Afrogames: o projeto social dos esportes eletrônicos pode estar em risco

Assim como no esporte tradicional, o eSport não é apenas aquilo que acontece dentro das partidas dos grandes campeonatos.

A utilização do eSport para o ensino e engrandecimento do ser humano é uma realidade, além de ser a oportunidade de jovens talentosos terem uma vida digna.

Ser jogador profissional de um esporte eletrônico é um sonho de milhares de crianças, jovens e até adultos, mas nem toda modalidade é democrática quando se trata dos equipamentos básicos necessários para sua prática.

Além disso, o conteúdo para estudo do jogo é, em sua grande maioria, na língua inglesa.

Para derrubar a barreira social e linguística, foi criada a Afrogames, um centro de eSports e games localizado em uma favela no Rio de Janeiro.

O Afrogames

Idealizado pelo AfroReggae, o projeto AfroGames foi inaugurado em maio de 2019 e não tem como objetivo apenas o treinamento de jogadores profissionais de esportes eletrônicos.

A estrutura montada em Vigário Geral, no Centro Cultural Waly Salomão, visa formar também profissionais da indústria dos games dentro da comunidade. O intuito é facilitar que jovens da favela tenham acesso a equipamentos profissionais e capacitá-los para que atuem no mercado de games e de eSports.

Os cursos oferecidos pela Afrogames giram em torno do treinamento em eSports, programação de jogos e produção musical para games. Além disso todos os inscritos têm direito a aulas de inglês, alimentação e uniforme.

 

Crise econômica, falta de patrocínio e circuito desafiante

Por conta da crise econômica que assola o país, os investidores do projeto não renovaram o patrocínio no início do ano.

No final do ano, a Afrogames havia anunciado um time de League of Legends para competir por uma vaga no circuito desafiante, que é a “segunda divisão” da modalidade. Os integrantes do time seriam remunerados para treinar e competir.

“Um trabalho remunerado na área de e-sports teria um grande impacto na comunidade”, disse Ricardo Chantilly, um dos realizadores da Afrogames.

Com a falta de investimento, os planos e o projeto como um todo podem ser frustrados.

“Melhor ficar aqui (jogando games) do que ficar na rua vendo coisa errada. A parada é complicada. Só quem está aqui dentro dá para ver a realidade que a gente vive.” – Daniel “Messi” Felipe, de 18 anos

Maturação do produto

Vincular uma marca com a Afrogames e explorar esse vínculo é uma dupla vitória.

Primeiro porque demonstra a preocupação da marca com a desigualdade social, gerando só aí uma identificação com o público.

Segundo porque trará o rejuvenescimento da marca por estar vinculada aos games e eSports, atingindo a das gerações millenial e Z, conhecidas por serem difíceis de se encontrar em grande demografia.

Depois de um semestre de existência, a Afrogames, que já tinha uma exposição muito grande na mídia especializada, se prepara para começar a participar de competições oficiais da modalidade League of Legends, a mais popular no Brasil atualmente, o que geraria uma exposição muito maior.

Opinião: Afrogames vs Pseudo-federações

Enquanto as confederações ilegítimas conspiram para serem relevantes com projetos de leis inócuos e com a não-organização de competições, é a iniciativa privada e empreendedora que cuida de projetos sociais no eSports.

Compartilhe

Share on whatsapp
Share on telegram
Share on twitter
Share on facebook
Share on linkedin
Share on email

Últimas Notícias

Colunas

Seções

Assine nossa newsletter

Toda sexta você receberá no seu e-mail os destaques da semana e as novidades do mundo do direito esportivo.