A participação de atletas transexuais em competições esportivas

Por Luis Guilherme Krenek Zainaghi

Muito se discute, nos últimos anos, sobre a sexualidade das pessoas em toda a sociedade e também nos esportes. Nessa seara, a participação de atletas transexuais esbarra não em preconceito ou discriminação, mas no conflito entre direitos e princípios.

De um lado temos a igualdade de competição, que ficaria desequilibrada com a participação de atletas naturalmente do sexo oposto. Entretanto, o esporte, e o direito como um todo, têm princípios que impedem qualquer forma de discriminação.

Na história do esporte, esse assunto não é tão novo como se pensa. Foram muitos os casos de atletas transexuais em competições, citando como exemplos os casos Zdenka Koubkova e Mary Weston, além do mais emblemático, Richard Raskind (Renée Richards).

Os direitos da pessoa trans estão intimamente ligados aos direitos da personalidade, pois elas são livres para defender o que lhes é próprio, merecendo a proteção que o Estado concede às minorias.

No esporte são comuns diversos tipos de divisões a fim de equiparar os competidores, criando equilíbrio esportivo, seja por faixa etária, seja por peso, pelo nível dos competidores, seja pela divisão que mais nos interessa neste estudo: pelo sexo.

É notório que existem diferenças físicas entre as categorias, em especial a aqui estudada, pois o homem tem cerca de 30% mais massa muscular que a mulher, resultando em maior potência. Por outro lado, as mulheres têm estrutura corporal mais elástica, favorecendo-as em determinados esportes, como a ginástica.

Evidentemente, a participação de atletas trans em uma categoria esportiva deve obedecer a critérios médicos adequados para que seja evitado um desequilíbrio esportivo com sua participação. Principalmente com relação a níveis hormonais e de massa muscular, principais fatores de desequilíbrio esportivo.

Entretanto, o esporte, por si só, é um instrumento de aproximação entre pessoas e povos, e não de segregação. Esse inclusive é o objetivo das Olimpíadas, conforme se extrai da “Carta Olímpica”:

4. A prática do desporto é um direito do homem. Todo e qualquer indivíduo deve ter a possibilidade de praticar desporto, sem qualquer forma de discriminação e de acordo com o espírito Olímpico, que requer entendimento mútuo, com espírito de amizade, solidariedade e fairplay.
7. Toda e qualquer forma de discriminação relativamente a um país ou a uma pessoa com base na raça, religião, política, sexo ou outra é incompatível com a pertença ao Movimento Olímpico.

No direito brasileiro, temos, também, a adoção de princípio que se harmoniza com a Carta Olímpica, conforme previsão do art. 2º da Lei 9.615/1998:

Art. 2º – O desporto, como direito individual, tem como base os princípios:
[…]
III – da democratização, garantido em condições de acesso às atividades desportivas sem quaisquer distinções ou formas de discriminação.

Assim, percebemos que a participação do atleta trans gera um conflito de princípios: de um lado temos a manutenção do equilíbrio esportivo/igualdade de competição, e de outro o princípio da dignidade da pessoa humana, que não permite a segregação de pessoas em razão do sexo, devendo todos ser tratados igualmente.

Nesse conflito de princípios, entendemos que deve ser respeitada a dignidade da pessoa humana, pois é um dos (se não o) princípios mais importantes de uma sociedade democrática, pois assegura direitos fundamentais a todos.

A pessoa trans não pode ser excluída da sociedade, e lhe deve ser concedida oportunidade idêntica à dos demais cidadãos. Isso inclui a sua participação em competições esportivas, ainda que relativizada (e não excluída) a igualdade esportiva, respeitando-se critérios técnicos e fisiológicos para sua participação, já que a participação de atletas trans deve envolver um estudo médico sobre a questão física daquele atleta.

Por fim, destacamos que, ao se submeter aos tratamentos corretos e lícitos de mudança de sexo, o atleta acabaria ficando com desempenho inferior quando comparado com os adversários de sua categoria natural, impossibilitando-o de competir.

Dessa forma, em que pese possa existir um mínimo desequilíbrio entre os competidores com a participação de atletas transexuais, a sua proibição de participação na categoria com a qual se identificam os afastaria completamente do esporte, em clara ofensa ao princípio da não discriminação e à própria inclusão de pessoas inerente ao esporte.

