Adicional noturno ao atleta profissional de futebol

Por Victor Targino de Araujo [1]

Nos corredores do direito desportivo e adjacências, muito se falou a respeito de uma decisão proferida pela 11ª Turma do Tribunal Regional do Trabalho da 2ª Região (Grande São Paulo), noticiada na imprensa em maio de 2020, na qual o São Paulo Futebol Clube teria sido condenado a pagar adicional noturno ao atleta Maicon Thiago Pereira de Souza, pelas partidas de futebol disputadas após as 22h.

O processo se encontra em Segredo de Justiça, impossibilitando o acesso aos fundamentos que levaram a Turma, em específico, a prolatar a decisão veiculada na imprensa.

Contudo, é preciso dizer que a discussão, como quase tudo que permeia o Direito, é interpretativa e, portanto, sujeita a teses e opiniões.

Esta é apenas uma delas.

Isso porque a redação da Lei n.º 9.615/98 (“Lei Pelé”), que rege os contratos de trabalho dos atletas de futebol, não é suficientemente clara quanto ao adicional noturno.

Diante disso, é possível argumentar, numa primeira tese – à qual, neste momento, não me filio – que a Lei Pelé seria omissa e, portanto, abriria espaço para a aplicação da CLT [2] no que tange à regulamentação do trabalho noturno para as partidas de futebol, cujo texto prevê o famoso adicional de, no mínimo, 20% (vinte por cento) [3].

Referida tese ganha força quando colocada ao lado do artigo 7.º, IX, da Constituição Federal [4]. Talvez tenham sido esses, presumo, os fundamentos adotados pela 11.ª Turma no caso em tela.

Em contraponto, Domingos Sávio Zainaghi expõe em sua doutrina que:

“É fato que a Constituição Federal determina que o trabalho noturno deverá ter remuneração superior à do trabalho diurno. Ocorre que a Lei n. 9.615/98 silenciou quanto ao adicional para o trabalho noturno. Logo, não parece que a norma celetizada tenha aplicação às relações de trabalho envolvendo atletas profissionais de futebol. E nem se afirme que a previsão contida na CLT possa ser aplicada analogicamente ou que se trate de lacuna da norma especial.

O trabalho rural tem norma especial que é a Lei 5.889/73, e essa lei foi regulamentada pelo Decreto n. 73.626, de 12 de fevereiro de 1974. Nesse decreto está previsto, em seu art. 11, que “todo trabalho noturno acarretará acréscimo de 25% (vinte e cinco por cento) sobre a remuneração normal da hora diurna”.

Pelo que se vê, a peculiaridade da atividade do trabalhador rural fez que o legislador lhe outorgasse um adicional maior que o previsto para o trabalhador urbano.

Da mesma forma, a atividade do atleta profissional de futebol traz suas próprias peculiaridades, fazendo que algumas normas da legislação comum lhe sejam aplicáveis e outras não. E é nesta última que se encaixa a possibilidade ou não de se aplicar ao jogador de futebol o adicional noturno previsto na CLT.

Conclui-se, portanto, que o adicional de 20% previsto na CLT não tem aplicação à atividade do atleta profissional de futebol, uma vez que não há previsão na Lei n. 9.615/98, e, ainda, pelo fato de ser uma atividade sui generis, não podendo, neste particular, ser equiparada a uma atividade normal de trabalho”. [5]

Vou além. Em específico aos adicionais pela participação em partidas de futebol, incluindo-se a partida em horário noturno, a Lei Pelé não é omissa.

Precisamente, o artigo 28, parágrafo 4º, inciso III, da Lei Pelé traz a figura dos “acréscimos remuneratórios”, devidos justamente pela participação em partidas, além de concentrações, viagens e pré-temporada. Ou seja, todo e qualquer adicional ao salário do atleta pela participação em partidas deve ser considerado, exclusivamente, como “acréscimo remuneratório”.

Traduzindo, a Lei Pelé, em relação ao trabalho do atleta em partidas de futebol, substituiu as figuras comuns da CLT, como hora extra e adicional noturno, por uma figura especial e única, os acréscimos remuneratórios.

Assim, na minha humilde visão, a Lei Pelé não é omissa. Ela disciplina a existência de uma verba especial, sobre o salário, pela atuação do atleta em jogos de futebol, sem excepcionar dia, horário ou local.

Tudo bem. Então o Maicon, atleta do São Paulo Futebol Clube, deveria, ao invés de adicional noturno, receber acréscimo remuneratório pelas partidas após as 22h?

Depende do teor de seu contrato.

A redação do mencionado inciso III, berço dos acréscimos remuneratórios, traz, em seu final, uma colocação muito peculiar:

“(…), conforme previsão contratual;”

Mais uma vez, a discussão é interpretativa e não há muitas decisões pelo país sobre o assunto, mas alguns precedentes dos Tribunais Regionais da 12ª Região (Santa Catarina) [6][7], da 4ª Região (Rio Grande do Sul) [8] e da própria 2ª Região (Grande São Paulo) [9], já sinalizam que se não houver previsão contratual, não são devidos os acréscimos remuneratórios.

