A política do esporte (a)político

Por Alberto Goldenstein, Guilherme Charles e Luiza Castilho

Dentro de um contexto em que a mera exposição de opiniões, a depender da posição do interlocutor, gera acalorados debates acerca de determinado tema, tem-se, no ato de se posicionar, um manifesto político. Se a fala denota um posicionamento, a omissão sobre um mesmo assunto pode trazer igual repercussão, ao passo em que a sociedade contemporânea parece exigir de seus principais atores a escolha de um lado para todos os temas da vida cotidiana. Diante de tal premissa, pede-se sempre para que se tome partido. E se há partido, há política.

Não se busca aqui realizar a melhor definição de política. Seu conceito e suas aplicações ao longo das eras são mutáveis e possuem singular significado para cada viés de pesquisa que vem por analisar tal termo e o que o acompanha.

Não é novidade, em especial nesta coluna, que o esporte é e deve ser tratado como entretenimento. Mas preocupar-se apenas com a comercialização do produto e seu escopo de diversão é negar algo que está dentro de nós, a política, a qual faz parte do nosso cotidiano, de nossas vidas. A fusão dela com o esporte é natural e necessária, desde que não ultrapasse os limites da autonomia desportiva, que seja condizente com os regulamentos em vigência e que seja utilizado para o atingimento de propósitos vinculados à consagração de direitos fundamentais.

Destarte, necessário ressaltar que dentro do ambiente esportivo e das regras e normas que o disciplinam – desde o Comitê Olímpico Internacional até as Federações locais -, tem-se por premissa primordial a separação total entre esporte e posicionamento político. A precípua finalidade, ao se considerar os princípios basilares do esporte, tem por escopo desatrelar a atividade desportiva de eventuais conflitos que venham por interferir na imprevisibilidade dos resultados, no jogo limpo e na paridade de armas, ao permitir a integração de todos os povos por meio do esporte.

No entanto, a história é inequívoca ao demonstrar, diversas vezes, a apropriação de eventos e resultados esportivos como forma de enaltecer regimes e líderes políticos. Assim, como separar? Como manter o esporte, e principalmente os seus protagonistas, numa bolha alheia à realidade?

Daniel Geey, em sua obra Done Deal, revela que, ainda que os torcedores sejam peças cruciais para o sucesso do jogo, é de extrema importância tentar entender como a indústria realmente funciona.

É impossível fechar os olhos ao que ocorre ao seu redor. É inevitável, a partir de seu conhecimento de mundo e experiências vividas, não ter um entendimento próprio dos fenômenos que o cercam. Logo, se faz necessário indagar: o que é política para o esporte? Até onde vai o limite dos regulamentos esportivos no momento de restringir as manifestações por atletas, clubes e entidades de administração?

Há de se ter extremo cuidado no momento de se analisar o fenômeno ora abordado. Exemplifica-se: unânime é o entendimento de que a pauta de defesa de direitos fundamentais deve estar presente em todos os momentos, por todos os lados, em quaisquer situações. A luta contra o racismo, homofobia, igualdade de gêneros, dentre tantas outras, é a única via possível.

Não há certo ou errado. Há apenas um caminho e uma certeza: isto não é política. E não passa a ser caso, por alguma razão, eventuais agentes políticos venham a utilizar uma pauta contrária como plataforma para sua projeção. A polarização e associação da política aos partidos, instituições e nomes que hoje conhecemos, acaba por sistematizar toda e qualquer opinião em manifestações de cunho político-partidário. A apropriação contrária de discursos como estes não pode tornar política a defesa de direitos fundamentais.

Afastaria-se neste momento, então, o imaginário de que simples manifestações contrárias a certas ideologias, sendo elas majoritárias ou não, são necessariamente políticas no contexto esportivo. A Regra 50 da Carta Olímpica, os Estatutos e Códigos de Ética devem estar atentos à realidade e, ainda que, mantendo a finalidade sempre defendida, impedir qualquer censura que tolha aos integrantes da pirâmide esportiva o direito de se manifestarem em defesa de temas reconhecidamente justos, independentemente de cultura, religião ou regime político.

Este silogismo tornaria viável a apreciação desses regulamentos de maneira interpretativa, abrindo o espaço para o reconhecimento de pautas importantes, que possuem ligação com o caráter representativo do espírito olímpico.

Nesta toada, a política está presente em todos os gestos, política é movimento e posição, e não pode, jamais, estar dissociada da realidade que se vive, devendo ser respeitada e garantia, como um vetor da liberdade de expressão. De outra banda, e em total contrariedade à liberdade de manifestação política tem-se a apropriação do esporte para a manutenção de determinadas políticas, tal como já foi realizado em outros tempos, o que deve ser rechaçado, assim como manifestações políticas que nutram o desrespeito, a quebra da ética e as regras internacionais de direitos humanos e de liberdades individuais.

Nos siga nas redes sociais: @leiemcampo

Compartilhe

Share on whatsapp
Share on telegram
Share on twitter
Share on facebook
Share on linkedin
Share on email

Últimas Notícias

Colunas

Seções

Assine nossa newsletter

Toda sexta você receberá no seu e-mail os destaques da semana e as novidades do mundo do direito esportivo.