A morte de Dom Diego, e os novos rumos da Educação Antidopagem

Por Lara Duarte Santi

No último dia 25 de novembro, o mundo surpreendeu-se com mais uma das várias tristes notícias de 2020: a morte precoce de Diego Maradona, o lendário camisa 10 argentino. Apesar do passado polêmico e seu declarado problema com o uso de drogas e abuso de álcool, a comoção em torno de sua partida foi inevitável. A perda do craque ocorre coincidentemente no mesmo período e que o anúncio da Agência Mundial Antidopagem (WADA) a respeito de uma nova abordagem em relação à punição do uso de drogas de abuso pelos atletas do alto rendimento repercutiu em todo o mundo esportivo. A partir de janeiro de 2021, entra em vigor o novo Código Mundial Antidopagem da WADA, e os protocolos, revisados durante dois anos, vão estar muito mais voltados para a educação e prevenção ao doping, e as punições para resultados relacionados a drogas de abuso (dentre elas, a cocaína) serão abrandadas. A reflexão sobre ambos os acontecimentos e sua conexão foi automática.

Mesmo controversa, a decisão da WADA, encontrada no Artigo 4.2.3 do novo Código, foi baseada em feedbacks enviados por autoridades antidopagem e especialistas atuantes na área, os quais sinalizavam a necessidade de um olhar mais atento da agência em relação assunto, especialmente no meio do alto rendimento esportivo, no qual, em muitas situações, o uso dessas drogas não está necessariamente relacionado ao contexto esportivo.

As razões pelas quais um atleta decide usar uma substância proibida ainda são bastante discutidas entre os especialistas (é o que chamamos de Risk Assessment, em uma linguagem técnica) e vão muito além da ética; envolvem, por exemplo, os aspectos sociológicos, culturais e psicológicos envolvidos no processo de uso de drogas. Tanto que a definição de um perfil único para o atleta que faz uso de substâncias não permitidas é praticamente impossível, tamanha a quantidade de variantes. O ambiente do alto rendimento por si só, muitas vezes, não é saudável considerando-se esses aspectos, e, ao mudar a abordagem, a WADA sinaliza entendimento sobre o problema e o que se deve esperar em relação ao futuro do combate à dopagem no esporte. Na época de Maradona, esse conceito educativo e abrangente simplesmente não existia, e talvez tenhamos perdido um atleta que teria sido ainda maior se os tempos fossem outros. Em 1994 o jogador foi pego em um exame antidoping e punido com uma pena considerada rígida na época: três meses. Não bastou para afastá-lo do uso de substâncias proibidas, e anos mais tarde descobriram-se inúmeras outras fraudes em seus exames de controle antidoping. Desde então, a carreira, a vida e a saúde do atleta nunca mais foram as mesmas, e a doença ficou cada vez mais descontrolada.

É importante ressaltar que a adição em drogas é uma doença sem cura que requer vigilância e cuidados vitalícios, como muitas vezes já ressaltou publicamente o ex-atleta brasileiro Carlos Casagrande, que passou pelo mesmo problema e não esconde sua luta diária e ativismo em relação ao assunto. Casagrande demonstrou-se muito abalado com a morte de Maradona nos últimos dias, e provavelmente a identificação de si mesmo com a história do colega seja impossível de dissociar. Felizmente, como o próprio já declarou diversas vezes, Casagrande teve outro destino graças à ajuda dos amigos e ao apoio da família.

Para o ano de 2021 , o Código da WADA também prevê a obrigatoriedade de uma fatia do orçamento do combate ao doping para o desenvolvimento de um programa educacional relacionado ao tema para todas as Autoridades de Controle Antidopagem signatárias e demais partes envolvidas, o que traz coerência ao código; afinal, punir sem educar perde completamente o sentido do que é o combate ao doping: defender a ética, o fair play e, acima de tudo, proteger os atletas.

O esporte é considerado pela UNESCO um instrumento de paz, desenvolvimento e cooperação entre os povos. Portanto, o órgão ligado à Organização das Nações Unidas (ONU) entende que a dopagem coloca esse conceito em risco, além de considerá-la uma questão de saúde pública (assim como o uso de drogas de abuso). Há alguns anos, existe inclusive a cooperação da UNESCO e WADA para unir esforços em prol do combate ao doping. O recado dado pela convergência dos fatos é bem claro: não se pode lutar por uma coisa e ignorar a outra, não se pode ignorar o fato de que o abuso de drogas deve ser tratado e prevenido como uma doença perigosa, que demanda atenção das autoridades e educadores e que, se não for feito um trabalho global e multidisciplinar sobre o assunto, além da punição, muitas gerações de grandes gênios do esporte terão seus futuros e suas vidas colocadas em risco. É fundamental o esforço conjunto e, assim, usar o esporte para uma de suas mais nobres funções: salvar vidas.

……….

Lara Duarte Santi é biomédica de formação, especialista em biotecnologia, drogas no esporte pelo COI e fisiologia do exercício pela UNIFESP. Trabalhou como oficial de controle de dopagem e coleta de sangue por 13 anos, servindo a varios major events, incluindo os Jogos Olímpicos e Paralímpicos Rio 2016, Jogos Panamericanos de Toronto 2015 e edições do UFC.

Compartilhe

Share on whatsapp
Share on telegram
Share on twitter
Share on facebook
Share on linkedin
Share on email

Últimas Notícias

Colunas

Seções

Assine nossa newsletter

Toda sexta você receberá no seu e-mail os destaques da semana e as novidades do mundo do direito esportivo.