A história de quando um artigo de direitos humanos resolveu um conflito do futebol de países em guerra

Esporte de direitos humanos andam juntos. Entendendo isso, cada vez mais o Tribunal Arbitral do Esporte tem usado a Convenção Europeia de Direitos Humanos para resolver litígios privados do esporte. Foi o que aconteceu na briga política/jurídica entre Kosovo e Sérvia.

Em maio de 2016, a UEFA aceitou o pedido da Federação de Kosovo para fazer parte da UEFA. Insatisfeita, a Federação de Futebol da Sérvia decidiu contestar a decisão, alegando que vários clubes membros teriam que ingressar na recém criada Federação de Kosovo contra vontade em função dessa decisão.

Na base do protesto, ela invocou a liberdade de associação, protegida no artigo 11 da Convenção Europeia de Direitos Humanos.

Uma briga jurídica, num tribunal esportivo tendo como pano de fundo uma grande disputa política.

O Kosovo, de maioria étnica albanesa, declarou a sua independência de forma unilateral da Sérvia em 2008 e já foi reconhecido como um país independente por cerca de metade dos países membros da ONU, entre os quais Portugal, Estados Unidos, Alemanha, França, Inglaterra e Japão.

Além da Sérvia, outros países como a Rússia, China, Espanha, Brasil, Angola e Moçambique, não reconhecem o Kosovo como país e sim como uma província separatista da Sérvia.

Antes da questão sobre a liberdade de associação, era preciso decidir se Kosovo poderia ter uma Federação reconhecida pela cadeia associativa do futebol.

Segundo o estatuto, a UEFA está aberta às associações de futebol situadas no continente europeu, com sede em país reconhecido pelas Nações Unidas como um estado independente.

Considerando que a ONU não faz reconhecimento de países, o painel do TAS interpretou outro artigo do estatuto da UEFA que diz que o território deve ser reconhecido pela maioria dos membros da ONU como um “estado independente”.

O TAS entendeu que este pré-requisito foi cumprido no que diz respeito à Federação de Futebol do Kosovo e que essa conclusão estava em linha com a vontade expressa pela maioria das federações membros no congresso da UEFA para aceitar este novo membro da UEFA.

O TAS, então, passou a analisar a questão da liberdade associativa (1). O painel reconheceu que o recorrente “pode valer-se do princípio da liberdade de associação, um princípio que está bem consagrado na lei suíça, bem como no art. 11 CEDH”. No entanto, também sustentou que “tal direito não é absoluto”. Em particular, disse que a Federação Sérvia “submeteu-se às regras e regulamentos da UEFA ao candidatar-se e obter a adesão à UEFA”

Depois de ponderações, o painel acabou por concluir que “não ocorreu nenhuma violação da liberdade de associação” da Federação Sérvia, uma vez que “o Recorrente não tem o direito protegido de que o estatuto na UEFA permaneça inalterado” . Assim, para o painel, se o estatuto do recorrente “for afetado por uma resolução do Congresso da UEFA tomada em conformidade com as regras e regulamentos da UEFA, é difícil ver como tal resolução pode – ilicitamente – interferir na liberdade de associação do Recorrente”

Mesmo sendo ainda um caso dos poucos exemplos em que o TAS analisou a decisão de um órgão privado do esporte com base em um direito protegido pela CEDH, já mostra como o esporte cada vez mais passou a entender que para proteger a própria autonomia não pode se afastar de compromissos universais do direito.

Crédito imagem: Getty Images

Nos siga nas redes sociais:@leiemcampo

Nossa seleção de especialistas prepara você para o mercado de trabalho: pós-graduação CERS/Lei em Campo de Direito Desportivo. Inscreva-se!


1 Caso em CAS 2016/A/4602 Football Association of Serbia v. Union des Associations Européennes de Football (UEFA), award of 24 January 2017, para. 38.

Compartilhe

Share on whatsapp
Share on telegram
Share on twitter
Share on facebook
Share on linkedin
Share on email

Últimas Notícias

Colunas

Seções

Assine nossa newsletter

Toda sexta você receberá no seu e-mail os destaques da semana e as novidades do mundo do direito esportivo.