Isso é, caso o contrato não preveja, especificamente, o recebimento de acréscimos remuneratórios pela participação em partidas, impõe-se que esta é uma obrigação contratual já remunerada pelo salário ajustado.

Trata-se, primordialmente, de uma lei especial destinada a uma atividade absolutamente peculiar. Inúmeros argumentos contrários poderão surgir, dentre eles, inaceitável supressão de direitos, possível inconstitucionalidade etc. É isso que “embeleza” o Direito.

Doutro lado, ninguém pode negar que jogar uma partida de futebol das 22h às 00h, que é o horário nobre da televisão – cuja verba se constitui importante parcela na matriz das receitas dos clubes que pagam os salários e cuja parte (5%), por lei, é repassada a título de direito de arena aos próprios atletas participantes – não é tão estafante como o trabalho de um vigilante ou porteiro que inicia às 22h sua jornada de até 12 (doze) horas na fábrica ou de um garçom que encerra sua extenuante jornada de 8 (oito) horas às 00h, a ponto de justificar a percepção de mais um adicional.

Pelo contrário. Merece, aqui, transcrição o voto do Desembargador Wanderley Godoy Junior, da 12ª Região (Santa Catarina), em acórdão [10] envolvendo o atleta Juliano Pacheco e o Figueirense Futebol Clube:

Há de se destacar que o empregador do atleta profissional não escolhe o horário em que os jogos serão realizados, sujeitando-se às agendas estabelecidas pela entidade que organiza as competições.

 Além disso, tratando-se de atleta de alto rendimento, há natural zelo e preocupação do empregador com relação ao descanso, integridade e preservação física e mental dos jogadores. Não à toa são intercalados períodos de descanso com períodos de treinamento, antes e depois dos jogos.

De mais a mais, as partidas disputadas à noite expõem menos os atletas às intempéries em comparação com os jogos realizados durante o dia, quando há incidência dos raios solares.

Ainda há de se destacar que diante da maior exposição midiática, audiência e visibilidade, os jogos realizados às 22 horas representam maiores ganhos econômicos, não só para o clube, mas também para os atletas, de forma direta (direito de arena) e indireta (possibilidade de o jogador realizar propagandas comerciais).

O atleta profissional ainda possui outros direitos não previstos para o trabalhador em comum, como “bichos” e “luvas”, não restando dúvidas quanto à sua particularidade.

Destaco que no caso em análise há cláusula contratual prevendo o afastamento de “quaisquer acréscimos remuneratórios em razão de períodos de concentração, viagens, pré-temporada e participação do atleta em partida, prova ou equivalente” (destaquei), o que abrange o pedido do reclamante no que tange aos jogos em horário noturno.

Demais disso, em poucas oportunidades os jogos ultrapassavam o horário noturno, assim considerados entre 22h e 5h da manhã.” (grifos originais)

Não foi para o atleta que a norma da CLT foi concebida. Ao atleta foi concebida a Lei Pelé, norma em que, apesar do necessário aprimoramento, buscou o legislador prever todas as peculiaridades atinentes à profissão do desportista, cujo ápice é, justamente, a partida, prova ou equivalente.

Não são devidos, nesta linha de raciocínio, da qual me filio, o adicional noturno pela participação em partidas de futebol após as 22h, mas acréscimos remuneratórios e desde que previstos em contrato.

Agora, se o clube de futebol optar por agendar sessões de treinamento entre as 22h e as 5h, fora do contexto de uma concentração, viagem, pré-temporada, partida ou equivalente, ficará difícil justificar a não percepção do referido adicional.

……….

[1] Advogado do Santos Futebol Clube e Auditor na Justiça Desportiva da Federação Paulista de Basketball. Bacharel em Direito pelo Mackenzie, Master em Gestão Desportiva e Direito pelo ISDE, em Barcelona, e Pós Graduado em Direito Desportivo pela PUC, já foi palestrante na Universidade Taras Shevchenko, na Transnistria, e vencedor do Prêmio Valed Perry, do Instituto Brasileiro de Direito Desportivo.

[2] Artigo 28, § 4º, da Lei Pelé: “Aplicam-se ao atleta profissional as normas gerais da legislação trabalhista e da Seguridade Social, ressalvadas as peculiaridades constantes desta Lei, especialmente as seguintes:”

[3] Art. 73 da CLT. Salvo nos casos de revezamento semanal ou quinzenal, o trabalho noturno terá remuneração superior a do diurno e, para esse efeito, sua remuneração terá um acréscimo de 20 % (vinte por cento), pelo menos, sobre a hora diurna. […]

  • 2º Considera-se noturno, para os efeitos deste artigo, o trabalho executado entre as 22 horas de um dia e as 5 horas do dia seguinte. […]  

[4] Art. 7º São direitos dos trabalhadores urbanos e rurais, além de outros que visem à melhoria de sua condição social: […] IX – remuneração do trabalho noturno superior à do diurno;

[5] Os Atletas Profissionais no Direito do Trabalho. 2ª Ed. São Paulo, LTr. 2015. p. 85.

