A lei do árbitro de futebol

O árbitro é o único personagem de uma partida de futebol que, mesmo antes de o jogo começar, tem certeza da insatisfação de algumas pessoas com a sua atuação. Esse é o dia a dia do profissional responsável por fazer cumprir as regras no espetáculo futebolístico – mas que dificilmente é tratado com respeito à competência que lhe foi incumbida dentro de campo.

Contudo, a participação desse personagem nem sempre foi assim. Apenas em 1868 o árbitro de futebol participou, ainda que fora de campo, apitando uma partida, pois a maioria das questões era resolvida pelos capitães dos times. Somente no fim do século XIX, com a modernização das regras, passou a atuar dentro de campo e com mais autoridade.

No Por dentro da Lei de hoje, vamos falar da Lei 12.867/2013, que regulamenta (ou deveria regulamentar) a profissão do árbitro de futebol.

Assim como qualquer outro empregado, o árbitro de futebol carece de uma legislação que defina as diretrizes de sua formação, garanta os direitos trabalhistas, os deveres da profissão, os órgãos responsáveis pela fiscalização e proteção do seu trabalho e a forma de registro e de recebimento na Carteira de Trabalho. Entretanto, esse regramento com as garantias mínimas não existe.

A atividade do profissional do apito não tem qualquer regulamentação. Ele não tem carteira de trabalho assinada, não tem salário fixo, não tem garantias, não tem qualquer estrutura de treinamento ou assistência médica. Tudo é bancado do próprio bolso, por puro amor à profissão, marginalizada pela legislação.

É uma afronta à hierarquia das normas chamar essa declaração de lei. Dos seis artigos que a compõem, um foi vetado, e o último apenas define a data em que ela passará a vigorar. São quatro (!) artigos que apenas esclarecem as atribuições do profissional e a relação com a Lei Pelé, facultando aos árbitros organizarem uma associação profissional e/ou sindicatos.

Para complementar, a Lei Pelé estabelece que os árbitros não têm vínculo de emprego com a entidade pagadora do seu “salário”. Ou seja, enquanto uns ganham a alforria, outros esperam na fila.

O árbitro não é protagonista do espetáculo, e ele não quer ser. Mas é uma peça importante para que o futebol aconteça conforme as regras, o fair play e espírito esportivo. Que a modernização e a profissionalização do futebol reconheçam o verdadeiro papel que o árbitro tem no esporte.

……….

Foto: McCarony – Fotolia.

Compartilhe

Share on whatsapp
Share on telegram
Share on twitter
Share on facebook
Share on linkedin
Share on email

Últimas Notícias

Colunas

Seções

Assine nossa newsletter

Toda sexta você receberá no seu e-mail os destaques da semana e as novidades do mundo do direito esportivo.