A culpa não é delas. O que precisa mudar é a cabeça dos gestores do futebol

Com a seleção feminina do Brasil fora da Copa do Mundo deste ano, após a derrota para a França, na prorrogação, por 2 x 1, a pergunta que não quer calar: e agora, o que vai acontecer com o futebol feminino no Brasil?

Em um ano em que já esperávamos que a modalidade feminina no futebol fosse importantíssima não só para o Brasil, mas também para o mundo, a realidade foi muito além do esperado.

No jogo em que o Brasil disse adeus ao mundial, a televisão aberta atingiu 32 pontos de audiência. Um recorde, no Brasil, para a modalidade. Uma marca significativa também para o futebol. Para se ter uma ideia, a audiência do principal campeonato nacional em 2019 está entre 20 e 25 pontos. Esses números mostram que o futebol feminino tem público interessado, e não é pouco.

O campeonato que está acontecendo na França tem servido não apenas para mostrar que o futebol jogado pelas mulheres vem crescendo, e com qualidade, mas também para mostrar que é um mercado gigante e ainda bem pouco explorado. A Copa do Mundo da França mostrou em números o seu gigantismo nas redes sócias também. Foram mais de 2 milhões de novos seguidores na página do Facebook da competição, além das mais de 6 milhões de curtidas nas publicações.

Com ocupação dos estádios em aproximadamente 70% e audiência televisiva ainda maior, com as redes sociais fervendo, como não explorar comercialmente esse campo e fazer com que ele cresça ainda mais?

Mas já tem gente que viu potencial nisso.

Uma jogada de marketing fez com que um batom virasse assunto no mundo todo. Se poderia ou não ter feito, será discutido mais tarde, mas não podemos negar que a visibilidade esperada foi alcançada.

Existem marcas interessadas e muito potencial para os patrocinadores chegarem e fazerem com o futebol das mulheres a potência que deve ser. Mas parece que o esporte das meninas/mulheres não cresce e não remunera tanto quanto deveria não por causa da falta de público ou por falta de patrocinadores (dinheiro) para investir, mas sim pela gestão de quem está à frente dessa administração.

Será que, se houvesse no futebol feminino um mecanismo que incentivasse os clubes formadores, não seria um recurso importante para o esporte crescer? Hoje na legislação esportiva não há regulamentação sobre o quanto se deve incentivar ou de onde podem vir esses recursos. A lei diz: ter um time de futebol feminino.

Sem dúvida, a gestão esportiva vem se profissionalizando, a passos lentos, mas vem acontecendo. Quem tiver visão e aproveitar esse momento especial que as nossas meninas conseguiram alcançar com quase nenhum apoio sairá na frente e conseguirá, em um curto espaço de tempo, colher muito com isso.

Compartilhe

Share on whatsapp
Share on telegram
Share on twitter
Share on facebook
Share on linkedin
Share on email

Últimas Notícias

Colunas

Seções

Assine nossa newsletter

Toda sexta você receberá no seu e-mail os destaques da semana e as novidades do mundo do direito esportivo.