A primeira Lei Geral do Esporte brasileiro tinha um nome: Luiz Aranha

Venho contando nas últimas colunas os bastidores da política esportiva e governamental brasileira nos anos 1930 que antecedeu à intervenção do Estado Novo no esporte. Na semana passada, trouxe a história que foi o ápice do que se chamou por Cisão Esportiva e que tinha como pano de fundo a guerra entre Arnaldo Guinle e Rivadávia Meyer pelo controle das entidades esportivas do país. Como o resultado dessa contenda entre os dirigentes do Fluminense e do Botafogo foi a total fragmentação da organização esportiva nacional, o Brasil chegou aos Jogos Olímpicos de Berlim em 1936 com duas delegações. De um lado a capitaneada pelo Comitê Olímpico Brasileiro (COB) – reorganizado por Guinle – e, do outro, a delegação da Confederação Brasileira de Desportos (CBD), antecessora da CBF, mas que também representava outras modalidades que não o futebol. Esta última era próxima do grupo do botafoguense Meyer.

Lembre-se de que essa era a Olimpíada de Adolf Hitler. Os Jogos haviam se tornado um palco para a exibição de seu Partido Nazista e da pretensa supremacia racial ariana. Como o regime varguista mantinha relações de proximidade com a Alemanha hitlerista e mesmo com seus ideais eugenistas (já vimos isso em colunas anteriores), o enviado oficial a Berlim, Lourival Fontes, chefe da censura no Brasil, foi o destinatário inicial da vergonha que esse fato representou. Voltou ao Rio de Janeiro obviamente requerendo ao presidente Getúlio que interviesse naquela situação considerada vexatória. Que terminasse com a divisão no esporte.

Falei também na última coluna que um deputado federal do Paraná chamado Paula Soares já havia apresentado um projeto de lei que na prática estatizava a organização esportiva brasileira. Ocorre que Getúlio Vargas, até antes dos Jogos Olímpicos de 1936, não se inclinava a essa proposta. Isso porque, como nos conta “O Brasil entra em ação! Construções e reconstruções da identidade nacional (1930-1947)”¹:

No início da década de 1930, o apoio da sociedade ao projeto de intervenção do Estado no meio esportivo era mínimo. A oficialização era vista como medida prejudicial ao desenvolvimento esportivo, levando ao fracasso uma iniciativa que estava progredindo de forma privada e autônoma desde o final do século XIX. Na verdade, foram conflitos no interior do campo esportivo que possibilitaram ao Estado o consenso necessário na sociedade brasileira para empreender o seu projeto.

Em outras palavras, não havia apoio popular suficiente para o fim da autonomia esportiva naquele período de vésperas do início da ditadura do Estado Novo.

Contudo, em meio a essa desordem da organização privada esportiva no Brasil e ao absenteísmo estatal em que se desenrolam os primeiros anos da Revolução de 1930, Getúlio determina que se acelerasse o trâmite do projeto intervencionista do deputado paraense, conforme noticiava o Jornal dos Sports de 3 de janeiro de 1937:

Agora podemos informar que o presidente Getúlio Vargas dirigiu-se aos deputados da maioria fazendo-lhes saber que seria grato a votação da emenda Padua Soares [sic], autorizando o governo a intervir no sport. Tal facto veio dar nova feição aos trabalhos pela officialização do sport. Demonstra claramente que o governo quer tomar medidas a respeito.

Já sabemos que esse projeto só não foi aprovado em razão do pacto entre Vasco da Gama e América do Rio de Janeiro para a reconciliação nacional do futebol. Contudo, esse armistício que levou Guinle e Meyer a uma pacificação acarretou grande enfraquecimento da CBD no que diz respeito ao futebol. “Nesta nova organização de forças, a FBF [Federação Brasileira de Futebol] ficaria responsável pelo futebol brasileiro e a CBD seria a responsável pela representação do futebol brasileiro no exterior”².

Conforme conto no meu livro “Constituição e Esporte no Brasil”³, a fragilidade com que a presidência da CBD passava a ser tratada a partir de então também enfraquecia o seu titular, protégé do regime varguista. Luiz Aranha havia assumido como presidente da entidade desde 1936 – lembrando que Luiz Aranha era irmão de um dos principais líderes da Revolução de 1930 e grande dirigente no governo Vargas: Oswaldo Aranha.

Mais do que isso, Luiz Aranha era muito próximo do próprio presidente Getúlio Vargas, inclusive tendo sido por ele convidado a assumir um posto ministerial de alta relevância: a chefia da Casa Civil da Presidência da República. Ainda que não tenha se tornado ministro, o agora chefe do Estado Novo nutria uma amizade forte com os irmãos Aranha.

E é justamente a situação de enfraquecimento de Luiz Aranha na CBD, aliada ao grande problema que foi a participação brasileira nos Jogos Olímpicos de Berlim de 1936, que dão ao Estado Novo o substrato necessário para sua já preparada intervenção na organização esportiva.

A busca pelo centralismo político-administrativo, o corporativismo e a eugenia seriam, aliados ao crescente movimento nazifascista na Europa, os ingredientes ideológicos do início da tutela. A primeira tarefa seria constituir um “conselho técnico”, corporativo, para a redação da norma de exceção.

Votarei a esta história na próxima coluna para falar um pouco desse conselho técnico que elaborou a primeira Lei Geral do Esporte brasileiro: o Decreto-lei n° 3.199, de 1941.

……….
¹ São Paulo: Annablume, 2008, p. 44.
² DRUMOND COSTA, Maurício S. Os Gramados do Catete: Futebol e Política na Era Vargas (1930-1945). in TEIXEIRA, SANTOS, 2006, pp. 107-132.
³ Ed. Kelps, 2017.

Compartilhe

Share on whatsapp
Share on telegram
Share on twitter
Share on facebook
Share on linkedin
Share on email

Últimas Notícias

Colunas

Seções

Assine nossa newsletter

Toda sexta você receberá no seu e-mail os destaques da semana e as novidades do mundo do direito esportivo.