……….

Referências
ARAUJO, Luiz Alberto David. A proteção constitucional do transexual. São Paulo: Editora Saraiva. 2000
BOBBIO. Noberto. Teoria da norma jurídica. Tradução: Fernando Pavan e Ariani Bueno Sudatti. Edipro: São Paulo. 2001.
CALIXTO. Vinicius. Lex sportiva e Direitos Humanos: Entrelaçamento transconstitucionais e aprendizados recíprocos. Belo Horizonte: Editora D`Placido. 2017.
CANOTILHO. J.J. Gomes. Direito constitucional e teoria da constituição. 4ª edição. Coimbra: Almedina. 2000
CAPELLETI. Mauro. Tutela dos interesses difusos. In Ajuris 33/169: 1984
CESARINO JÚNIOR. Antônio Ferreira. Direito Social. São Paulo : LTr. 1906.
DIAS. Maria Berenice. Homoafetividade e os direitos LGBTI. 6ª edição. São Paulo: Editora Revista dos Tribunais. 2015
FERREIRA FILHO. Manoel Gonçalves. Direito Constitucional. São Paulo: Editora Saraiva. 2012.
KLABIN. Aracy Augusta Leme. Aspectos jurídicos do transexualismo. Revista da faculdade de Direito da Universidade de São Paulo. Volume 90; páginas 197-241. 1995.
MORAES. Alexandre de. Direito Constitucional. 24ª edição. São Paulo: Editora Atlas. 2009.
RODRIGUES. Mariana de Oliveira. Mudança (de sexo) no desporto. Dissertação de Mestrado da Universidade Nova de Lisboa. 2017.
SILVA. José Afonso. Curso de Direito Constitucional Positivo. 29ª edição. São Paulo: Malheiros Editores. 2007.
SILVA, Plácido e. Vocabulário Jurídico. Vol. II; São Paulo: Forense, 1967.
SILVEIRA. José Francisco Oliosi da. O Transexualismo na Justiça. Porto Alegre: Síntese. 1995.
SOLAVAGIONE. Alicia Garcia. Transexualismo. Analisis jurídico y soluciones registrales. Cordoba: Advocatus. 2008.
VENOSA. Silvio de Salvo. Direito Civil: direito de família. 4ª edição. São Paulo: Atlas. 2004
ZAINAGHI, Luis Guilherme Krenek; Zainaghi, Maria Cristina, A participação de atletas transexuais no esporte e o conflito de Direitos; publicado no IX Encontro Internacional do Conpedi Quito-Equador, 2018. disponível para consulta em: https://www.conpedi.org.br/
https://www.transathlete.com/policies-by-organization
https://www.transathlete.com/starthere
http://www.fadu.pt/files/protocolos-contratos/PNED_publica_CartaOlimpica.pdf
formacao.comiteolimpicoportugal.pt/Publicacoes/COP_PFO_EDGD/file033.pdf
https://www.unicef.org/brazil/pt/resources_10133.htm

……….

Artigo original publicado no IX Encontro Internacional do Conpedi Quito-Equador, disponível para consulta em: https://www.conpedi.org.br/

……….

Luis Guilherme Krenek Zainaghi é advogado, mestrando em Direito do Trabalho pela PUC/SP, pós-graduando em Direito Desportivo pelo Instituto Iberoamericano de Derecho Deportivo (IIDD/UNIFIA), membro da Asociación Iberoamericana de Derecho del Trabajo y de lá Seguridad Social, membro do Instituto Iberoamericano de Derecho Deportivo (IIDD), auditor no Tribunal Disciplinar Paralímpico do Comitê Paralímpico Brasileiro-CPB, autor de artigos jurídicos, coordenador do livro “Relações de Trabalho no Desporto” e coautor do livro “Anotações à Reforma Trabalhista”.

 

Compartilhe

Share on whatsapp
Share on telegram
Share on twitter
Share on facebook
Share on linkedin
Share on email

Últimas Notícias

Colunas

Seções

Assine nossa newsletter

Toda sexta você receberá no seu e-mail os destaques da semana e as novidades do mundo do direito esportivo.