação tenha segunda intenções.

É o caso da empreendedora Nicolle “Cherrygumms” Merhy, que cancelou a sua ida ao lançamento da frente, “uma vez que a vontade da minha presença por essa Frente é justamente usar a minha imagem e voz para propagar ideias que são maléficos para o nosso esporte eletrônico.”

Thread: https://twitter.com/Cherrygumms/status/1234451339847127040

É compreensível – e louvável – o posicionamento cauteloso da ex-jogadora, pois como foi exposto no eSports Legal da última semana, os comentários feitos pelo Coronel Chrisóstomo nas audiências públicas no Senado no condão do PLS 383/2017 foram descabidos.

O (lamentável) discurso do coordenador da Frente

Apesar de ter estudado o tema, o Coronel continua com claro desconhecimento da matéria, e os comentários feitos durante o evento e em entrevista para a TV Câmara foram tão infelizes quanto aqueles que foram feitos nas audiências públicas no Senado no condão do PLS 383/2017.

Carregada de desinformação, a intenção do coordenador da frente parece ser apenas de agradar o seu eleitorado, falando de família, violência e sexualidade, o que se traduz na intenção de controlar os jogos e seu conteúdo, algo que não agrada a comunidade gamer no geral.

 A comunidade do eSport precisa ser mais ativa e menos reativa

Em todas as movimentações do poder legislativo, seja na proposição de projetos de leis estaduais, na PLS 383/2017 ou na criação dessa frente parlamentar, foi possível observar uma reação muito forte vinda da comunidade gamer: clubes, desenvolvedoras, atletas e fãs.

A reação é justa, uma vez que as propostas e discussões não refletem em nada o interesse dessas pessoas.

Porém coisa que todas essas movimentações legislativas tiveram em comum é que nenhuma delas foi provocada ou iniciativa dessa comunidade, todas foram proposições de parlamentares ligados a alguma confederação, como a CBDEL, que é repudiada no cenário esportivo eletrônico.

A regulamentação é necessária e virá, principalmente diante do volume crescente de demandas judiciais pleiteadas em razão de conflitos nas relações jurídicas estabelecidas nesse meio.

Cabe aos participantes legítimos dessa comunidade tomar a iniciativa, e não apenas reagir.

Compartilhe

Share on whatsapp
Share on telegram
Share on twitter
Share on facebook
Share on linkedin
Share on email

Últimas Notícias

Colunas

Seções

Assine nossa newsletter

Toda sexta você receberá no seu e-mail os destaques da semana e as novidades do mundo do direito esportivo.