[6] ATLETA PROFISSIONAL DE FUTEBOL. PERÍODOS DE CONCENTRAÇÃO E VIAGENS. PAGAMENTO DE ACRÉSCIMO REMUNERATÓRIO. NECESSIDADE DE PREVISÃO CONTRATUAL. De acordo com o inciso III do § 4º do art. 28 da Lei nº 9.615/1998, os acréscimos remuneratórios são verbas de origem contratual, isto é, é necessária a previsão em contrato especial de trabalho desportivo, firmado entre o atleta e a entidade desportiva, fixando remuneração adicional correspondente aos períodos de concentração, viagens, pré-temporada e participação em partida, prova ou equivalente. Se inexistente ajuste correlato no contrato, não há a possibilidade de o atleta ser contemplado com os acréscimos remuneratórios. Neste caso, prevalece a presunção de que o salário contratado entre as partes já se destina também à remuneração daqueles eventos. Quanto à concentração, especificamente, ela é uma peculiaridade da profissão de atleta de futebol e somente pode haver o pagamento adicional por este período se houver previsão contratual. (TRT-12 – RO: 00013428220145120006 SC 0001342-82.2014.5.12.0006, Relator: UBIRATAN ALBERTO PEREIRA, SECRETARIA DA 3A TURMA, Data de Publicação: 17/07/2017)

[7] ATLETA PROFISSIONAL DE FUTEBOL. ACRÉSCIMOS REMUNERATÓRIOS. NECESSIDADE DE CONTRATAÇÃO EXPRESSA. Os acréscimos remuneratórios, parcela salarial que se destina à satisfação dos períodos de concentração, viagens, pré-temporada e participação em partidas, prova ou equivalente, são um direito assegurado ao atleta profissional, cujo pagamento, porém, depende de expresso ajuste contratual. A mera previsão legal, conforme se extrai da parte final da Lei nº 9.615/1998, art. 28, § 4º, III, é insuficiente para gerar à entidade desportiva a obrigação de adimplemento e, ao atleta, o direito ao seu recebimento. Inexistente a pactuação, inexiste o direito aos acréscimos remuneratórios. (TRT-12 – RO: 00022861320135120041 SC 0002286-13.2013.5.12.0041, Relator: LIGIA MARIA TEIXEIRA GOUVEA, SECRETARIA DA 3A TURMA, Data de Publicação: 23/08/2017).

[8]  EMENTA: ATLETA PROFISSIONAL DE FUTEBOL. ADICIONAL NOTURNO. Não faz jus o atleta profissional de futebol ao pagamento do adicional noturno, já que o labor em tal horário está inserto em suas atividades, nos termos do previsto nos incisos I a III do artigo 35 da Lei nº 9.615/98. (RO 00073-2007-101-04-00-9 – Rel. Des. Maria Cristina Schaan Ferreira – 6ª Turma TRT-4 – j. 08/07/2009).

[9] As peculiaridades do contrato de trabalho do atleta profissional devem ser consideradas no momento da análise de sua remuneração, bem como da jornada de trabalho, já que sua situação é completamente distinta do trabalhador comum. Não fixados contratualmente quaisquer acréscimos remuneratórios em função de períodos de concentração, viagens e participação em partidas, não cabe ao juiz arbitrar valores sequer pactuados. De igual modo, não há provas de que o autor tenha laborado em jornada extraordinária, seja pela superação da jornada normal, seja pelo trabalho em domingos ou feriados sem o devido pagamento ou compensação. (TRT-2 1000821-20.2016.5.02.0042 – Relatora: Regina Aparecida Duarte – 16ª Turma – Data de Publicação: 07/04/2018).

[10] ATLETA PROFISSIONAL. PERÍODO DE CONCENTRAÇÃO. ACRÉSCIMO REMUNERATÓRIO. CONDICIONAMENTO À PREVISÃO CONTRATUAL. Embora o §4º do art. 28 da Lei 9.615/1998 tenha estabelecido que “aplicam-se ao atleta profissional as normas gerais da legislação trabalhista e da Seguridade Social”, ressalvou “as peculiaridades constantes desta Lei”. Uma destas peculiaridades diz respeito aos “acréscimos remuneratórios em razão de períodos de concentração, viagens, pré-temporada e participação do atleta em partida, prova ou equivalente, conforme previsão contratual” (inciso III). Com efeito, o texto normativo condicionou o pagamento dos acréscimos remuneratórios à existência de previsão contratual. Fosse silente o legislador nesse aspecto, seria defensável a incidência da regra geral no sentido de que todo o tempo à disposição do empregador, nele incluído o decorrente do período de concentração, deveria ser remunerado. (0000523-24.2018.5.12.0001 – 1ª Câmara TRT-12 – Data de Publicação: 17/12/2019).

Compartilhe

Share on whatsapp
Share on telegram
Share on twitter
Share on facebook
Share on linkedin
Share on email

Últimas Notícias

Colunas

Seções

Assine nossa newsletter

Toda sexta você receberá no seu e-mail os destaques da semana e as novidades do mundo do direito esportivo.