A solução Vasco da Gama para evitar a intervenção estatal no esporte

Na coluna passada, eu falava acerca do fato de a Cisão Esportiva no esporte brasileiro ter passado pela disputa entre duas famílias expoentes no Rio de Janeiro (Guinle e Meyer), representantes de Fluminense e Botafogo.

Porém, se voltarmos a edições anteriores desta coluna, veremos que o racismo e o preconceito de classes serviam como fermento dessa divisão. A luta que entre Arnaldo Guinle e Rivadávia Meyer pelo controle das entidades dirigentes do esporte se apoiava na vedação ou não do profissionalismo no futebol, que tinha origem sempre na oposição de pobres e negros em clubes de elite.

As histórias acerca do preconceito classista e do racismo estão bem delineadas no clássico “O Negro no Futebol Brasileiro”, de Mário Filho, lançado em 1947. A rebeldia de clubes como o Bangu do Rio de Janeiro – clube de fábrica de propriedade de ingleses que incorporou pioneiramente negros e operários no seu time de futebol – e o Vasco da Gama, também do Rio – primeiro dos grandes clubes de massa a aceitar trabalhadores e negros em suas fileiras, inclusive tendo um deles o presidido já em 1904 (Candido José de Araújo), dão a base para que o autor narre a longa trajetória de exclusão social no esporte.

Na obra estão expostas as razões diretas para que a Associação Metropolitana de Esportes Athleticos (AMEA) – antecessora da atual Federação de Futebol do Rio de Janeiro (FERJ) tenha adotado em seu estatuto a explícita vedação de trabalhadores nos clubes a elas filiados: a postura do Vasco da Gama em escalar jogadores negros e pobres que se remuneravam do ofício esportivo em seu time de futebol e, consequentemente, sua necessária exclusão dos quadros da entidade.

Como escrevi em meu livro “Constituição e Esporte no Brasil (Ed. Kelps, 2017), Arnaldo Guinle foi o principal nome na criação da AMEA em retaliação à postura do Vasco da Gama em aceitar negros, pobres em seus quadros e lutar pelo profissionalismo.

Já Rivadávia Meyer era dirigente do Botafogo do RJ e acabou por tomar o poder na AMEA em 1932, justamente derrotando o grupo de Guinle. O profissionalismo, portanto, entra paradoxalmente na estratégia de Guinle para retomar o controle do futebol no Rio:

O movimento para a criação do profissionalismo iniciou quando Arnaldo Guinle e seu grupo perceberam que poderiam dominar o campo esportivo se criassem uma nova liga de futebol. Sabiam que o profissionalismo era uma questão de tempo. Porém, naquele momento, a AMEA era o órgão responsável pelos esportes no Rio de Janeiro e o grupo de Guinle levava uma grande desvantagem no interior da associação. Criar uma nova liga também significava esvaziar o poder de oponentes como Rivadávia Correa Meyer, Paulo Azeredo e João Lyra Filho, todos ligados ao Botafogo. (Alchorne de Souza. O Brasil entra em ação! Construções e reconstruções da identidade nacional (1930-1947). São Paulo: Annablume, 2008, p. 44).

Criou, assim a Liga Carioca de Futebol (LCF), adepta do profissionalismo. Guinle também manteve o controle sobre a Confederação Brasileira de Desportos (CBD) e conservava apoio dos maiores clubes fluminenses. Rivadávia dominava a AMEA e, com isso, desfiliou os clubes que haviam se juntado à LCF, criando problemas para que compusessem sistema CBD-FIFA, já que sua entidade era a única filiada à CBD no Rio de Janeiro.

As entidades que compunham a “Pirâmide Olímpica” na área do futebol: CBD, nacionalmente – única reconhecida pela FIFA no Brasil, e suas filiadas nos maiores Estados (AMEA no Rio de Janeiro e Federação Paulista de Football – SP), continuam aferradas ao amadorismo. As dissidências estaduais levam à criação de uma cisão nacional: CBD – amadorista – e Federação Brasileira de Football (FBF), fundada em 1933, filiando os clubes com atletas profissionais.

Em vista da extrema divisão do esporte no país, agregado ainda a outros fatos políticos que contarei na próxima coluna, o Estado Novo percebia a oportunidade para uma intervenção na área esportiva, de modo a poder dominá-la.

Com esse movimento de Getúlio Vargas, o Clube de Regatas Vasco da Gama do Rio de Janeiro ainda fez uma tentativa grande para que a intervenção estatal não ocorresse.

Os dirigentes vascaínos buscaram o América – RJ para um pacto que salvasse a autonomia do futebol, como descrito por Drumond Costa (in SILVA; SANTOS, 2006, p. 121):

O pacto entre América e Vasco criava uma nova entidade no futebol carioca, à qual todos os grandes clubes da cidade estavam convidados a entrar como membro fundador. Com a criação de uma terceira entidade, tanto a FMD [Federação Metropolitana de Desportos, do Rio de Janeiro e filiada à CBD] quanto a LCF [Liga Carioca de Football, profissionalista e não reconhecida pela CBD] seriam dissolvidas. A nova agremiação se filiaria à Federação Brasileira de Football que, por sua vez, pediria filiação à CBD. Nesta nova organização de forças, a FBF ficaria responsável pelo futebol brasileiro e a CBD seria a responsável pela representação do futebol brasileiro no exterior. Desse modo, todos os clubes brasileiros deveriam se filiar à Federação Brasileira de Football, ou não poderiam enfrentar os outros clubes filiados à mesma (DRUMOND COSTA, Maurício S. Os Gramados do Catete: Futebol e Política na Era Vargas (1930-1945), in TEIXEIRA, SANTOS, 2006, pp. 107-132).

Efetivamente a partir deste momento, em uma resolução não-estatal, própria da organização interna do esporte, resolveu-se o “Dissídio Esportivo” dos anos de 1930.

A atuação de Vasco e América manteve a autonomia esportiva no Brasil, ao menos por alguns anos.

Quais seriam então os lances posteriores que levaram à autonomia tutelada no Brasil? Conto na próxima coluna.

Compartilhe

Share on whatsapp
Share on telegram
Share on twitter
Share on facebook
Share on linkedin
Share on email

Últimas Notícias

Colunas

Seções

Assine nossa newsletter

Toda sexta você receberá no seu e-mail os destaques da semana e as novidades do mundo do direito esportivo.